A dama da meia-noite, Tessa Dare

Não é segredo para ninguém que eu me apaixonei pela escrita da Tessa Dare, né? Anseio que apreciem a história do terceiro livro e, como eu, fiquem desesperados pelos próximos!

Como descobriram nas resenhas anteriores, Spindle Cove é uma cidade de solteironas, bem, era, antes que o capitão Bram aparecesse por lá para implantar uma milícia a pedido do Duque responsável pela cidade e levasse consigo seu primo e o Cabo Thorne, protagonista do terceiro volume dessa belíssima série.




Esses três homens conseguiram mudar muito da cidade. Claro que continua sendo uma cidade de renome para famílias que precisam que suas filhas solteironas “melhorem”, mas com um toque masculino que não tinha antes, como a casa de chás que a noite é taverna ou os homens que passeiam pela cidade vestidos impecavelmente em seus uniformes de milicianos (uii!).

O Cabo Thorne é um desses homens impecáveis. Mas, diferente da maioria, ele não tem senso de humor ou qualquer expressão além da constante relutância em seu rosto perfeito. Ele parece estar sempre irritado, sempre precisando socar alguma coisa, principalmente quando em presença da professora de música Kate Taylor, ou, senhorita Taylor.

As reações dele, no entanto, não a fazem desistir de tentar fazê-lo baixar a guarda e se mostrar realmente como é. Apesar de maltratá-la o tempo todo ou deixar o ambiente quando ela aparece, a srta. Taylor se mostra tão teimosa quanto ele.

“Da próxima vez que eu me sentir tentada a estender um ramo de oliveira como sinal de amizade ao Cabo Thorne…” Ela arqueou uma sobrancelha e deu um sorriso divertido. “Lembre-me de usar esse ramo para bater na cabeça dele.”

Ela é uma donzela e eu não sabia que mulheres que não nasceram na alta sociedade não eram chamadas de lady naquela época e foi bom demais descobrir. Continuando, ela é uma donzela, órfã, foi criada em um orfanato até a maioridade quando decidiu se dedicar a dar aulas. Kate não lembra de nada do seu passado a não ser da cor azul e de uma voz que parecia ser de alguém que a amou muito dizendo: Seja corajosa minha Katie!

Apegada a ideia de que alguém a amou de verdade um dia, ela busca suas origens com afinco, escondido de todos é claro.

É por culpa dessa busca que ela vai parar em uma cidade distante de Spindle Cove, para conversar com a antiga diretora do orfanato onde viveu e tentar descobrir mais informações sobre seu passado. A mulher é uma cobra e, além de não ajudar, acusa Kate de ser filha do pecado.

Atordoada, Kate acaba cometendo inúmeros erros, culminando em perder a última carruagem para Spindle Cove e estar sem nenhum dinheiro para alugar um quarto e repousar na cidade. Uma ideia surge para conseguir dinheiro: vender as partituras novas de música que havia adquirido mais cedo.

O problema é que o dia não estava a seu favor e ela quase é atropelada por uma carruagem. Além de a insultarem, ainda perde as partituras para a lama e esbarra em um homem forte, sisudo e que a salva de ser pisoteada pelos cavalos.

O homem? Nada menos que o cabo Thorne.

Love U, Cabo Thorne!

A animosidade que está sempre presente nas conversas deles, parece pairar, mas não toma conta do momento. Ela atordoada. Ele também. Ora um homem sem emoções atordoado? É o primeiro indicio de que Thorne pode ter mais do que a obrigação de um miliciano dentro do peito. Ou um congelante e frio coração.

É nesse instante que algo se quebra e se encaixa e que começamos a desejar desvendar esse soldado tão carrancudo.

“Minha vida toda”, ela começou, com a voz falhando, “eu me apeguei a uns fiapos de memória. Não importava o quão triste era minha realidade, essas lembranças vagas me davam a esperança de que alguém, em algum lugar, havia gostado de mim, um dia. E eu sempre acreditei, no fundo do meu ser, que algum dia alguém me amaria novamente.”

Não vou contar as coisas que ocorrem até eles, finalmente, conseguirem chegar em casa. Mas atitudes possessivas e o sentimento de responsabilidade fazem com que o Cabo sem coração, finja ser o noivo de Kate diante de uma família esquisita que a estava procurando, alegando terem descoberto que ela era a filha perdida de um falecido Marquês.

A visita dessa família deixa toda a Spindle Cove enlouquecida, não tanto quanto a novidade que os dois que mais se odiavam na cidade estão NOIVOS!

Thorne guarda um segredo sobre o passado de Kate e sempre que a narração é feita por ele, temos vislumbres desse passado e do quanto a culpa e o medo o cegam para o que pode estar acontecendo no presente entre ele e a senhorita Taylor. Ele é um homem machucado pela vida, com um passado criminoso e duvidoso e não quer envolve-la nisso.

Kate, apesar de tudo o que sofreu em sua infância, só deseja uma coisa em sua vida: uma família. O problema é que o noivado fingido tem levado novos sentimentos e novos desejos ao seu coração. O que fazer quando se deve escolher entre o que sempre sonhou e um homem que não demonstra qualquer sentimento, mas que sem dúvida alguma, a salvou mesmo que ela não saiba do que?

Esse livro se tornou meu favorito da série. Tentei não dar spoilers importantes e talvez a resenha tenha ficado confusa em alguns pontos, mas foi proposital, assim vocês correrão para ler!

Apesar de os diálogos continuarem sendo feitos entre aspas, a história é tão incrível e impactante que nem percebi isso dessa vez. O conturbado romance é o combustível para a leitura fluir rapidamente. Li esse livro em menos de um dia! E, por favorrrrrr, leiam também!

Gostaria muito de ler mais livros da Tessa e espero que a editora Gutenberg publique mais alguns! Alguns? Muitoooos!

Espero que tenham gostado!

Beijocas,

Resenha publicada também no blog Coração de Papel.

Capa
100
Enredo
100
Narrativa
100
Personagens
100
Nota dos Leitores:3 Votes
85
100

Leia Mais
O Fantasma da Ópera vai virar série de TV pelo canal ABC