Equipe de efeitos de Bohemian Rhapsody não foi paga pelo trabalho 5
Cinema

Equipe de efeitos de Bohemian Rhapsody não foi paga pelo trabalho

De acordo com o jornal The Guardian, a produtora britânica Halo VFX está em processo de falência e ainda não conseguiu pagar os freelancers pelo serviço prestado ao longa da Fox. A companhia com mais de 15 anos de atuação no mercado está devendo 53 mil libras, algo atualmente próximo de R$ 263 mil.

A empresa que criou os efeitos visuais de uma das partes mais antológicas do filme, o icônico show no Live Aid, não pagou seus funcionários pelo trabalho realizado. 

“Não é aceitável que artistas que contribuíram para o sucesso de um filme tão lucrativo sejam desconsiderados e saiam no prejuízo”, disse o representante Paul Evans.

Equipe de efeitos de Bohemian Rhapsody não foi paga pelo trabalho 6

Vale lembrar que a Halo VFX não é a única empresa de efeitos visuais que prestou serviço ao filme. Não há relatos de dívidas com funcionários de outras empresas envolvidas com Bohemian Rhapsody.  

via jovemnerd

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Equipe de efeitos de Bohemian Rhapsody não foi paga pelo trabalho 7


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Cinema

Leave a reply