Livraria especializada em autoras negras 19
Créditos: Lucas Hirai | Divulgação (Site Catraca Livre)

Livraria especializada em autoras negras

Ketty Valencio, 34 anos, empreendedora, bibliotecária, negra. Ketty criou a Livraria Africanidades, com a proposta de facilitar o protagonismo das mulheres negras na literatura mundial.

A livraria conta com obras difíceis de encontrar nas lojas tradicionais, e ainda há possibilidades como frete grátis e ótimos parcelamentos para alguns livros, visando facilitar o acesso a tais obras. Para além do “mercado”, o lance é o ativismo político: acessibilidade e visibilidade. Leia na ótima matéria do Catraca Livre, clicando na imagem abaixo, e depois dê uma olhada na entrevista que realizamos com a empresária:



https://catracalivre.com.br/sp/agenda/indicacao/bibliotecaria-cria-livraria-especializada-em-autoras-negras/

Página da Livraria Africanidades no Facebook

Site da Livraria Africanidades

ENTREVISTA

 

A livraria vende livros escritos exclusivamente por negras e negros, com foco na cultura negra?

A maioria dxs autores da livraria são pessoas negras, porém temos como minoria no acervo a presença de autores brancos ou não negros que valorizem a cultura negra e que tenham qualitativamente nas suas narrativas o protagonismo da população negra.

 

Como foi a “gestação” deste projeto? A ideia é antiga?

A concepção da Livraria Africanidades se dá a partir das minhas crises existenciais que sempre me acompanharam por meio do reflexo de como a sociedade me enxerga através de uma ótica machista e racista. Com as minhas andanças pude perceber que as minhas inquietações eram quase unanimidade entre outras pessoas pretas e também compreendo a importância de determinar positivamente a classificação de gênero, de classe social, identidade sexual e étnico-racial através da literatura.

Em 2014, depois de ter a chance de cursar um MBA em Bens Culturais: Cultura, Economia e Gestão, que me possibilitou a criação de um plano de negócio, foi gerada a Livraria Africanidades.

 

O que você pensa sobre esse predomínio “branco/heteronormativo” que persiste em nossa literatura, e o que poderia dizer aos jovens escritores sobre os caminhos possíveis para a valorização da diversidade, da raça e do ativismo?

Acho este predomínio extremamente perverso, pois ele colabora para o apagamento e para a representação negativa da população negra, caracterizando o racismo epistêmico, além do racismo racial.

Os nossos pensadores, que são homens, brancos e heteronormativos, são responsáveis pela formação intelectual da sociedade ocidental, conscientemente reforçam a naturalização do escravismo e sua hierarquização através de suas teorias. Assim ajudaram a criar estereótipos, a grande invenção de como ser negrx, que foi construído no imaginário popular.  Estas ideologias ainda impactam no cenário científico, jurídico, policial e também da nossa conduta pessoal.

Somos seres políticos e a literatura faz parte disso, não existe escrita neutra e a representação de pessoas plurais por meio de narrativas é algo extremamente poderoso. Você permite a possibilidade de existência para todas as pessoas, no entanto parece algo ingênuo e simples, porém é um grande privilégio.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Leia Mais
Livraria especializada em autoras negras 29
Saiu! Confira o primeiro trailer oficial da adaptação live-action de A Bela e a Fera!