Dia Internacional da Mulher | 8 mulheres inspiradoras do mundo do entretenimento

Hoje é o Dia Internacional da Mulher, data em que todas as conquistas e lutas femininas são lembradas. Seja na ciência, seja no esporte, as mulheres deixam suas marcas na história e o Burn Book deseja homenagear isso. Por isso, confira a seguir oito mulheres que destacaram-se no entretenimento pelo ativismo ou pelo seu sucesso: 

 



  • Kathryn Bigelow

A categoria de “Melhor Diretor” na cerimônia do Oscar foi criada em 1977 e teve a diretora Lina Wertmüller como a primeira mulher indicada. De lá para cá, apenas cinco mulheres concorreram na categoria e apenas Kathryn Bigelow levou a estatueta pelo longa Guerra ao Terror.

 

  • Hattie McDaniel

McDaniel foi a primeira atriz negra convidada ao Oscar em 1940, mas foi impedida de sentar-se ao lado de seus colegas de elenco, uma exigência do estabelecimento onde a cerimônia foi realizada, já que negros não eram permitidos ali. Além disso, ela foi a primeiro afro-americana a ganhar um prêmio, no caso, “Melhor Atriz Coadjuvante” pelo longa …E o Vento Levou.

 

  • Taís Araújo

Taís Araujo, já admirada por seu trabalho, foi responsável por uma nova abertura de discussões sobre racismo e feminismo em nosso país. Em novembro do ano passado, a atriz chamou a atenção do país ao protagonizar uma palestra do movimento TEDx com o título “Como criar crianças doces num país ácido” onde ela mostrou sua relação pessoal com tais questões.

 

  • Leandra Leal

Leandra Leal, além de comandar o teatro Dulcina de Moraes no Rio de Janeiro, também expôs em 2017 o documentário Divinas divas. O longa-metragem que aborda o trabalho do grupo de travestis na década de 1960, levanta uma série de discussões sobre o que significa ser transexual.

 

  • Nina Simone

Muito mais que uma cantora incrível, Nina Simone foi uma ativista na década de 1960. Sua primeira música sobre o assunto foi Mississippi Goddam, que expressa toda sua raiva e indignação acerca da situação dos homens e mulheres negros dos EUA. A faixa era um hino político que deixava claro o objetivo de Simone de usar sua carreira como mais um instrumento em favor dos direitos civis.

 

  • Eliane Brum

Eliane Brum é jornalista, escritora e documentarista. Trabalhou 11 anos como repórter do jornal Zero Hora (Porto Alegre) e 10 como repórter especial da Revista Época (São Paulo). De 2009 a 2013 foi colunista do site da revista Época. Desde 2013 tem uma coluna quinzenal, em português e espanhol, no jornal El País. É também colaboradora do jornal britânico The Guardian. Segundo pesquisa realizada pelas agências Jornalistas & Cia e MaxPress, foi eleita como uma dos quinze jornalistas mais admirados pelo público brasileiro.

 

  • Ellen DeGeneres

A apresentadora Ellen DeGeneres assumiu ser homossexual durante uma cena do seu programa no canal americano ABC, Ellen, em 1997. A repercussão não foi nada boa na época, sua série foi cancelada porque os índices de audiência caíram e ela levou um bom tempo para conseguir se tornar uma das mulheres mais poderosas da TV americana, segundo ranking do site da Forbes. Em 2016, a apresentadora recebeu a Medalha da Liberdade diretamente do ex-presidente americano Barack Obama.

 

  • Daniela Vega

Daniela Vega, 28 anos, não só se tornou a primeira mulher transexual a apresentar um prêmio, como também assistiu ao cinema chileno fazer história: esta foi a primeira vez em que o país levou o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro com o longa Uma Mulher Fantástica.

Apesar da conquista, Vega não pôde receber o prêmio de cidadã ilustre da sua cidade natal. O prefeito de Ñuñoa, um distrito de Santiago, disse que não poderia entregar o título porque nos documentos da atriz constam seu nome de nascimento, masculino.

A quem estaremos entregando o prêmio? Se temos a identidade de um homem, não podemos entregá-lo a uma mulher, disse o prefeito Andrés Zarhi.

A legislação do país ainda não permite a mudança de nome no documento, o que mostra como o assunto precisa ser discutido e compreendido, não só no Chile.

Bom, se fosse possível, apontaríamos vários e vários nomes de mulheres que marcaram o entretenimento. Infelizmente isso não é possível, mas esperamos que com essa matéria você fique com curiosidade de saber mais sobre quem lutou ontem para que tivéssemos nossa realidade hoje. E mais, esperamos que entendam a razão pela qual temos que continuar a buscar nossos direitos hoje para as mulheres de amanhã.




» Siga o Burn Book no Facebook Instagram e no Twitter e receba todas novidades dos livros, filmes e séries! «

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Leia Mais
Novos fones de ouvido do Google fazem tradução simultânea