Descendentes 3 | Crítica

 Ohhhhhhh it’s good to be bad!

Pensei em como chegar nessa crítica dançando e cantando no melhor estilo musical Disney – aí me lembrei que vocês que estão me lendo aqui no Burn Book não estão acostumados com essas minhas loucuras e achei mais prudente chegar de uma forma, digamos, mais cordial.


Prazer, sou Camilla – lá do Mademoiselle Paris. Disney lover de carteirinha e fã declarada do gênero musical, seja ele no cinema ou no teatro – ou na vida, porque não?

Fui assistir à Descendentes 3 para trazer para vocês o que esperar na estreia do próximo dia 09, a convite do Gui (aka dono deste site belezinha que você está lendo) e do pessoal amorzinho da Disney Brasil. Então, sem mais delongas, vamos para o reino dos contos de fada!

A terceira parte da história que conta o destino dos VK’s (Vilain Kids) começa com nosso grupinho principal (Mal, Carlos, Jay e Evie) voltando à Ilha dos Perdidos na missão de recrutar novas crianças para o projeto de reintegração do Ben (duplo sentido nisso quando lido em voz alto? É, eu sei).

Ao finalmente selecionar seus novos pupilos, o quarteto é surpreendido por alguns vilões – dentre eles, HADES! Emocionei! – tentando furar a barreira e escapar do isolamento.

+ Ouça agora a playlist oficial do filme Descendentes 3

Diante desse acontecimento assustador e depois de mais uma cena heróica da Mal (eu adoro ela mas às vezes ela me enjoa com essa vibe heróica. SDDS MALÉVOLA), ela e Ben – quer dizer, mais ela que o Ben – decidem fechar a barreira de uma vez por todas, cortando todos os elos entre os dois…. mundos. Posso chamar de mundos? Enfim, mundos.

Aqui a gente precisa parar e prestar atenção num importante tema que a Disney introduz de maneira leve e descontraída: muros, fronteiras, soberania de um povo em detrimento de outro. Disney, sua politizada!

Daí por diante o filme segue com a sua narrativa aprofundando em questões como igualdade e equilíbrio. É tão maravilhoso perceber a construção disso de forma orgânica na trama..

Se você gostou dos filmes anteriores, a 3ª parte vem para entregar uma dose extra de magia e reforçar importantes lições sobre amizade, tolerância e respeito às diferenças.

Confesso que dei uma choradinha quando a Mal finalmente aprende que construir pontes é mais legal do levantar muros. <3

E por falar em choro, o choro é livre no momento que Carlos (Cameron Boyce) entra em cena. Ainda me pego desacreditada com a morte dele e me emociono ao ver as homenagens – inclusive a oficial que a Disney fez na estreia gringa do filme – pra ele. Zoom na última fala dele e de seu cachorro no filme. Eu não sabia se ria ou chorava ou me desmanchava de tanto amor. Prestem atenção!

+ Disney faz tributo a Cameron Boyce após exibição de Descendentes 3;

O filme é tudo que se propõe a ser: juvenil, musical, esperançoso e forte. Tudo bem equilibrado nos moldes Disney de padrão de qualidade. Eu, sinceramente adorei. Acho que se você curtiu os anteriores – também vai se amarrar. 😉

Personagens
Enredo
Trilha Sonora
Efeitos Especiais
Nostalgia
Nota dos Leitores:2 Votes4.25
4

Leia Mais
PENTAGON confirma show em São Paulo