King Kong retorna para trazer o inicio do Universo de Monstros da Legendary Pictures

Com cada estúdio trabalhando com o que tem para formar seu próprio Universo Cinematográfico, a Legendary não podia ficar de fora. Depois do sucesso que foi seu Godzilla, de 2014, o estúdio começou a planejar as peças que tinha para formar um grande universo, e estou usando grande por causa do tamanho das criaturas. Nunca vi um King Kong tão grande.

Kong: A Ilha da Caveira nos mostra uma nova versão do monstro que muitos conhecem apenas por nome ou alguma cena já esquecidas. Dessa vez estamos no fim da Guerra do Vietnã e um grupo de soldados deve ir para uma misteriosa ilha testar os abalos sísmicos, mas tudo não passava de um falso pretexto para provar uma antiga teoria: Monstros existem?

Primeiro, eu tenho que dizer que essa novo filme do King Kong é muito bem filmado. O diretor Jordan Vogt-Roberts soube como conduzir sua câmera, deixando os momentos dos ataques dos monstros, e até a aparição do Kong, muito mais emocionante e até angustiante, num cenário tão bem pensado.

Com Tom HiddlestonSamuel L. Jackson e Brie Larson no elenco, é de se esperar que esses atores complementem e muito o longa. Infelizmente não foi o que aconteceu. Bem, Jackson soube como trazer a tona o general que não sabe viver sem uma guerra para travar, já Tom e Brie acabaram falhando no decorrer da história. É meio estranho ter que dizer que os personagens secundários foram muito melhores e mais envolventes que nossos protagonistas, mas faltou carisma na parte de Hiddleston. Nunca pensei que iria dizer que o problema do Loki foi carisma, mas esse papel teria ficado melhor em um ator como Chris Pratt, que teria combinado perfeitamente com o humor do personagem de John Goodman.


Mas isso não estraga o longa, graças ao ritmo acelerado e um ótimo elenco de apoio eu posso dizer que dá para se divertir bastante com Kong: A Ilha da Caveira. Esse é um filme de guerra que sabe explorar de um modo bem humorado toda a violência e pode até assustar alguns com os monstros que jogam na nossa cara. Eu só queria ter ficado um pouco mais com aqueles soldados, em especial o personagem do Thomas Mann.

Não saia antes dos créditos porque tem uma cena pós-créditos te esperando.


» Siga o Burn Book no Facebook Instagram e no Twitter e receba todas novidades dos livros, filmes e séries! «

Confira o trailer:

Kong: A Ilha da Caveira | Crítica
71%Pontuação geral
Personagens 50%
Enredo 55%
Fotografia 80%
Efeitos Especiais 85%
Trilha Sonora 85%
Votação do leitor 1 Voto
80%

Deixe sua opinião aqui :)

Sem mais artigos