Musicais vivem fim de uma era, dizem diretores e produtores 4
Notícias

Musicais vivem fim de uma era, dizem diretores e produtores

Última temporada de espetáculos em SP gerou 2.500 empregos; em 20 anos, mercado cresceu e se profissionalizou, conta o produtor e diretor Ulysses Cruz:

“Eu tinha duas reuniões agendadas e elas foram suspensas. Nenhuma possibilidade está sendo ouvida pelos patrocinadores. Eles dizem que a lei mudou tudo”.

O novo quadro levou a T4F, tida como pioneira da atual fase dos musicais paulistanos, a se pronunciar publicamente, questionando o governo federal por limitar os espetáculos teatrais a R$ 1 milhão e prever valor seis vezes maior aos eventos voltados a “datas comemorativas nacionais”.

O ano de 2001 é o marco da retomada dos musicais no Brasil, com a estreia de “Les Misérables”, da T4F, mas outros já vinham dando forma ao gênero. Falabella lembra o seu primeiro, “O Beijo da Mulher Aranha”, em 2000:

“Tivemos de importar a equipe técnica da Argentina, porque não tínhamos know how. Vinte anos depois, vamos desmantelar tudo o que se formou, centenas de profissionais.”

Marllos Silva, que dirige o Prêmio Bibi e também é produtor, sublinha que o Brasil se tornou exportador de profissionais, tanto atores como técnicos, e até de espetáculos, citando “A Escrava Isaura”. E que o gênero se espraiou pelo país, com produções em cidades como Belo Horizonte e Fortaleza.

“O governo, ao impor o teto, decretou o fim de uma era no teatro brasileiro”, diz ele.

A preferência por franquias ou “réplicas” da Broadway era creditada a essa distorção, mas também isso vinha mudando. Nas últimas quatro temporadas em São Paulo, os musicais com tema nacional já eram maioria. Uma das responsáveis pela mudança foi a produtora carioca Andrea Dantas, de “Elza” e outros sucessos musicais recentes —e que, também ela, trabalha com a Lei Rouanet há mais de duas décadas.

Matéria publicada na Folha de São Paulo

 

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Musicais vivem fim de uma era, dizem diretores e produtores 5


O que você achou desse Post?

LOL
0
GOSTEI
0
AMEI
0
CONFUSO
0
Engraçado
0
Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Notícias

Leave a reply