Um thriller psicológico que vai te deixar agonizado

1922 é a mais nova adaptação de uma história do mestre do terror, Stephen King. Baseado numa das quatro história da antologia Full Dark, No Stars, nós acompanhamos o fazendeiro Wilfred James (Thomas Jane) e como sua obsessão em manter sua terra fez com que ele convencesse seu filho ao ajudar a matar sua esposa que ameaçava tirar tudo dele.

A Netflix realmente está sabendo trazer as história de King a vida. Se Jogo Perigoso já nos manteve presos no assento, então a adaptação do diretor Zak Hilditch vai deixar alguns agonizados. Com uma história contida e poucos personagens, ele conseguiu nos mostrar o que um homem é capaz de fazer para ter o que quer, numa época de poucas palavras em que sua terra determinava quem você era.

Thomas Jane nos dá uma de suas melhores atuações. Ele é o centro da história e o que existe em sua mente é o que movimenta o enredo, principalmente quando os demônios do seu passado retornam e ele vê seu pequeno paraíso desmoronando. Thomas deu tudo de si no papel e não poderia ter tido escolha melhor.

1922 é um exemplo de como se fazer um bom thriller. Você não precisa de muito, apenas bons personagens e um diretor que sabe o que está fazendo. Pronto, está aí algo agonizante. O filme pode começar um pouco fraco, mas continue. Ele logo constrói uma tensão que te pega.



» Siga o Burn Book no Facebook Instagram e no Twitter e receba todas novidades dos livros, filmes e séries! «

1922 | Crítica
84%Pontuação geral
Personagens 85%
Enredo 80%
Fotografia 90%
Efeitos Especiais 75%
Trilha Sonora 90%
Votação do leitor 1 Voto
98%

Deixe sua opinião aqui :)

Sem mais artigos