Entrevista com Markus Zusak, autor de A Menina que roubava livros 16

Entrevista com Markus Zusak, autor de A Menina que roubava livros


M-Zusak_@PageThirteen-e1405719499231

A Editora Intrínseca compartilhou uma entrevista super interessante com Markus Zusak, autor de "A Menina que roubava livros". No mês de junho, o autor foi agraciado com o prêmio Margaret A. Edwards, em reconhecimento por uma “significante e duradoura contribuição para a literatura juvenil”.



Confira a entrevista abaixo:

Angela Carstensen – Como você se sentiu quando soube que tinha ganhado o prêmio Margaret A. Edwards?

Markus Zusak – Receber o prêmio foi bizarro. É bem característico de um australiano como eu sofrer um baque desses, dizer “que bom” e simplesmente seguir em frente. Foi uma imensa honra, mas eu cresci sendo ensinado a não me vangloriar. Comecei a escrever ainda jovem e tive a oportunidade de crescer como escritor. Meu jeito de encarar tudo isso é tentando sempre melhorar. É o que um escritor faz para se manter relevante.

AC – Qual a sua conexão com S. E. Hinton? Por que é tão significativo que ela tenha sido a primeira escritora a ganhar o Edwards?

 MZ – Eu já conhecia o prêmio e sabia que Hinton havia sido a primeira a recebê-lo. (Não que acreditasse que um dia seria premiado!) Sempre acompanhei a carreira de Hinton. Considero muito importante ela ter ganhado o prêmio, já que foi uma pioneira da literatura infantojuvenil e causou um impacto enorme no público leitor. Ela fez com que eu quisesse ser escritor. Eu era adolescente quando li Taming the Star Runner [1988, não publicado no Brasil], e um dos personagens desse livro era escritor. Lendo, eu conseguia me enxergar ali, nos livros dela. Era real! Minhas primeiras tentativas de escrever, aos 16 e 17 anos, foram horríveis. As oito páginas da minha primeira novela poderiam ganhar o prêmio de pior livro de todos os tempos.

Quando olho para minhas primeiras histórias, fico aliviado que não tenham sido publicadas. Eram muito parecidas com as de Hinton. Nós, autores, começamos a escrever imitando nossos heróis, e mantemos o espírito dessa admiração na obra. Com o passar do tempo, chegam outras influências e encontramos nossa própria voz. Mas a voz dos escritores que amamos continua lá. Cameron, por exemplo, foi inspirado no Ponyboy de Hinton.

AC – A luta é um tema comum em seus livros. De onde vem isso?

MZ – Vou ser bem sincero: não faço a menor ideia. Outra coisa recorrente em meus livros é a corrida. Nunca me meti em uma briga de verdade e não gosto de correr. Acho que isso vem de duas áreas: se você é um escritor, pode escrever sobre algo que gostaria de fazer na vida real. É uma das coisas que mais me encantam.

Há um fluxo de ideias no inconsciente quando se escreve. A corrida e a luta também estão presentes no meu novo livro. Meu irmão e eu somos parecidos em diversos aspectos – na voz, na aparência –, mas claramente diferentes em outros. Um deles é que, em matéria de esportes, meu irmão consegue fazer qualquer coisa. Então ele nunca teve que se esforçar, enquanto eu sempre precisei correr atrás para conseguir algum resultado. Normalmente isso funcionava para mim, e eu tinha o maior apreço pelas minhas conquistas. No começo, eu não escrevia bem.

Muitas pessoas abominam o boxe, e concordo com elas, mas admiro homens e mulheres que conseguem subir em um ringue, onde não há como se esconder. Assisti ao vivo a pouquíssimas lutas de boxe, e acho que são diferentes de tudo. Não fui lá para ver sangue, mas para ver a coragem de alguém capaz de se levantar e continuar lutando. E pelo respeito que costuma estar presente ao fim do combate. É diferente de qualquer outro esporte. É possível sentir a intensidade – não é uma sensação bonita, mas há algo totalmente real ali.

Todos são livres para discordar de mim. Certa vez, uma professora me escreveu decepcionada com a violência em Eu sou o mensageiro. Ela dizia que os leitores eram jovens e que eu dizia a eles que resolvessem seus problemas através da violência.  Respondi a ela pedindo desculpas por tê-la desapontado e expliquei as razões das escolhas que fiz. Acredito que o papel de um escritor seja procurar a realidade e sacudi-la. Há violência em todos nós, e beleza e força e fraqueza. Qual é meu dever? Escrever apenas sobre a beleza e a força, ou escrever sobre tudo o que existe? Essa é a minha maior responsabilidade, escrever sobre como vejo as coisas e como são de fato.

Então a luta funciona em diferentes níveis: há o aspecto físico, mas também o esforço e a batalha para se levar uma vida digna. Meus personagens brigam consigo mesmos e com o que há ao redor. Eu também luto enquanto escrevo, para produzir a melhor história que puder.

AC – Na sua opinião, por que os jovens estão dispostos a encarar um romance tão complexo e longo quanto A menina que roubava livros?

MZ – Nós subestimamos demais os adolescentes. Notamos apenas as coisas mais banais e corriqueiras, como o que vestem, por exemplo. Mas então escutamos histórias sobre um bebê que caiu no trilho de um trem, e normalmente é um adolescente quem o salvou e foi embora porque não queria receber nenhum crédito. Reconheço isso porque escrevo livros para adolescentes – eles basicamente sentem com mais intensidade que os adultos. Eles desejam coisas com mais vontade do que se imagina. Eles querem coisas com uma profundidade maior do que se imagina. Adolescentes têm muita força de espírito, algo que os adultos esqueceram que possuem dentro de si.

Quando eu era adolescente, adorava personagens, e são eles que fazem um grande livro. Você pode ter uma trama sensacional, mas se não tiver bons personagens… Eu sabia que precisava amar os personagens de A menina que roubava livros. E amei.

Há um tipo de magia no ar que faz algo dar certo, que atrai a atenção das pessoas. Eu me considero um cara de sorte por existirem adolescentes por aí que leram meu livro.

AC – No que você está trabalhando agora? Pode nos contar qual foi sua inspiração para o próximo livro?

MZ – Nunca me preocupei em manter segredos. Escrever é meu trabalho. O do meu irmão é pintar casas. De certa maneira, o trabalho dele é diferente. Ele acorda de manhã e sabe que consegue pintar uma casa. Enquanto eu muitas vezes penso que preciso ter muita crença em mim mesmo para terminar um livro. O trabalho é o mesmo. Não me vejo como um artista delicado que precisa se manter reservado. Sinto-me como um prestador de serviços como meu irmão. Eu apenas vou lá e faço o meu trabalho.

Meu novo livro, Bridge of Clay, é sobre ambição e sobre aqueles momentos em que transcendemos nossas limitações humanas. É sobre um menino construindo uma ponte – ele está moldando sua vida nessa ponte. Ele quer que ela seja perfeita. O nome dele é Clay. O barro [clay em inglês] pode ter qualquer forma, mas precisa do calor do fogo para se solidificar. O rio inunda, mas quando retorna ao seu leito, o sol se levanta e o fogo se estabelece. O barro e Clay se consolidam nesse momento. Esse é o fim que sempre tive em mente. Então percebi: não é assim. Está um pouco além disso. E aí mora a arte. Só é necessário observar por tempo suficiente. O romance também é sobre família, e sobre o que aconteceu com Clay no passado. Provavelmente é também baseado no modo como quero transcender algo quando estou escrevendo.

No que se refere à pressão para terminar o livro novo: escrever é bem difícil. Veja bem, sou o cara mais sortudo do mundo. Sou pago para criar coisas. Lembro-me o tempo todo do quanto amo o que faço – amo os desafios, amo que não seja uma tarefa fácil. É um prazer ter esses momentos em que escrevo algo de que realmente gosto e não sabia que isso ia acontecer ao sair da cama pela manhã. Se você se esforçar, mas sem exagero, vai acontecer, porque você ama o que está fazendo. Você espera que, ao fazer cada pedacinho da maneira certa, vai conseguir fazer aquilo tudo acontecer

Créditos – Editora Intrínseca


Entrevista com Markus Zusak, autor de A Menina que roubava livros 17

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Leia Mais
Entrevista com Markus Zusak, autor de A Menina que roubava livros 27
Magic Cellphone | Resenha do Dorama