Resenha: Cartas de amor aos mortos, de Ava Dellaira 3
Resenhas

Resenha: Cartas de amor aos mortos, de Ava Dellaira

10296634_465701013563548_8137922515520007646_n1

 

 

 

Livro: Cartas de amor aos mortos

Autora: Ava Dellaira
Editora: Seguinte
Número de páginas: 331
Classificação: 4/5 estrelas

 

 

 

 

 

 

Querida Ava Dellaira,

Gostaria de começar essa resenha de um jeito diferente, pois nada mais justo que fazer uma resenha da mesma forma que o seu livro foi escrito. Sei que você provavelmente não vai ler essa “carta”, mas tenho certeza que meus leitores vão gostar de saber parte das minhas impressões e aproveitar a experiência que a leitura de “Cartas de Amor aos Mortos” proporciona.

A professora de inglês de Laurel passou a seguinte tarefa: escrever uma carta para alguém que já morreu. Você poderia esperar que a nossa protagonista fosse escrever para um famoso qualquer, mas devido as suas experiências e o momento de vida de Laurel, ela resolveu compartilhar parte da sua rotina e sentimentos através dessas cartas.

Laurel é uma garota diferente, e quando se deu conta, já tinha um caderno cheio dessas cartas “dedicadas” aos mais diversos nomes que já nos deixaram, tais como: Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Elizabeth Bishop… com um porém: tais cartas nunca foram entregues à professora de inglês.

Cartas de Amor aos Mortos é um livro diferente, tem seus altos e baixos, mas o que mais me chamou a atenção foi a escrita poética e delicadamente trabalhada de Ava Dellaira. Não é à toa que Stephen Chbosky, autor de As Vantagens de ser invisível (um dos meus livros favoritos) está meio que “apadrinhando” esse livro, já que ele segue mais ou menos a mesma linha da narrativa e da pegada de narrativa em cartas de As Vantagens de ser invisível.

" Todos nós queremos ser alguém, mas temos medo de descobrir que não somos tão bons quanto todo mundo imagina que somos."

A autora se perdeu em alguns momentos da história e senti um relacionamento meio que forçado e frases jogadas ao ar quando se tratava do envolvimento dos protagonistas, principalmente falando de Sky (o mocinho da história), que não me convenceu e Laurel podia muito bem ter enfrentado sua jornada sem ele.

Cartas de Amor aos Mortos é um livro que vai entrar para lista dos favoritos de muitos leitores, principalmente pela forma que a autora tratou de temas delicados (sem spoilers) para construir sua narrativa.

Recomendo o livro para os fãs de As Vantagens de ser invisível, e também para os leitores que procuram leituras mais “pesadas”, que fazem você parar para refletir sobre as escolhas do dia a dia e principalmente para aqueles que gostam de livros mais poéticos, onde os personagens estão aprendendo a lidar com a perda. 

Resenha escrita por Guilherme Cepeda – Burn Book ©

***

Lembrando que o livro foi elogiado por diversos autores de peso (veja abaixo) e vai virar filme dos mesmos produtores de "A culpa é das Estrelas"!

➲ Elogios de outros autores: 

"Simplesmente amei este livro. 'Cartas de amor aos mortos' é mais do que um livro de estreia impressionante. É o anúncio do surgimento de uma nova voz literária corajosa." – Stephen Chbosky, autor de "As Vantagens de Ser Invisível" 

"Assim como Kurt, Janis, Amelia e outros que já se foram mas de algum jeito permanecem aqui, 'Cartas de amor aos mortos' deixa uma marca indelével." – Gayle Forman, autor de "Se eu ficar"

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Resenha: Cartas de amor aos mortos, de Ava Dellaira 4


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Resenhas

11 Comments

  1. Não tinha gostado do livro pela resenha que tinha lido, mas agora mudei de ideia. Parece-me muito mais emocionante!

    Beijos! || ape56.blogspot.com

    1. Oi Naty,

      É meio “sick-lit”, saca? Gosto desse tipo de leitura, sempre tem uma mensagem mais pesada por trás.

      Obrigado pelo comentário

      Bjs

  2. Como disse, meu interesse pelo livro apareceu!
    Adorei a resenha, fiquei na curiosidade DDD:

    http://www.livroterapias.com

    1. Oi Naty,

      Leia sim, depois me conta o que você achou ^^

      Bjs

  3. Acho que Laurel precisava do Sky. Ele era a única pessoa que podia abrir ela, despertar um sentimento de compaixão grande o suficiente pra fazer ela enxergar que, se ela continuasse assim, perderia ele e outras pessoas. Eu gostei.

    Só não gostei muito do final. Achei corrido, considerando *o que* aconteceu com a irmã dela.

    Abs,

    Raquel
    http://www.pipocamusical.com.br

    1. Oi Raquel,

      Os autores normalmente correm com o final, é difícil achar um livro que escrevam tudo “certinho”, isso me deixou meio :S também, mas curti o livro.

      Obrigado pelo comentário

      Bjs

  4. nossa conheci esse livro ontem, e amei…

    1. Olá Marjhorye,

      Terminou a leitura?

      Bjs

  5. Me interessei logo de cara pelo título e pela capa do livro (sim, sou dessas rs) e a resenha também me despertou curiosidade mas como uma pessoa que precisa de finais explicadinhos já não sei se vou ler, ainda estou sofrendo com o final de Eleanor & Park.

    Agora é moda acabar os livros “a la John Green” é? me agonia terminar um livro e não saber o que aconteceu com os personagens secundários e nem com os principais direito.

    Enfim, vai pra minha lista por via das dúvidas.

    1. Hey Gabi 🙂

      Também sou desses, fui seco só pela capa kkkkkkkkkkkkk
      Ela deixa algumas coisas em aberto mesmo, os livros “a la JG” tão em alta, ai da nisso kkkkkkkkkk

      Eu gosto de explicar tudo o que acontece com os personagens, ou pelo menos dar uma ideia de como eles acabaram na história, mas tem livros que PFF, você se perde e fica com cara de WTF? 0___0

      Obrigado pelo comentário, depois me fala o que você achou.

      Bjs

  6. *0* que show.
    Não me canso de dizer que quero muito ler esse livro. Parabéns pela resenha, bem criativa =)

    http://voceetaolivro.blogspot.com.br/

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.