Jon Favreau, diretor de ‘O Rei Leão’ até mudou a posição do Sol graças à tecnologia

Para comandar a nova versão de O Rei Leão, o cineasta Jon Favreau contou com recursos até então inexistentes que lhe permitiram realizar uma proeza tecnológica.

Rodado inteiramente em realidade virtual (apenas uma cena foi filmada), o longa permitiu ao diretor e sua equipe tomarem decisões que eram imediatamente visualizadas. Com isso, o filme orçado em US$ 250 milhões não pode ser definido como um produto em 3D tradicional.


“Montamos um estúdio com equipamentos modificados para que pudéssemos criar um estúdio virtual, onde o filme seria rodado, no bairro de Playa Vista, em Los Angeles”, conta o brasileiro Bernardo Machado, chefe de finanças da empresa de realidade virtual Magnopus, que desenvolveu a tecnologia e cuja sede está em Los Angeles. “Recriamos o mundo de O Rei Leão em VR (sigla em inglês para realidade Virtual), com todos os animais, savana, árvores, montanhas, sol, Pedra do Rei, etc., A equipe de produção do filme colocava o headset (óculos de VR) e podia andar e voar para qualquer posição, mudar os objetos com as mãos e utilizar as câmeras e equipamentos de luz virtuais para capturar as cenas.”

Na prática, isso significava que, caso Jon Favreau não gostasse da sombra projetada por Simba, ele simplesmente mudava a posição do Sol para dispor da luz necessária. “Se não gostasse do jeito que uma árvore estivesse na cena, Jon podia pegá-la com a mão (utilizando o controle de realidade virtual) e a mudava de lugar Era possível controlar também a posição da câmera, a velocidade do close e o corte que teria. É como brincar de Deus, pois você controla literalmente tudo.”

Em entrevista ao programa de entrevistas de Jimmy Kimmel, Favreau contou que o princípio da técnica era o mesmo utilizado nos anos 1940, ou seja, o longa foi rodado por uma equipe tradicional de técnicos, que trabalhou em um mundo virtual em três dimensões.

“Os ambientes vistos no filme foram criados por computador e as atuações foram animadas quadro a quadro, como se fazia na época de Bambi”, comentou o diretor, reforçando a importância de sua experiência em Mogli – O Menino Lobo para se sentir à vontade em O Rei Leão. “Foi um excelente aprendizado, especialmente para trabalhar com live-action e transformar os arquivos digitais em Realidade Virtual no jogo cinematográfico. Fizemos um filme dentro da realidade virtual.”

via metrojornal

Leia Mais
Livro baseado nos jogos de Need For Speed no Brasil