Até que ponto você está disposto a ir atrás dos seus sonhos?

Para Melissa, uma jovem bailarina de 19 anos, não existe nenhuma barreira que a impeça de alcançar o seu objetivo. Que é se tornar a primeira bailarina negra do país e reconhecida mundialmente. Para alcançar o nível de perfeição, ela é totalmente focada na sua carreira. Mas, a dedicação que ela tem com o balé está em falta na sua vida social.

Mel é uma patricinha daquelas bem arrogantes e mimadas, acostumadas a ter seus caprichos sempre realizados. Usa e descarta as pessoas como se fossem sapatos velhos. Entretanto, o destino tem sua vontade própria, e pode causar algumas reviravoltas no mundo centrado da protagonista.

“Não me importo com as dores, não me importo com o preço que pago. Eu quero o mundo, e vou fazer o que for preciso para conseguir.”

E a reviravolta se chama Daniel, o garoto do cachecol vermelho, mas “carinhosamente” chamado pela Melissa de Vândalo. O que dizer de Dan?

Ela é totalmente o oposto de Melissa, e mesmo sendo um fofo, ele aguenta cada coice que ela dá nele. Aos poucos, tipo aquele dito popular: “água mole pedra dura, tanto bate até que fura”, Mel começa a perceber que o modo como encara a sua vida e as pessoas ao seu redor está errado. A influência de Daniel e sua música começa a fazer Melissa refletir sobre alguns aspectos da sua vida.

“Ele era como um farol no meio da noite escura, um ponto de luz que você tem que seguir se quiser sobreviver.”

Enquanto Melissa só visa o lado dela, Daniel está sempre disposto a ajudar o próximo, sem esperar nenhum tipo de recompensa. Ele para mim foi um verdadeiro santo em aturar a irritante Melissa. Eles são totalmente o oposto, mas que foram atraídos pelo destino.

“Eu queria ouvir o que ele tinha para me dizer.”


» Siga o Burn Book no Facebook Instagram e no Twitter e receba todas novidades dos livros, filmes e séries! «

“Ele enxergava a esperança em meio a todo o caos de raiva e desprezo em que eu vivia mergulhada.”           

A autora soube criar bons personagens, uma história e carga dramática condizem e nem um pouco previsível. Apesar da falta de empatia com a protagonista, Ana Beatriz Brandão soube desenvolver o crescimento da protagonista e toda a sua trajetória. Através de Daniel, ela mostrou que o verdadeiro sonho é aquele que carregamos no coração.


RESENHA: O GAROTO DO CACHECOL VERMELHO, ANA BEATRIZ BRANDÃO
91%Pontuação geral
Capa100%
Enredo92%
Narrativa80%
Personagens90%
Votação do leitor 2 Votos
90%

Deixe sua opinião aqui :)

Sem mais artigos