Romance de estreia do roteirista de Fanboys mistura videogames e cultura oitentista. 8
Notícias

Romance de estreia do roteirista de Fanboys mistura videogames e cultura oitentista.

Olá leitores do Burn Book. Conheçam o livro "Jogador n° 1" do autor Ernest Cline.

Em Fanboys (2009), o roteirista Ernest Cline  criou a premissa perfeita do road-movie nerd: três fanáticos por Star Wars  decidem cruzar os Estados Unidos e invadir o Rancho Skywalker para serem os primeiros a assistir ao Episódio I. Em Jogador Número 1 (Ready Player One), seu romance de estreia (recentemente lançado no Brasil pela Editora Leya), Cline segue o mesmo conceito para chegar a um ideal dentro da literatura nerd, misturando videogames e cultura pop oitentista para chegar a história de um futuro onde o virtual supera a realidade e encontrar o easter egg de um jogo pode salvar a vida de um garoto.

Um mundo em jogo, a busca pelo grande prêmio. Você está preparado? O ano é 2044, e o mundo real está numa terrível situação!

Romance de estreia do roteirista de Fanboys mistura videogames e cultura oitentista. 9
 
Como a maioria das pessoas, Wade Watts escapa de sua desanimadora realidade passando horas e horas conectado ao Oasis, que é uma utopia virtual que permite a seus usuários ser o que eles quiserem, um lugar onde você pode viver e se apaixonar em qualquer um de seus milhares de planetas.

E, como a maioria da humanidade, Wade sonha em encontrar o grande prêmio que está escondido nesse mundo virtual. Em algum lugar desse playground gigante, o criador do Oasis escondeu uma série de enigmas que premiará com uma enorme fortuna e um poder muito grande aquele que conseguir desvendá-los.

Durante anos, milhões de pessoas tentaram, sem sucesso, encontrar esse prêmio, sabendo apenas que os enigmas de Halliday se baseiam na cultura pop da época que ele adorava: o fim do século XX. E, durante anos nessa busca, milhões descobriram outra válvula de escape, estudando de modo obsessivo os símbolos de Halliday. Como muitas pessoas, ele discute os detalhes da obra deJohn Hughes, joga Pac-Man e canta as músicas do Devo enquanto ganha terreno no Oasis, assim encontrando o primeiro desafio.

De repente, o mundo todo se volta para acompanhar seus passos, e milhares de competidores se unem na busca, entre eles, jogadores poderosos e dispostos a cometer assassinatos para tirar Wade do caminho. Agora, a única maneira deWade sobreviver e proteger tudo que ele conhece é vencer, mas para isso, talvez tenha que deixar para trás sua perfeita existência virtual e encarar a vida e o amor no mundo real do qual ele sempre fugiu desesperadamente.

O livro não deve demorar a ser transformado em filme. Em junho de 2010, um dia depois de garantir a publicação pela Crown Publishing Group (uma divisão da Random House), Cline vendeu os direitos de adaptação ao cinema de Jogador Número 1 para a Warner Bros. O próprio autor deve escrever o roteiro, que terá produção de Donald De Line (Lanterna Verde) eDan Farah (Assalto ao Carro Blindado).

Romance de estreia do roteirista de Fanboys mistura videogames e cultura oitentista. 10
Fonte: Omelete

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Romance de estreia do roteirista de Fanboys mistura videogames e cultura oitentista. 11







Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Notícias

10 Comments

  1. Fiquei bem curioso pra ler, vi ele na Livraria Cultura e a divulgação me impressionou bastante.

    Israel Tabosa | The Booking Books
    My recent post Conheça | Starters, novo sucesso distópico

    1. Oi Israel
      Eu também, estou com o livro aqui \o\ mas não li ainda, foi aquela do tipo um game boy gigante? kkk

      Abraços

      Att. Guilherme
      My recent post Alyson Noel confirma sua presenca na Bienal de SP.

  2. Esse livro está na minha lista de próxima leitura. Com certeza vou compra-lo, mas estou em dúvida entre outro livro da mesma editora LeYa, o segundo volume da série As Crônicas de Gelo e Fogo. Mas enfim, essa obra promete, e eu queria saber se vocês sabem se o livro é um primeiro de uma série.

    Abraços, Joshua – pensamentosdojoshua.blogspot.com
    My recent post HQ de Scott Pilgrim será relançada em versão colorida

    1. Oi Joshua
      Parece ser muito bom mesmo, Qual? O Jogador n° 1? Acho que é filho único viu kkk mas qualquer novidade eu te aviso.

      Abraços

      Att. Guilherme
      My recent post Alyson Noel confirma sua presenca na Bienal de SP.

  3. Com certeza vou comprar,kkk. Deve ser muito legal! Gostei da capa, tomara que o filme vire uma boa adaptação.

    1. Oi @stonesandmilk
      Compra, parece ser muito bom *—*
      Já tem meio que cara de roteiro de filme, então não tem o porque dar errado, me lembrou um pouco Tron, não sei porque.

      Bjs

      Att. Guilherme
      My recent post Alyson Noel confirma sua presenca na Bienal de SP.

  4. Eu li o post ontem e acabei de compra-lo, junto com mais 6 livros. Ainda não sei ao certo quando irei lê-lo mas acredito que não passará das férias. Estou bastante animado pois parece ser excelente *.*

    Aos que se interessaram, os outros livros foram:

    Pra Sempre
    Dezessete Luas
    O Melhor de Mim
    Famintos (da série Gone)
    Uncharted – o Quarto Labirinto*
    The Walking Dead – A Ascenção do Governador

    * Gui, tu devia postar sobre ele. O livro é inspirado em um jogo de vídeo-game.

    1. Oi Yuri
      Bom saber que você comprou um livro por minha indicação, espero que você goste \o\
      Dessa lista só li:

      Pra Sempre (Curti, mas não espere nada a lá Nicholas Sparks como sugere a capa)
      Dezessete Luas (Bom até, mas eu prefiro o 1°, a Lena estava insuportável nesse livro com o lance das trevas)
      O Melhor de Mim (Comecei a ler semana passada e parei na página 120, não estava no clima pra ler Nicholas Sparks, mas o povo em geral está falando bem do livro)
      The Walking Dead – A Ascenção do Governador (Bom, não preciso nem comentar nada desse, simplesmente que é F#D!

      Esse Uncharted – o Quarto Labirinto eu nunca ouvi falar, vou procurar mais sobre ele.

      Obrigado pelo comentário e boa leitura, comece por TWD \o\

      Abraços

      Att. Guilherme
      My recent post News: Book trailer de “Rapture” quarto volume da serie “Fallen”.

  5. Acabei de ler o livro, adorei! Muito legal, mesmo não conhecendo 99% das referências do livro, para fans de quadrinhos e games, é fácil se identificar com os personagens e com o universo de Oasis. Meu único receio é transformarem em um filme bobo, afinal roteirista do Lanterna Verde, e se olharmos o livro sob um perspectiva mais racional e menos fã, dá para perceber diversos momentos que funcionam para um livro, mas que transportando para as telas fica um pouco bobo, todo aquele drama em matar um avatar, quase parece que a pessoa nunca mais poderia voltar ao sistema, mesmo sabendo que bastava criar novamente a conta e começar a jogar novamente, ou seja, não precisa de todo o drama. No livro até que funcionou, mas nas telas é fácil tornar isso bobo. Não sou escritor nem nada, mas acho que o autor poderia ter se aprofundado um pouco mais no mundo real e o drama que ele é, para criar mais empatia com os personagens e suas motivações para se privarem desse mundo real.

    1. Oi Leandro
      Bom, estou apostando nessa adaptação, não tive a oportunidade de ler o livro ainda, por mais que tenham falado tão bem dele, não consegui tempo para ler, porque pelo o que vi, quando eu pegar pra ler não vou conseguir largar mais. As referências ao mundo nerd estão cada vez mais presentes nos livros, isso se deve ao direcionamento e tentar atrair o público dos vídeo-games para os livros.

      Obrigado pelo comentário

      Abraços

      Att. Guilherme

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.