Descendentes 3 | Crítica 19
Críticas de FilmesCinema

Descendentes 3 | Crítica

 Ohhhhhhh it’s good to be bad!

Pensei em como chegar nessa crítica dançando e cantando no melhor estilo musical Disney – aí me lembrei que vocês que estão me lendo aqui no Burn Book não estão acostumados com essas minhas loucuras e achei mais prudente chegar de uma forma, digamos, mais cordial.

Prazer, sou Camilla – lá do Mademoiselle Paris. Disney lover de carteirinha e fã declarada do gênero musical, seja ele no cinema ou no teatro – ou na vida, porque não?

Fui assistir à Descendentes 3 para trazer para vocês o que esperar na estreia do próximo dia 09, a convite do Gui (aka dono deste site belezinha que você está lendo) e do pessoal amorzinho da Disney Brasil. Então, sem mais delongas, vamos para o reino dos contos de fada!

Descendentes 3 | Crítica 20

A terceira parte da história que conta o destino dos VK’s (Vilain Kids) começa com nosso grupinho principal (Mal, Carlos, Jay e Evie) voltando à Ilha dos Perdidos na missão de recrutar novas crianças para o projeto de reintegração do Ben (duplo sentido nisso quando lido em voz alto? É, eu sei).

Ao finalmente selecionar seus novos pupilos, o quarteto é surpreendido por alguns vilões – dentre eles, HADES! Emocionei! – tentando furar a barreira e escapar do isolamento.

Descendentes 3 | Crítica 21

+ Ouça agora a playlist oficial do filme Descendentes 3

Diante desse acontecimento assustador e depois de mais uma cena heróica da Mal (eu adoro ela mas às vezes ela me enjoa com essa vibe heróica. SDDS MALÉVOLA), ela e Ben – quer dizer, mais ela que o Ben – decidem fechar a barreira de uma vez por todas, cortando todos os elos entre os dois…. mundos. Posso chamar de mundos? Enfim, mundos.

Aqui a gente precisa parar e prestar atenção num importante tema que a Disney introduz de maneira leve e descontraída: muros, fronteiras, soberania de um povo em detrimento de outro. Disney, sua politizada!

Descendentes 3 | Crítica 22

Daí por diante o filme segue com a sua narrativa aprofundando em questões como igualdade e equilíbrio. É tão maravilhoso perceber a construção disso de forma orgânica na trama..

Se você gostou dos filmes anteriores, a 3ª parte vem para entregar uma dose extra de magia e reforçar importantes lições sobre amizade, tolerância e respeito às diferenças.

Confesso que dei uma choradinha quando a Mal finalmente aprende que construir pontes é mais legal do levantar muros. <3

Descendentes 3 | Crítica 23

E por falar em choro, o choro é livre no momento que Carlos (Cameron Boyce) entra em cena. Ainda me pego desacreditada com a morte dele e me emociono ao ver as homenagens – inclusive a oficial que a Disney fez na estreia gringa do filme – pra ele. Zoom na última fala dele e de seu cachorro no filme. Eu não sabia se ria ou chorava ou me desmanchava de tanto amor. Prestem atenção!

+ Disney faz tributo a Cameron Boyce após exibição de Descendentes 3;

O filme é tudo que se propõe a ser: juvenil, musical, esperançoso e forte. Tudo bem equilibrado nos moldes Disney de padrão de qualidade. Eu, sinceramente adorei. Acho que se você curtiu os anteriores – também vai se amarrar. 😉

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Descendentes 3 | Crítica 24


O que você achou desse Post?

LOL
0
GOSTEI
0
AMEI
0
CONFUSO
0
Engraçado
0
Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Críticas de Filmes

Leave a reply