“Dunkirk” contou com trabalho de presos para a construção de sets de filmagem 7
Cinema

“Dunkirk” contou com trabalho de presos para a construção de sets de filmagem

O livro “Dunkirk: The History Behind the Major Motion Picture” , de Joshua Levine, que contém depoimentos de várias pessoas envolvidas no projeto, revelou que alguns barcos e veleiros vistos no filme Dunkirk teriam sido construídos com a ajuda de trabalho penitenciário.

“O grande contingente de trabalho que era necessário para o filme nos levou a algumas colaborações interessantes”, diz o autor no livro, amparado por depoimentos do decorador de set Gary Fettis, que contou detalhes do trabalho realizado com os penitenciários de Dunkirk.

“As grandes velas dos barcos da época eram feitas de cordas, entrelaçadas com um tecido muito específico. Encontramos um homem de Dunkirk que já tinha trabalhado para um museu local fazendo essas peças, e ele contratou presidiários locais para ajudá-lo”, explicou.

“Dunkirk” contou com trabalho de presos para a construção de sets de filmagem 8

O decorador admitiu que a colaboração barateou os custos da produção, mas a forma como relata para o livro – “Eu espero que os produtores saibam, porque nós economizamos muito fazendo isso” – pode indicar que talvez o diretor Christopher Nolan e sua equipe de filmagem não saibam do fato.

Leia mais sobre Dunkirk

via b9

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


“Dunkirk” contou com trabalho de presos para a construção de sets de filmagem 9


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Cinema

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.