Teatro – O que deve vir por aí nos palcos em 2019

O Jardim das Cerejeiras: Clara Carvalho está à frente do elenco do clássico de Anton Tchecov que ganha direção de Eduardo Tolentino de Araujo no Teatro Aliança Francesa a partir de 10 de janeiro.

Divórcio: Eliete Cigaarini, Isser Korik, Camilla Camargo e Alex Gruli estrelam comédia que estreia no Teatro Folha no dia 12 de janeiro.



Através da Iris. Dirigida por Maria Maya, Nathalia Timberg interpreta a empresária e designer Iris Apfel em solo que entra em cartaz no Teatro Faap em 18 de janeiro.

Nunca Fomos Tão Felizes: Dan Rosseto escreveu e dirige a comédia dramática com Eduardo Martini, Larissa Ferrara, Luccas Papp, Mateus Monteiro e Nicole Cordery que estreia em 18 de janeiro no Teatro Itália.

Dogville: Adaptação teatral do filme do cineasta dinamarquês Lars Von Trier, o espetáculo tem direção de Zé Henrique de Paula. Mel Lisboa, Eric Lenate, Fábio Assunção e Bianca Byington, entre outros, estão no elenco que chega em 25 de janeiro ao Teatro Porto Seguro.

Outros: Marcio Abreu dirige o novo espetáculo dos mineiros do Grupo Galpão que ocupa a partir de 25 de janeiro o Sesc Bom Retiro.

Meu Quintal É Maior que o Mundo: Cássia Kis volta aos palcos em recital poético baseado na obra de Manoel de Barros. A montagem, dirigida por Ulysses Cruz, estreia em 31 de janeiro no Teatro do Sesi.

A Ponte: Bel Kowarick, Débora Lamm e Maria Flor estrelam o drama de Daniel MacIvor que ganha encenação dos Irmãos Guimarães no CCBB a partir de 1º de fevereiro.

Só de Amor: Mariana Santos lança a comédia musical no Teatro Porto Seguro em 6 de fevereiro.

O Frenético Dancin’ Days: Deborah Colker dirige o musical criado por Nelson Motta e Patrícia Andrade em torno da casa noturna que foi febre no Rio de Janeiro em 1976. Estreia em 14 de março no Teatro Opus.

70? Década do Divino, Maravilhoso Doc. Musical. Depois de homenagear a Jovem Guarda, Frederico Reder e Marcos Nauer criam em espetáculo sobre a diversidade musical e cultural da década de 70. As eternas As Frenéticas Dhu Moraes, Leiloca Neves e Sandra Pêra estarão no palco do Theatro Net a partir de março.

Cinco Homens e um Segredo: Alexandre Reinecke dirige a comédia sobre quatro amigos frequentam um grupo de apoio para homens insatisfeitos com o tamanho do pênis. Com Iran Malfitano, Carlos Bonow, Cláudio Andrade  e outros. 

Interlúdio: Felipe Hirsch dirige Amanda Lyra, Magali Biff, Renato Borghi, Rodrigo Bolzan e Vinicius Meloni no espetáculo que estreia em 8 de março no Teatro Anchieta.

Kintsugi, 100 Memórias: O Grupo Lume volta aos palcos com espetáculo que tem dramaturgia de Pedro Kosovsi e direção do argentino Emilio Garcia Whebi e traz referências da cultura japonesa.

Aparecida – Um Musical: Walcyr Carrasco é o autor do texto do espetáculo sobre a padroeira do Brasil que ocupa em março o Teatro Bradesco.

Perfume de Mulher: Gabriela Duarte e Silvio Guindane estreiam em março no Teatro Renaissance versão teatral do romance que se tornou famoso com o filme protagonizado por Al Pacino. Direção de Walter Lima Jr.

Todos os que Caem: Roberto Alvim dirige em março no Sesc Campo Limpo texto de Samuel Beckett com Juliana Galdino e mais seis atores no Club Noir.

Billy Elliot: o musical sobre o menino que sonha em ser bailarino estreia em 14 de março no Teatro Alfa.

A Casa das Sete Mulheres: o romance histórico de Leticia Wierzchowski, sucesso como minissérie da Globo, ganha o formato de musical sob a direção de Ulysses Cruz.

Sunset Boulevard: Marisa Orth e Daniel Boaventura estrelam o musical que chega ao Teatro Santander em março.

Até que a Morte nos Separe: Rita Malot e Walmir Santana interpretam um casal que comemora 60 anos de idade e 40 anos de casados na comédia escrita por Paula Giannini e dirigida por Amauri Ernani. A temporada começa em 13 de março no Teatro Itália.

Dona Ivone Lara – Um Sorriso Negro: a vida e a obra da grande sambista carioca ganha a cena no Teatro Sérgio Cardoso a partir de 22 de março.

Cirque du Solleil – OVO: A nova produção do grupo canadense conta a história de uma comunidade de insetos que recebe, desconfiada, a visita de um estrangeiro. Direção de Deborah Colker. Estreia dia 19 de abril no Ginásio do Ibirapuera.

Arap: Elias Andreato criou um solo em que traz à tona as ideias e as memórias do ator e diretor Fauzi Arap (1938-2013).

Luz Vermelha: a Cia. Pessoal do Faroeste, dirigida por Paulo Faria, estreia em abril nova peça que se inspira nos heróis das histórias em quadrinhos, cinema e depoimentos de quem sofreu tortura durante a ditadura militar.

Pippin: Charles Möeller e Claudio Botelho dirigem o musical de Roger O. Hirson e Stephen Schwartz sobre um príncipe em busca de um sentido para a vida.

Peça de Casamento: Guilherme Weber dirige Eliane Giardini e Antônio Gonzalez em texto do americano Edward Albee.

Cangaceiras: Amanda Acosta está no musical escrito por Newton Moreno e dirigido por Sérgio Modena que estreia no Teatro do Sesi em 18 de abril.

Mãe Coragem e Seus Filhos: Bete Coelho encara a mítica personagem do clássico de Bertolt Brecht sob a direção de Daniela Thomas. No elenco ainda estão Ricardo Bittencourt, Bruce Gomlevsky, Wilson Feitosa, Cacá Toledo e Luiza Curvo.

Antes que a Definitiva Noite se Espalhe em Latino-América: Felipe Hirsch dirige Debora Bloch, Guilherme Weber, Jefferson Schroeder e Renata Gaspar.

A Morte do Caixeiro Viajante: dirigido por Zé Henrique de Paula, Herson Capri protagoniza o drama de Arthur Miller prevista para estrear em abril no Teatro Raul Cortez.

O Mistério de Irma Vap: Mateus Solano e Luis Miranda, dirigidos por Jorge Farjalla, preparam uma nova versão da comédia de Charles Ludlam que estreia em abril no Teatro Porto Seguro.

Macunaíma: Bia Lessa dirige nova versão, desta vez musical, do clássico de Mario de Andrade com o grupo Barca dos Corações Partidos, o mesmo de Suassuna, O Auto do Reino do Sol.

O Ovo de Ouro: Ricardo Grasson dirige o texto de Luccas Pappi com Flávio Migliaccio, Leonardo Miggiorin, Rubens Caribé e Rita Batata. A peça traz o relato de um sobrevivente do holocausto através de cenas que transitam entre o campo de concentração aos dias atuais.

O que Mantém um Homem Vivo?: Quatro décadas depois, o ator e diretor Renato Borghi volta a montar o texto de Bertolt Brecht. No elenco ainda estarão Elcio Nogueira Seixas e Georgette Fadel.

Tutankaton: Mika Lins vai dirigir a primeira peça escrita por Otavio Frias Filho que tem estreia prevista para junho.

Fábulas de Terror – Titus/Macbeth. André Guerreiro Lopes dirige Helena Ignez e Djin Sganzerla, entre outros, na montagem que funde Titus Andronicus e Macbeth, de Shakespeare, para falar da naturalização da violência.

As Atrizes: Selma Egrei assume o papel que foi de Tônia Carrero na montagem original, em 1991, da comédia de Juca Oliveira sobre os bastidores do teatro e da televisão. Leo Stefanini é o diretor da peça que estreia em junho e ainda terá Giovani Tozzi no elenco.

Anjo de Pedra: Sophie Charlotte vai ser dirigida por Nelson Baskerville em montagem da peça de Tennessee Williams que deve ganhar o palco em junho.

School of Rock: o musical ocupa o Teatro Santander a partir de agosto.

Neste Mundo Louco, Nesta Noite Brilhante: Débora Falabella e Yara de Novaes, dirigidas por Gabriel Fontes Paiva, estrelam o novo texto de Silvia Gomez em agosto. Uma vigilante rodoviária tem a rotina alterada pela presença de uma moça, largada no asfalto, que delira depois de ser violentada.

Conserto para Dois: Claudia Raia e Jarbas Homem de Mello dividem o palco em comédia musical escrita por Anna Toledo que ganha a cena em outubro.

O Despertar da Primavera: a dupla Charles Möeller e Claudio Botelho, depois de uma década, investe em uma nova versão do musical adaptado da peça de Frank Wedekind. O elenco ainda não foi definido.

Cole Porter – Ele Nunca Disse que me Amava: a dupla Charles Möeller e Claudio Botelho revisita o musical sobre o compositor americano a partir do ponto de vista de seis mulheres.

Minha Estrela Dalva: Renato Borghi recriou o texto do musical A Estrela Dalva,protagonizado por Marília Pêra em 1987, para dar uma visão mais pessoal sobre a cantora Dalva de Oliveira. Laila Garin será a protagonista.

Shakespeare, Primeiro Movimento: a atriz Leona Cavalli sobe ao palco em solo inspirado na vida e nos personagens de William Shakespeare com direção de Eduardo Figueiredo.

Tartufo: para comemorar os 20 anos do Ágora Teatro, o ator Celso Frateschi vai protagonizar a clássica comédia satírica de Molière.

Norma: Maria Fernanda Cândido deve interpretar a atriz Norma Bengell, um dos ícones do nosso cinema nas décadas de 60 e 70, em espetáculo escrito e dirigido por Aimar Labaki.

Dança

Grupo Corpo: A companhia mineira estreia em agosto, no Teatro Alfa, espetáculo com trilha original de Gilberto Gil.

Sankai Juku: Especializado em butô, o grupo traz em setembro sua mais nova criação, Hors les Murs, ao palco do Teatro Alfa.

São Paulo Cia. de Dança: Sua temporada de 2019, no Teatro Sérgio Cardoso, em junho, outubro e novembro, contará com onze coreografias, cinco delas inéditas. No repertório, haverá uma criação do canadense Édouard Lock e uma versão do clássico A Morte do Cisne.




» Siga o Burn Book no Facebook Instagram e no Twitter e receba todas novidades dos livros, filmes e séries! «

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Leia Mais
Valerian e a Cidade dos Mil Planetas | Crítica