‘Billy Elliot – O Musical’ é um defensor da arte

Billy Elliot – O Musical é baseado no filme homônimo dirigido por Stephen Daldry. Recordista de premiações em teatro musical, vencedor de 10 Tony Award e 5 Olivier Award, a produção chega ao Brasil em nova superprodução assinada pelo Atelier de Cultura (A Noviça Rebelde, O Homem de La Mancha, Annie), apresentada  pela Brasilprev, uma empresa BB Seguros, com estreia no Teatro Alfa em 15 de março.

O espetáculo traz o consagrado ator Carmo Dalla Vecchia como Jack, o pai de Billy, acompanhado por 49 atores no elenco, além de 17 músicos, e mais de 80 técnicos. Billy Elliot foi licenciado para o Brasil pela MTI (Music Theatre Internacional) de Nova Iorque.



O roteiro, inspirado no romance de A. J. Cronin, acompanha a inspiradora história de um garoto que luta para tornar realidade seu sonho de ser bailarino, em meio ao conflito de sua família e comunidade, causado pela greve dos mineiros britânicos (1984-1985), em County Durham, no nordeste da Inglaterra. 

O diretor John Stefaniuk, canadense responsável pela direção de O Rei Leão, da Disney, traz projeto cênico inédito que potencializa ainda mais o texto e músicas, concebidas por Lee Hall e Elton John

“Eu não comecei pela produção original, mas pela ideia do que eu queria sentir. Eu queria vivenciar essa opressão sofrida por uma comunidade que sobrevive apenas graças a indústria mineradora”, explicou Stefaniuk sobre sua abordagem.

A coreografia de Billy Elliot, mundialmente assinada por Peter Darling, especialmente licenciada para a produção brasileira, é o coração do espetáculo. Darling indicou pessoalmente dois coreógrafos associados que participaram das montagem originais da Broadway e West End para a montagem brasileira: os ingleses Nikki Belsher e Barnaby Meredith.

“Algo lindo sobre Billy Elliot é que, não importa onde você vá ou a língua que você fale, a história continua a mesma e ainda é linda”, contou a coreógrafa Nikki Belsher.

O projeto cenográfico, desenvolvido especialmente para o Brasil, foi concebido pelo americano Michael Carnahan. Com diversas pontes automatizadas e uma parede de backstage que remete ao interior de uma mina de carvão, a produção é levada a um outro patamar. 

As músicas, originalmente compostas por Elton John, assim como o texto, foram adaptados por Mariana Elisabetsky e Victor Mühlethaler (Wicked, A Pequena Sereia, Cantando na Chuva). Os profissionais fizeram alterações mantendo a essência da obra, mas pensando sobre a classificação indicativa do espetáculo.

“Nós tivemos que segurar bastante na questão dos palavrões porque a ideia do Atelier, o que eu acho uma ideia muito feliz, é que a família inteira venha assistir Billy Elliot”, contou Elisabetsky.

O que seria Billy Elliot sem o protagonista? Pedro Sousa, 10, Richard Marques, 14, e Tiago Sousa, 12, estreiam no teatro com o pé direito. Com ensaios desde dezembro de 2018, os jovens atores desenvolveram as técnicas de movimento (acrobacia, ballet,  dança contemporânea e sapateado), interpretação de texto e músicas, e canto.

“É como ver uma linda flor, que não percebe que é uma flor. Todo dia você a rega, coloca um pouco de luz solar e a vê desabrochar. Isso resume o que é trabalhar com esses garotos. Alguns dias não foram fáceis, mas não é meu trabalho fazer deles Billy Elliots, minha função é fazer com que eles sejam grandes atores”, contou o diretor geral sobre o trabalho com os estreantes. 

O contexto em que o musical está inserido pode ser facilmente comparado à situação política e social brasileira. Não só pela greve dos mineiros, mas também pela forma como a comunidade inicialmente enxerga a arte como uma futilidade. Contudo, os produtores asseguram que “produzir Billy Elliot não foi um ato premeditado”. 

No entanto, é impossível separar a arte da política. Afinal, com a extinção do Ministério da Cultura, o teatro musical tem um futuro incerto no país. Grupos questionam a existência e a importância da Lei Rouanet, mesmo sem conhecê-la a fundo. Em vista disso, em coletiva de imprensa, Carlos A. Cavalcanti propôs uma reflexão sobre o que a sociedade brasileira vê como prioridade.

“É melhor que tenhamos uma política pública em que só rico e milionário pode pagar para ter acesso ou usarmos dinheiro de imposto dirigido com contrapartidas sociais para permitir que uma boa parte da população brasileira, que não tem renda para consumir o preço real do espetáculo, possa participar?”, questionou o produtor.

Billy Elliot – O Musical

Local: Teatro Alfa (Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro)

Temporada: 15 de março à 30 de junho.

Bilheteria: de segunda a sábado das 11h às 19h; domingos das 11h às 17h.

Ingressos online: www.ingressorapido.com.br

Valores: R$75,00 a R$310,00.

Sessões: sexta às 20h30; sábado às 15h e 20h; domingo às 14h e 18h30.

Duração: 170 minutos (com 20 de intervalo)

Classificação: livre.

Ficha Técnica:

Músicas: Elton John

Letras e Libreto: Lee Hall

Direção Original: Stephen Daldry

Direção Geral: John Stefaniuk

Versão Brasileira: Mariana Elisabetsky e Victor Mühlethaler

Diretor associado: Floriano Nogueira

Diretor Musical: Daniel Rocha

Coreógrafo: Peter Darling

Coreógrafos Internacionais Associados: Barnaby Meredith e Nikki Belsher

Coreógrafa Residente: Anelita Gallo

Cenógrafo: Michael Carnahan

Figurinista: Ligia Rocha e Marco Pacheco

Designer de Luz: Mike Robertson

Designer de Luz Associado: Tom Mulliner

Designer de Som: Gaston Birski

Designer de Som Associado: Alejandro Zambrano

Visagista: Cabral

Produtora de Elenco: Marcela Altberg

Produtores Associados: Cleto Baccic, Carlos A. Cavalcanti e Vinícius Munhoz

Apresentado por: Ministério da Cidadania e Brasilprev

Patrocínio: Alelo, Furnas e Vivo

Apoio: Boa Vista – www.boavistascpc.com.br

Hotelaria Oficial: Radisson Paulista e Vila Olímpia

Realização: Atelier de Cultura e Governo Federal

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Leia Mais
John Krasinski cria canal no Youtube SÓ com notícias boas!