News: "A Vida de Pi" e a Polemica de Plagio 5
Notícias

News: “A Vida de Pi” e a Polemica de Plagio

Olá, leitores do Burn Book. Todo sucesso tem os seus rastros de recalque, e "Life of Pi" não escapou do mesmo. Até o meio da semana vou publicar um post (escrito ou em vídeo) com a review do livro + filme, mas antes acompanhem o caso de polêmica envolvendo um escritor Brasileiro e Yann Martel, autor de "Life Of Pi".

News: "A Vida de Pi" e a Polemica de Plagio 6
 

O escritor do romance “A Vida de Pi” (2001), Yann Martel, era um ilustre desconhecido antes da publicação que inspirou o filme “As Aventuras de Pi”, de Ang Lee, que estreia este final de semana no Brasil. Além da fama, o livro rendeu a Yann Martel a acusação de plágio. Jornais de vários países acusaram Martel de ter roubado ideias do romance “Max e os Felinos”, escrito pelo brasileiro Moacyr Scliar, morto ano passado. Publicado em 1981, o livro de Scliar conta a história de Max, garoto alemão que, após um naufrágio, se vê confinado a um pequeno barco com um jaguar. Na introdução de seu livro, Martel reconhece que se inspirou na ideia de Scliar.

Em entrevistas posteriores, porém, o autor afirmou que só leu “Max e os Felinos” depois de ganhar o Booker Prize, em 2002. "Existe uma similaridade quanto à premissa, claro, mas o resto é muito diferente", disse em entrevista à Folha em 2004. Scliar também considerou que não houve plágio. "Há no prefácio do livro um agradecimento a mim, e, como não sou litigante, resolvi dar o episódio por encerrado", afirmou o escritor gaúcho.

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


News: "A Vida de Pi" e a Polemica de Plagio 7


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Notícias

14 Comments

  1. O próprio Moacyr afirmou que não houve plágio e ainda insistem em tocar nesse assunto? É tão desnecessário. As pessoas adoram arranjar intriga em busca de atenção.

    1. O motivo da bronca é nas palavras do Scliar que Yann Martel teria dito: "Aproveitar uma boa ideia estragada por um mal escritor brasileiro". Pior, disse que teve a ideia do livro a partir de um resenha negativa feita por John Updike, que negou o fato permptoriamente.

    2. concordo, se o proprio autor não se sentiu plagiado e não quis intriga não tem pq ficar revirando isso

    3. Se você ainda acha que não houve plágio e que o próprio Moacyr não se importou, assista a esse vídeo: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embed

      Bem esclarecedor.

  2. Uiiiiii…….não sabia disso. Bom, se é verdade ou não, não me impressiona. Esse mundo está repleto de pessoas copiando trabalho dos outros, principalmente de pessoas de países inferiores, onde ninguém nunca iria desconfiar de alguma coisa =.=".

  3. Se o próprio Moacyr não criou caso, na minha opinião, ninguém tem o direito de acusar o Martel.

  4. Na verdade a história é um pouco diferente. Tudo leva a crer em plágio o Moacyr Scliar não foi além por outros motivos. Acho interessante ver a entrevista que concedeu sobre o assunto http://www.youtube.com/watch?v=jIQitu5oYWw&no…. Existem outros fatores a serem analisados. O autor do Pi não foi tão honesto como leva a parecer. Na verdade, existe sim a utilização da premissa básica do livro do Scliar. Não podemos banalizar o problema, a posição Yann Martel foi no mínimo covarde.

  5. se fosse assim então de livros parecidos o mundo estaria perdido ! todo mundo copia todo mundo ! kkkkk

  6. Eu acredito que a semelhança é pequena… é diferente quando alguém escreve "Toda Sua", quando está na cara que é uma cópia barata de "Cinquenta Tons de Cinza", mas "A Vida/As Aventuras de Pi" usa apenas o mesmo elemento "inicial": naufrágio com animais ferozes. Como ainda não li ambos os livros, não sei se a "semelhança" vai além, mas acredito que não houve plágio.
    My recent post Arqueiros nos Quadrinhos – Especial ARQUEIROS – 3ª Parte

  7. Gui, boa noite! Nossa que polemica, ainda não tive tempo de ver o filme mas o farei logo, logo. Quanto no que diz das semelhanças entre os livros acho que se fosse assim a saga "Para sempre" seria uma copia descarada de "Crepusculo" nao é é? hahaha ó vou ficando sempre por aqui.
    Quando puder me visite. Beeeeeeeijos
    http://venenosemacas.blogspot.com.br/
    My recent post Laço de incentivo à leitura

  8. Não li nem assisti A Vida de Pi nem o outro livro do brasileiro que nunca consigo falar nem escrever o nome, hahaha. Mas fiquei impressionada com essa história de plágio. Não sabia sobre isso.
    Beijos.

  9. Não sabia dessa polêmica! Legal saber que o autor se inspirou em um livro brasileiro para criar a história. Assisti o filme e gostei bastante! As imagens são lindas!

  10. Olha só. Agora fiquei interessada nos dois livros. Mas é legal o autor ter agradecido o Scliar e ajudado a divulgar a literatura brasileira ao menos um pouquinho…
    My recent post Retrospectiva Literária 2012

  11. Sacanagem, estava morrendo de vontade de ler esse livro. Acho que vou ler os dois depois para confirmar.

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.