Máquinas Mortais | Crítica 4
Críticas de FilmesCinema

Máquinas Mortais | Crítica

Em Máquinas Mortais, devido a “Guerra dos Sessenta Minutos”, a Terra está destruída. Para sobreviver, as grandes cidades se movem em rodas gigantes, conhecidas como Cidades Tração, e lutam com outras para conseguir mais recursos naturais.  Em uma das caçadas, Londres captura uma cidade menor, onde está Hester Shaw (Hera Hilmar). Com isso, a jovem encontra a oportunidade de se vingar de Thaddeus Valentine (Hugo Weaving), arqueólogo que assassinou sua mãe, mas é impedida por Tom Natsworthy (Robert Sheehan).

Consciente de que Tom sabe sobre um de seus segredos, Valentine lança o jovem para fora da cidade junto com a fora-da-lei. Assim, os dois juntos precisam lutar para sobreviver e ainda enfrentar uma ameaça que coloca a vida no planeta em risco.

O longa é baseado na obra original do autor e ilustrador inglês Philip Reeve, que lançou quatro livros com essa temática futurista. Infelizmente, o roteiro assinado por Peter Jackson, Philippa Boyens e Fran Walsh é regado de clichês, mesmo prometendo algo novo logo no início da trama, e confuso. Além disso, os diálogos são muito didáticos, atrapalhando fortemente o ritmo. Por isso, os momentos de luta e ação são um grande alívio para o público.

Máquinas Mortais | Crítica 5

Máquinas Mortais também sofre com personagens pouco carismáticos e sem profundidade. Sobretudo, com Hera Hilmar Robert Sheehan como um casal sem química. Analisando individualmente, a personagem de Hilmar é apresentada como uma jovem destemida, mas em pouco tempo assume a pose de donzela apaixonada. Depois, temos Tom Natsworthy como um herói relutante tedioso. O destaque vai para cantora e atriz sul-coreana Jihae, que consegue chamar mais atenção, mesmo com pouco tempo em tela, e nos faz esquecer dos protagonistas.

Ok, finalmente falaremos sobre algo positivo sobre Máquinas Mortais, senhoras e senhores! Sem dúvida, o público será atraído por cenas de aventura imperdíveis, graças ao estilo steampunk e  os efeitos especiais da equipe de produção de Peter Jackson (Senhor dos Anéis, O Hobbit, e King Kong). Além disso, a trilha sonora de Junkie XL aparece pontualmente para trazer um caráter épico às sequências.

Por fim, Máquinas Mortais é um filme “assistível”, o que é decepcionante, pois a história tinha a oportunidade de recuperar o sucesso de distopias, como Jogos Vorazes, se assumisse críticas sociais e políticas. Contudo, o voo solo de Christian Rivers é marcado por um longa que não consegue passar de “um rostinho bonito”. 

Distribuidora: Universal Pictures

Estreia: 10/09/2018

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Máquinas Mortais | Crítica 6


Viviane Oliveira
Tecnóloga em Projetos Mecânicos desde 2017, estudante de Jornalismo, cosplayer, cosmaker, redatora freelancer desde 2016, amante da Mulher Maravilha e de Star Wars.

    Você pode gostar de:

    Mais Posts em:Críticas de Filmes

    Leave a reply