Esquadrão Suicida | Crítica 3
Críticas de Filmes

Esquadrão Suicida | Crítica

Um filme com muito potencial que sofreu nas mãos da edição.

Esquadrão Suicida é o terceiro filme no Universo Cinematográfico DC Comics, sobre o grupo de vilões liderados pelo Pistoleiro (Will Smith) e Rick Flag (Joel Kinnaman) a mando de Amanda Waller (Viola Davis) para enfrentar a ameaça dos meta-humanos.

Primeiramente, eu estava muito ansioso por esse filme. Tudo que o marketing estava mostrando, desde as músicas aos trailers, só me faziam querer mais. Arlequina (Margot Robbie) parecia que iria virar a nova musa dos nerds, algo que realmente aconteceu. A personagem funciona perfeitamente no filme, entregando uma atuação que vai marcar tanto os fãs da editora quanto os espectadores em geral.

maxresdefault (1)

Eu não tenho nenhuma reclamação com o elenco em geral. Eles conseguiram se entregar aos personagens e nos dão exatamente o que estávamos pedindo, com o diretor David Ayer elegendo a Arlequina e o Pistoleiro como seus protagonistas. O filme é dos dois e você não se incomoda com isso. Eles funcionam perfeitamente.

3103474-4+suicidesquad

Acho que posso resumir esse filme numa única frase: “Bons personagens num filme não tão bom assim“. Da metade para frente o filme se prede por completo, nos entregando um arco não muito interessante e uma vilã pior ainda. É uma droga dizer isso da Cara Delevingne, que tinha um personagem com tanto potencial.

SUICIDE SQUAD

Mas o pior ainda foi o Coringa (Jared Leto). Não que Jared não tenha feito a sua parte, mas o filme não deixa espaço para ele crescer, o deixando muito genérico na trama. Não estou dizendo que Jared tenha culpa. Acho até que tenha algo interessante para se explorar do seu palhaço demoníaco, mas só vemos um vislumbre disso no começo. 

Isso é uma pena, porque se você tem o Coringa no filme, porque não o aproveitar ao máximo? 

9-new-images-of-jared-letos-joker-in-suicide-squad

No final, Esquadrão Suicida não consegue concertar os erros de Batman vs Superman ou realmente nos entregar um bom filme de equipe, mas ele é bem divertido. Eu me diverti do começo ao fim e quero muito uma continuação. Eu só espero que a Warner tenha um pouco mais de foco no seu próximo trabalho. Dava pra fazer como esse filme saiu das mãos do diretor e poderíamos ter tido algo muito melhor se a produtora confiasse mais em sua equipe. 

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Esquadrão Suicida | Crítica 4







Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Críticas de Filmes

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.