Capitã Marvel | Crítica 8
CinemaCríticas de Filmes

Capitã Marvel | Crítica

Não sei nem como começar a escrever essa crítica, mas o surto foi grande e Capitã Marvel foi tudo o que eu esperava:

  • Girl Power.
  • Emponderador.
  • Energético.
  • Sem pegada sexual para a atriz.
  • Doses de fofura com o Goose.
  • Boas risadas.
  • Easter Eggs (Selo Capitão América das referencias).

E claro, o velho e padrão de roteiro Marvel que eu tanto queria ver em um filme de super-heroína.

-LIVRE DE SPOILERS-

Acredito que por ser o primeiro filme solo de heroína a Marvel tomou muito cuidado com a mensagem que ela iria passar para a audiência. E confesso que eu estava com muito medo de como ela iria conduzir. Não por que não confio na Marvel, mas sim pelo simples motivo da empresa nunca ter dado um foco tão grande para as Heroínas, de forma que construísse uma história sólida, e até mesmo sem apelo sexual como vemos nas hqs antigas.

Capitã Marvel | Crítica 9

Eu, que sempre amei X-men pelo simples fato das meninas terem papeis importantes na trama, estava muito ansiosa para saber o que veria nas telas. E posso dizer com muito orgulho que: CAPITÃ MARVEL superou todas as minhas expectativas e ainda foi além. Eu dei tudo o que eu esperava ali em cima, mas quero justificar algumas partes que acho importante de debater.

A Capitã Danvers é acima de tudo uma mulher comum, como eu e todas as outras mulheres que conheço.  Humana, cheia de emoções que a fortalecem, mas que assim como nós é visto como um ponto negativo. Como se fosse extremamente necessário conter todos os sentimentos pelo simples fato de não correr o risco de ser melhor que o homem. E falo isso não só por mim, pois já passei por isso, mas pelo que deixa bem claro no filme.

Mulher não pode voar, não pode lutar… MULHER NÃO PODE SER GUERREIRA. E isso foi tão maravilhoso de se ver, entender que uma heroína é tão humana quanto eu, minha mãe e minhas amigas.

Capitã Marvel | Crítica 10

Davers, que ganhou seus poderes de uma forma não muito boa, aprende sobre o seu verdadeiro poder. E isso foi o que me emocionou, ver o quanto ela vai ser imprescindível para todas as crianças que estão crescendo e formando o caráter.

Além de ser totalmente girlpower, sim nos podemos, o filme tem uma representatividade muito linda. Temos Maria “Photon” Rambeau, uma personagem negra e maravilhosamente humana, sem superpoderes que é dona da porra toda também, me deu um quentinho no coração entender a importância dela no filme e na história da Carol. Elas possuem um laço de amizade lindo e que mostra como é importante uma amizade apoiar a outra. Crescemos fortes juntos, certo? Sério, isso foi lindo demais.

Mas, e os easter eggs? CHOVE REFERÊNCIAS no filme todo. Precisa ficar ligado em cada detalhe, quero até assistir de novo todos os filmes, por que tenho certeza que devo ter perdido algum. Entendemos a origem de muitas coisas, e como tudo chegou no ponto em que estava no último Vingadores.

Capitã Marvel | Crítica 11

Carol terá um papel muito importante no próximo Vingadores e mal posso vê-la com toda a equipe, ou melhor, parte dela. Ela e a Viúva serão um time arrasador. Goose o gatinho mais foto de todos os tempo, teve um papel muito importante no filme, e confesso que ele me surpreendeu demais. Ótimo ator e arrancou suspiros de todo mundo que estava assistindo. Quem não tem gato, saiu de lá querendo um. Eu super recomendo, alias.

E nem preciso falar na trilha sonora desse filmaço!!!! GENTE AS MUSICAS FORAM INSERIDAS COM MUITO cuidado em cada cena, e fizeram toda diferença. Quero já a soundtrack!!! Em resumo, saí com uma sensação de vitória do cinema. De que pela primeira vez, nós, estávamos muito bem representadas pela Marvel. Agora vê se aprende, ok? Manda mais! Temos inúmeras heroínas no catalogo.

Capitã Marvel | Crítica 12

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Capitã Marvel | Crítica 13


Lari Azevedo
Larissa Azevedo nasceu em 1988, na cidade de São Paulo. Desde pequena é apaixonada por arte, cores e literatura. Formada em Design Digital, é responsável pela parte visual do Burn Book é, juntamente com o Guilherme Cepeda, autora da série de livros "Série Minha Vida", e como fuga, lê todos os livros que pode, escreve e brinca no Photoshop. Me segue lá no SnapChat: lari.luara

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Cinema

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.