A Morte do Superman | Crítica

A Morte de Superman é iniciada com muita ação, quando o Homem de Aço impede a Intergangue de atacar o prefeito de Metrópolis. Vendo que a tecnologia utilizada pelos vilões é semelhante a da Caixa Materna usada por Cyborg (Shemar Moore), Superman (Jerry O’Connel) o contata e leva o fragmento da armadura para o STAR Labs. Lá, o pai de Cyborg, Silas Stone (Rocky Carroll), e o recém chegado funcionário John Henry Irons, analisam o fragmento, descobrindo uma ligação com tecnologia da LexCorp.

Na vida pessoal, Clark Kent  passa por um empasse emocional. Apesar de estar em um feliz relacionamento com Lois Lane (Rebecca Romijin), ainda esconde sua identidade secreta para proteger a moça de um perigoso futuro. Isso se torna ainda mais complicado quando ela pede para conhecer os pais do namorado.



Se você acha que acabou, espere mais um instante. Um meteoro cai no planeta Terra e atinge áreas subterrâneas. De dentro dele sai um monstro gigantesco batizado de Doomsday, que inicia uma destruição em massa na cidade de Metropolis. Agora, a Liga da Justiça precisa intervir imediatamente, mas parece que só os poderes do Superman são compatíveis com o do terrível monstro. Será que o super-herói salvará o dia mais uma vez?

Esse é, sem dúvida, um dos melhores arcos da DC Comics e aí mora, ao mesmo tempo, a oportunidade e o perigo. Batman vs Superman: A Origem da Justiça tentou adaptá-lo e deixou a desejar em muitos quesitos. No entanto, essa animação traz algumas felizes alterações. 

Uma das adaptações feitas para essa animação foi a participação da Liga da Justiça na luta contra Doomsday que, nos quadrinhos, apenas aparece no funeral do Superman. No entanto, houve um certo descaso em desenvolver um relacionamento entre os integrantes e o protagonista dessa história. Apenas Diana (Rosario Dawson) efetivamente demonstra uma verdadeira relação de amizade. 

Outro ponto é que nessa versão Lois ainda não sabe do segredo que Clark mantém, diferente das HQs. Acompanhar a descoberta da jornalista renderá ao público uma cena icônica e divertida. Além de fortalecer o laço entre eles, já que, anteriormente, o super-herói namorava Mulher Maravilha.

Sobre o vilão dessa animação, prepare-se para muito sangue. Diferente da versão de Snyder, Doomsday mostra-se ameaçador por seu visual e por sua crueldade ao despedaçar suas vítimas. É errado achar isso legal? I have no regrets. As cenas de luta desse personagem contra a Liga da Justiça merecem elogios, principalmente as contra Mulher Maravilha e Superman.

E quanto ao nosso amado mocinho? A sua humanidade é trazida a tona por toda a história e como isso cativa os seres-humanos, também. Essa adoração, esse amor, é muito importante para quatro personagens que foram introduzidos nessa fase e estarão presentes em O Retorno do Superman, confirmado para 2019.

Jake Castorena e Sam Liu conseguiram construir uma trama que todo fã de quadrinhos ama. Easter eggs do início ao fim, cenas de luta poderosas e adaptações funcionais são os marcos de A Morte do Superman. Essa, com certeza, é uma grande homenagem ao Homem de Aço no ano de seu 80º aniversário. 

Personagens85
Enredo95
Animação92
Trilha Sonora85
Nota dos Leitores:3 Votes57
89




» Siga o Burn Book no Facebook Instagram e no Twitter e receba todas novidades dos livros, filmes e séries! «

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Leia Mais
Feiticeira Escarlate será uma das surpresas de Capitão América: Guerra Civil