Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas | Crítica 8
Críticas de Filmes

Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas | Crítica

Uma comédia divertida para a criançada nas férias

Genndy Tartakovsky retorna ao Hotel Transilvânia para contar uma nova história do Conde Drácula (Adam Sandler), Mavis (Selena Gomez), Johnny (Andy Samberg) e o resto da gangue, agora embarcando num cruzeiro até Atlântida, numas férias bem monstruosas.

Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas | Crítica 9

A primeira coisa que tenho a dizer sobre Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas é que o filme não tem nem de longe o brilhantismo das animações da Pixar/Disney, em que até os adultos podem se emocionar e até soltar uma lágrima. Essa franquia é mais para as crianças e você vê isso claramente pelo modo que a animação é construída e como o humor clássico de Sandler é colocado na história.

Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas | Crítica 10

Tendo dito isso, qual o problema de fazer uma animação para o publico infantil? As animações sempre tiveram um foco nas crianças. Nem tudo precisa ser feito de modo que os adultos também se divirtam e dá para ver bem como as crianças estavam mais do que entretidas com o que viam.

A adição da nova personagem Erika Van Helsing (Kathryn Hahn) podia ter sido melhor feita e o longa não consegue ser tão bom quanto seu antecessor, mas o terceiro capítulo da franquia é mais do que divertido e consigo vê-lo fazendo muito sucesso com a molecada.

Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas | Crítica 11

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas | Crítica 12


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Críticas de Filmes

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.