Beijada por um anjo # 1

 Autora: Elisabeth Chandler
 Editora: Novo Conceito
 Páginas: 247

 Resenha por: Becca
 
 
 
 
 
 
 

O nadador Tristan era o rapaz mais popular da escola e habitava o imaginário de todas as meninas da cidade. Na verdade quase todas, menos Ivy Lyons. Ivy só queria a companhia dos anjos. Seu preferido, desde menina, era Tony, o anjo da água, desde que o chamou pela primeira vez ao cair em uma piscina, sem saber nadar.
A água que era o temor de Ivy e a paixão de Tristan, seria a responsável pela aproximação de suas vidas e os envolveria em uma linda história de amor, companheirismo e confiança.
A paixão envolvente, o companheiro ideal e a crença nos anjos são interrompidos no dia em que Tristan sofre um acidente.

Uma linda história de amor interrompida cedo de mais…

 
“Até que a morte os separe.”


Essa com toda a certeza não é uma frase muito bem utilizada para Tristan Carruthers. Não agora. Não mais. E nunca referente a Ivy Lyons. 
 
Acho que raiva é o primeiro sentimento que me vem em mente quando falo de “Beijada por um anjo”. Não me entendam mal, isso não é necessariamente ruim. Sei que estão pensando que sou louca, mas no decorrer da resenha vocês irão me entender melhor.
 
O livro conta a hisrtória de Ivy Lyons e Tristan Carruthers. Ivy é uma adolescente quieta, um pouco tímida, com um talento incrível para música e uma crença nada silênciosa em anjos (ok ignorem a piadinha). Tristan é um dos caras mais populares da escola, ótimo nadador, descontraído e claro, lindo. 
 
Nossa história começa de maneira simples, mas original e muito engraçada! Tristan tenta de todas as formas chamar a atenção de Ivy, faz de tudo, mas é claro que ele sempre acaba em situações constrangedoras, o que nos faz gargalhar alto, ou mesmo sentir constrangimento pelo nosso lindo personagem. 
 
Ivy acha que não está preparada para se apaixonar, afinal são muitas mudanças de uma única vez em sua vida: sua mãe casando-se novamente; a difícil aceitação de Philip, seu irmão mais novo; a mudança para a nova casa e a convivencia com Gregory (que é muito engraçado com suas provocações infundadas), o filho de Andrew; e claro, os seus anjos.
 
“-Deite nela Ivy- provocou Gregory, usando um tom baixo e suave.
Ela deitou e ele deitou ao seu lado.
-É melhor eu começar a desarrumar as malas- disse Ivy sentando-se rapidamente.”
 
Mas as coisas loucas que Tristan faz acabam por valer a pena, pois ele consegue uma aproximação com Ivy, mesmo que por enquanto apenas como amigo.
 
E é nesse papel que ele a ajuda a enfrentar seu maior medo, e sua maior paixão: a água. Tristan começa aos poucos a ensinar Ivy a nadar. Fazendo com que ela enfrente seu pior pesadelo de forma leve e prazerosa. A essa altura já era tarde, Ivy estava completamente apaixonada.
 
“Ele estava tão contente que, por um momento, um momento bem breve, ela esqueceu-se de seu medo.”
 
E claro, não é novidade para ninguém quando eles começam a namorar. Algo que realmente gostei é de como a autora retrata o relaciomento dos dois, não é o romance perfeito de todos os livros, eles sentem ciúmes e brigam como qualquer outro casal o que torna a história mais real.
 
“…Foi aí que eles comeeçaram a brigar. Ivy percebeu, pela primeira vez, que quanto mais você ama, mais você se magoa. E o que era pior , você magoa a pessoa que ama bem como a você mesma.”
 
Mas claro que como nem tudo são flores, Tristy e Ivy sofrem um acidente de carro, ele não sobrevive ( e sim chorei y.y). Mas o que Ivy não sabe é que Tristan não se foi para sempre. Ele agora é um dos amados anjos dela, porém, ela não acredita mais nos tolos anjos que não salvaram a vida da pessoa que ela amava.
 
E a bola passa novamente para as habilidosas mãos de Tristan, ou deveria dizer as habilidosas asas? Ele novamente tem uma missão, dessa vez um pouco mais difícil. Ela precisa voltar a acreditar em anjos para que possa vê-lo, ele precisa cumprir sua última promessa, precisa provar que a ama. Mas nada é tão simples como parece…

O que me chamou a atenção é forma como os personagens se relacionam. Os irmãos realmente se amam e se apoiam quando um precisa do outro. Os amigos também estão lá, mas sempre têm seus altos e baixos, são coisas realmente reais, mostra que não existem relacionamentos perfeitos.

“- Você quer rezar para os anjos? – ela perguntou
Disseram juntos: – Anjos da luz, anjos queridos, cuidem de nós. Cuidem de quem mais fica comigo.
-Essa pessoa é você Ivy – disse Philip, fechando os olhos.”

O que realmente me incomodou dessa vez (incrível como sempre tem algo) é que existem personagens que brotam do nada, como o nosso tímido Will que uma hora não estava lá e outra hora já fazia parte do grupo. Acho que essa parte poderia ter sido mais bem trabalhada, ainda assim não é algo que realmente atrapalhe, apenas confunde um pouco. (Não vou tirar estrelinhas por isso, Tristan me ganhou de mais ahushasu).


» Siga o Burn Book no Facebook Instagram e no Twitter e receba todas novidades dos livros, filmes e séries! «

O livro é narrado em terceira pessoa, os diálogos são impecáveis e a arte do livro também, a editora teve cuidado com cada mínimo detalhe, posso arriscar dizer que esse é um dos melhores livros que a editora Novo Conceito publicou.

Realmente recomendo a todos de qualquer idade e sexo.
P.S. A raiva é pela morte de Tristan #todoschoram! 
 
“Olhou para ele, deu de ombros e deixou que soltasse a mão. Mas ele não soltou e entrelaçou seus dedos com os dela. Depois de um momento de hesitação, levou a mão dela ao seu rosto…”
 
 
– Capa Americana
 

 

Deixe sua opinião aqui :)