The-100

 

 

 

Título: The 100: Os Escolhidos

Autora: Kass Morgan
Editora: Galera Record
Número de Páginas: 288
Classificação: 2/5  estrelas

 

 

 

 

 

 

The 100 é um daqueles livros que se resumiria facilmente em 20 minutos de série, já que antes mesmo do livro ser lançado, a CW já tinha comprado os direitos do mesmo, e estava produzindo uma série baseada na obra de Kass Morgan.

Resolvi construir essa resenha em partes, começando pela sinopse:

Desde a terrível guerra nuclear que assolou a Terra, a humanidade passou a viver em espaçonaves a milhares de quilômetros de seu planeta de origem. Mas com uma população em crescimento e recursos se tornando escassos, os governantes devem encontrar uma solução. Cem delinquentes juvenis — considerados gastos inúteis para a sociedade restrita — serão mandados em uma missão extremamente perigosa: recolonizar a Terra. Essa poderá ser a segunda chance da vida deles… Ou uma missão suicida.

Pela sinopse você pensa: “Ah, vai ser mais uma distopia interessante que a autora resolveu inovar, tem tudo para dar certo”… Isso se a autora soubesse trabalhar com a construção de protagonistas e o aproveitamento da história em si, que ao contrário da série, foge totalmente da proposta inicial e se transforma em um “triangulo amoroso” entre adolescentes “condenados” na terra.

“Os Escolhidos” não funcionou da forma que eu esperava, acredito que o motivo mais importante que me levou a não gostar do livro foi a escolha da autora em usar diversos pontos de vista junto com flashbacks, que ficavam indo e voltando na história e que com certeza vão confundir os leitores.

Os personagens são muito superficiais, e outro ponto negativo é que a autora nem se deu ao trabalho de mostrar “os outros 95”, já que dos 100 que vieram para a terra, hora ou outra são citados ou desenvolvidos como personagens secundários, a autora deveria ter explorado os outros que estavam com eles, já que os protagonistas não dão conta do recado.

  
  

Kass Morgan perdeu a mão e esqueceu que estava escrevendo uma distopia, transformando “The 100” em um livro cheio de “romances com mimimi” e adolescentes sem noção, que só pensam no presente e tem atitudes egoístas, levando em conta que na teoria eles são a esperança da humanidade.

"Os humanos tinham abandonado a Terra em seu momento mais sombrio; ela não se importaria com quantos morreriam tentando retornar." 

Garanta o seu exemplar de "The 100" pelo link

Ao julgar pela classificação do GoodReads (uma espécie de Skoob americano, onde as pessoas são muito mais sinceras e acabam mesmo com o livro), a classificação em estrelas do livro varia entre UMA e TRÊS ESTRELAS, sabia que não vinha coisa boa por ai.

Resumindo, no topo da resenha classifiquei o livro com “duas estrelas”, eis a justificativa: UMA estrela porque a capa é bonita, e a outra estrela por a autora conseguir vender os direitos para a CW e o canal trabalhou brilhantemente no roteiro para a adaptação da série, pois caso seguissem o que é apresentado no livro não aprovariam nem o piloto.

Resenha escrita por Guilherme Cepeda – Burn Book ©

 

Deixe sua opinião aqui :)