Bilionários Por Acaso – A Criação do Facebook
 Autor: Ben Mezrich
 Páginas: 232
 Editora: Intrínseca
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Best-seller do The New York Times, Bilionários por acaso é uma narrativa em alta voltagem sobre dois estudantes desajustados de Harvard que tentavam aumentar suas chances com o sexo oposto e terminaram criando o Facebook.

Protagonizada pelo brasileiro Eduardo Saverin, estudante de economia, e pelo norte-americano Mark Zuckerberg, gênio da informática – amigos que sobreviviam num ambiente repleto de alunos brilhantes de famílias supertradicionais – mostra a trajetória da criação da rede social que se tornou uma das mais poderosas empresas do mundo e que revolucionou a maneira como milhões de pessoas se relacionam.

Ben Mezrich revela os detalhes picantes dos bastidores dessa verdadeira saga, em uma narrativa movida a altas doses de paranoia, sexo, bebida, talento, alguma droga e muita ambição, entre investidores poderosos, mulheres maravilhosas, a busca do estrelato social e muitas, mas muitas intrigas. Criado para unir as pessoas, a história do Facebook é de desavenças e separação.

Bilionários por acaso, a história da criação do Facebook. Baseado em fatos reais, é um livro diferente de tudo o que eu estava acostumado a ler. Classificado nas livrarias como Administração Financeira, totalmente diferente de YA (Young Adult) que eu estou acostumado, mas não deixa nada a desejar no quesito história, desenvolvimento e principalmente os personagens.

Um história atual. Nada de super poderes, belas paisagens, outros mundos, mas na questão de mocinhos e vilão a os protagonistas, o americano Mark Zuckerberg e o brasileiro Eduardo Saverin , hora são vilões ou mocinhos da história. Leva o leitor a ficar na duvida entre amar ou odiar o personagem, se tornando uma história incrivelmente bela e trágica.

Dois nerds soltos por Harvard a procura de garotas, tiveram uma ideia que mudou suas vidas. Quando a dupla de amigos se une a fim de criar o “TheFacebook”, não imaginavam que um projeto criado durante a madrugada em um alojamento de Harvard, se tornaria uma das redes sociais mais acessadas no mundo. Tudo bem que quem realmente deu vida ao site foi Mark, sempre de frente ao computador trabalhando, mas quem financiou todo o trabalho, colocando suas próprias economias no site, foi Eduardo. E é ai que Bem nos força a escolher um lado, mesmo sem saber se estamos fazendo a escolha certa.
 
Mark um garoto excêntrico, no melhor estilo Green Day possível, não deixa transparecer suas emoções, encarando a vida com um tom de descaso, membro da nova geração que não se importa muito com o dinheiro, mas em se sentir bem com o que está fazendo. Ele vai de bonzinho ao grande vilão durante o livro, mas não podemos tirar muitas conclusões, afinal o mesmo não colaborou em nada para esse livro acontecer, mas Eduardo sim. Conhecemos Eduardo, um personagem preocupado com a faculdade, a amizade de Mark e com o Facebook. Eduardo colaborou com o autor e fez o livro acontecer. Assim, criamos um vinculo maior com Eduardo, conhecendo suas emoções, suas duvidas e seus anseios em diferentes situações pessoais, e referentes a criação do Facebook. 

 

Ao mesmo tempo em que Mark é um personagem enigmático, Eduardo é um livro de páginas abertas. Em questão de narrativa, é uma história empolgante, com festas, traições, piadas e muitos, muitos palavrões. O autor me surpreendeu pelo uso de palavrões no livro, pois nunca tinha visto nada do tipo, além disso, o autor também usa alguns termos tecnológicos (usados normalmente por programadores e por Hacker’s) durante a passagem de criação do Facebook, que pode vir a confundir alguns leitores, mas nada grava que possa atrapalhar a leitura. O livro deu origem ao filme a Rede Social, onde David Fincher, diretor do filme, não teve muitos problemas em adaptar o livro ao filme, pois muitas cenas, e a própria narrativa já estavam prontas para serem encenadas.

Sou meio suspeito para falar desse livro, pois adoro essas batalhas nerds pelo poder, e foi bom conhecer a história de criação do Facebook, pois muitas vezes fazemos parte de diferentes redes sociais, e não temos nem ideia da história complexa que tem por trás delas. Recomendo o livro para quem quer quebrar um pouco a rotina de ler livros sobrenaturais, com romances e criaturas místicas. O livro nos leva a refletir sobre a linha entre o mundo real, e o mundo virtual, e também o que a pessoas são capazes de fazer para atingir seus ideais.
 
Com a publicação do livro, e a estréia do filme A Rede social no Brasil, na minha opinião, o Facebook vai sofrer uma super popularização, podendo chegar a substituir o Orkut.
 
 
 
 
 
 
 
 

Deixe sua opinião aqui :)