Vingadores: A Era de Ultron | Crítica 3
Cinema

Vingadores: A Era de Ultron | Crítica

O universo fica maior, os heróis mais poderosos e as ameaças vêm de dentro deles.

Depois de mais de três anos de espera, finalmente os heróis mais poderosos da terra voltam a juntar forças num filme muito maior que o primeiro. A Era de Ultron vai além de seu antecessor, viajando por todo mundo e unindo todos os pontos que os filmes solos deixaram. Homem de FerroRobert Downey Jr.), Capitão AméricaChris Evans), ThorChris Hemsworth), HulkMark Ruffalo), Viúva NegraScarlett Johansson) e Gavião Arqueiro ( Jeremy Renner) estão na busca pelo cetro de Loki. O poderoso Tesseract que quase causou a destruição da terra. Eles nem tem ideia de quanto poder estão lidando, mas logo terão quando os gêmeos surgirem e o maior inimigo dos Vingadores começar a ganhar vida.

Esse filme conseguiu misturar bem o ritmo divertido dos filmes da Marvel com um clima mais sombrio, coisa que os últimos filmes do estúdio estão tentando passar desde Capitão América: O Soldado Invernal.

Tony Stark está querendo colocar uma armadura sobre o mundo, algo mais poderoso que os Vingadores e que consiga trazer a paz mundial. Com o poder do Tesseract ele finalmente encontrou a inteligencia artificial para isso e um modo de finalizar o programa Ultron.

Ultron ( James Spader) aprendeu rápido sobre o mundo e toda a história humana, tanto que ele encontrou apenas um modo para a paz: A evolução. Estando em todos os lugares ao mesmo tempo, Ultron se mostrou um inimigo a altura de nossos heróis. Algumas vezes ele se mostrou um tanto infantil, mas entendo que ele ainda é jovem e não consegue controlar suas emoções. Ele quer destruir a humanidade, mas não quer ficar sozinho. Dá para ver que ele não enxerga os irmãos os Maximoff, PietroAaron Taylor-Johnson) e Wanda ( Elizabeth Olsen), apenas como armas. Ele se importa com eles.

Os dois foram muito bem colados no filme e sua união com a equipe no final foi tão natural que foi como se eles sempre fizessem parte dos Vingadores.

No final entramos mais a fundo nas gemas do infinito. Com o Tesseract revelando ser a gema da mente e mais três terem surgido, Thor percebe que isso não é uma coincidência e parte para encontrar respostas. Todos os Vingadores seguiram seus caminhos no final, alguns muito longe, outros bem perto. Novas ameaças podem surgir e Capitão América e Viúva Negra tem que treinar a nova geração.

Vingadores: A Era de Ultron foi um dos melhores filmes da Marvel, com cada personagem ganhando seu próprio espaço e sendo desenvolvido do seu jeito. E nem me faça falar da cena pós-créditos. A fase três da Marvel será sobre Thanos

Confira o trailer do filme abaixo:

[[youtube http://www.youtube.com/watch?v=I4lgl7ImHSg]]

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Vingadores: A Era de Ultron | Crítica 4







Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Cinema

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.