Do Subsolo para o Estrelato : Semana Silo

Quando Hugh Howey se sentou para escrever a história de uma sociedade pós-apocalíptica totalitária vivendo em um silo subterrâneo, não pensava na fama ou na possibilidade de sua obra virar filme. Ele escrevia por paixão e usava um site de autopublicação em que vendia os contos on-line por 99 centavos. No entanto, quando passou a vender 10 mil cópias das aventuras de ficção científica por mês, acabou chamando a atenção de grandes editoras nos Estados Unidos.

Logo, propostas de contratos de publicação começaram a aparecer. Só que Hugh não estava interessado em perder os lucros que obtinha com a autopublicação e recusou todas as ofertas. Algumas delas, mais de uma vez. Enquanto isso o autor, por intermédio de uma agente literária, passou a fechar contratos de publicação para outros países e teve os direitos para uma adaptação cinematográfica adquiridos pelo diretor Ridley Scott, de Blade Runner, o Caçador de Androides e Alien, o Oitavo Passageiro. Por fim, Hugh fechou contrato com a Simon & Schuster, que lhe fez uma proposta considerando apenas a publicação de livros impressos.

Em Silo, uma civilização sobrevive há gerações em 144 níveis de um enorme silo debaixo da terra, uma vez que a superfície terrestre tornou-se inabitável. Nessa realidade claustrofóbica, a curiosidade deve ser dominada, as conversas, aquietadas, e as suposições, punidas. A obra, que faz parte de uma série, foi publicada pela Intrínseca em março.

Publicado no Blog das Séries

SeloSilo (1)

Leia Mais
Personagens de Star Wars cantam “Stayin’ Alive” do Bee Gees