Pôster brasileiro de Star Wars: A Ascensão Skywalker

Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica

Nostalgia entra como um aliado para disfarçar as pontas soltas


A história criada por George Lucas em 1977 finalmente ganhou sua conclusão (pelo menos, até agora) com o lançamento de Star Wars: Episódio IX – A Ascensão Skywalker. Na conclusão da trilogia produzida pela Disney, dona da Lucasfilm desde 2012, temos o retorno do temido Imperador Palpatine (Ian McDiarmid). Por um lado, General Leia Organa (Carrie Fisher) está à frente da Resistência e como mestre de Rey (Daisy Ridley), pelo outro, Kylo Ren (Adam Driver) quer derrotar o antigo vilão e estabelecer seu poder. Ok, já deu pra sentir que tem muita coisa, não é?

Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica 16



Pois é isso mesmo! A Ascensão Skywalker, de uma forma bem chula, é aquele último episódio de novela em que todos os núcleos precisam de um fechamento e, no final, tem uma festa com reunião do elenco. Sem dúvida, essa foi a maior dificuldade do diretor J.J. Abrams, que retorna após a direção de Rian Johnson em Os últimos Jedi (foi delírio coletivo, galera). Isso fez com que o ritmo fosse muito intenso, diferente de seu antecessor.

Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica 17

De certa forma, isso é positivo porque o filme prendeu o público com ótimas cenas de ação e grandes momentos de fanservice. No entanto, abriu portas para que pontas ficassem soltas e que o roteiro fosse “apelão”. Sério, não há palavra melhor para definí-lo e você comprovará isso quando for ao cinema.

Temos nostalgia, aí? Você tomará surras e mais surras com cenas, falas, personagens e locações (sim, o objetivo é mexer com o seu coração, fã). Qual o problema disso? Bom, não só a A Ascensão Skywalker, mas toda essa trilogia apoia-se em personagens já conhecidos, o que anula qualquer chance de identificação entre o público mais antigo e os heróis mais novos.

Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica 18

Além disso, não espere por uma história muito diferente do que já vimos. Abrams ultrapassou o limite da homenagem e traz um episódio muito parecido com o que vimos em O Retorno de Jedi (até o vilão é o mesmo, não é, senhoras e senhores?).

Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica 19

Falando sobre o vilão dos vilões, gosto do Imperador Palpatine. Entretanto, pela falta de tempo para solucionar tantas questões em um longa, seu retorno pareceu uma fanfic. Possivelmente, a Disney tente abordar isso em outro momento e aí vem um “ponto positivo” das pontas soltas: há possibilidade de criação de novas histórias em diferentes formatos (filmes, séries, livros etc).

O maior ganho deste filme são dois personagens: Rey e Kylo Ren. Começando pela nossa protagonista, a forma como a construíram ao longo da história foi natural e respeitou a jornada do herói proposta por George Lucas.  Apesar da comparação com Luke, Rey apresentou um desenvolvimento mais profundo e independente. Boa parte disso é graças ao talento de Daisy Ridley que consegue ir do modo badass para o emotivo facilmente e envolve o público.

Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica 20

Em seguida, temos o cara com daddy issues mais revoltado da galáxia. Tenho que admitir que esse é um personagem que me incomodava, pois eu o via assim como o Anakin da prequel. Apesar do pouco espaço dado em A Ascensão Skywalker, o talentosíssimo Adam Driver teve a oportunidade explorar mais a complexidade do impasse que ele enfrentava. Ainda assim, sinto muito por esses momentos terem sido breves.

Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica 21

Poe (ou Han Solo 2.0) e Finn são os alívios cômicos do filme junto com os droides, especialmente C-3PO. Esperava que eles tivessem uma carga emocional maior, especialmente Finn, mas confesso que gostei da dinâmica de bromance.

Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica 22

Falaremos agora não só de uma personagem, mas também de uma atriz de deixará saudades: Carrie Fisher como General Leia Organa. Pelas poucas cenas gravadas, suas interações ficaram restritas à personagem de Ridley e isso, inevitavelmente, comprometeu a maior chance de explorar a personagem como jedi. Ainda assim, encontraram uma linda forma de honrá-la como parte essencial da Rebelião e integrá-la à Força.

Ainda com o espírito nostálgico, a fotografia, as locações e todos os efeitos especiais honraram o que foi construído ao longo desses anos. Teve Marcha Imperial, teve monstro com maquiagem, teve Tatooine e… Vou parar por aí porque acho que todos os fãs merecem sentir os arrepios que eu senti. Acredito que esses são detalhes que fazem a diferença na experiência cinematográfica que os filmes de Star Wars proporcionam.

Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica 23

Bom, Star Wars: Episódio IX – A Ascensão Skywalker é um filme que dividirá opiniões. Não podemos negar que é uma bela homenagem a um mundo construído a décadas e que encantou e encantará gerações. Recomendamos que todos vão ao cinema conscientes de que essa é a proposta do longa: apelar para o emotivo do fã.

Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica 24

Se você conseguir aceitar isso em seu coração, provavelmente gostará da experiência. Contudo, precisamos admitir que utilizar o passado como única base de sustentação para essa trilogia foi uma benção e uma maldição simultaneamente.

Rey e Kylo Ren lutando
Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica
Personagens
Roteiro
Trilha Sonora
Efeitos Especiais
Nota dos Leitores:2 Votes
4.1


Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica 25

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Leia Mais
Star Wars: A Ascensão Skywalker | Crítica 34
Marco Polo é renovado para a segunda temporada