Resenha: Homem-Maquina, de Max Barry 7
Resenhas

Resenha: Homem-Maquina, de Max Barry

Resenha: Homem-Maquina, de Max Barry 8

Homem-Máquina (Machine Man)

Editora: Intrínseca

Autor: Max Barry

Ano: 2012

Número de páginas: 284

Resenha por: Guilherme Cepeda

Charles Neumann é engenheiro e trabalha em um sofisticado laboratório de pesquisas. Ele não tem amigos ou qualquer tipo de habilidade social, mas ama máquinas e tecnologia. Por isso, quando perde uma das pernas em um acidente de trabalho, Charlie não encara a situação como uma tragédia, mas como uma oportunidade. Ele sempre achou que o frágil corpo humano poderia ser aperfeiçoado, e então decide colocar em prática algumas ideias. E começa a construir partes. Partes mecânicas. Partes melhores. A especialista em próteses Lola Shanks é apaixonada por membros e órgãos artificiais. Quando conhece Charlie, ela fica fascinada por ter encontrado um homem que parece capaz de produzir um corpo totalmente mecânico. Mas as outras pessoas acham que ele é um louco. Ou um produto. Ou uma arma. Em uma sátira sobre como a sociedade se tornou tão dependente da tecnologia, Homem-Máquina narra a estranha e divertida jornada de um homem em busca de aprimoramento.

Homem-Máquina é um livro que atinge o psicológico do ser humano. Uma alusão a sociedade moderna na busca infreável pela perfeição. Max Barry me surpreendeu positivamente com a criação da trama para Homem-Máquina.

Após sofrer um acidente de trabalho, Charles Neuman, um engenheiro viciado em tecnologia tem sua perna amputada mas não encara a situação como uma tragédia, mas como uma situação controlada atrelada aos seus gostos que acabam por se tornar uma busca pela perfeição corporal.

"Barry parte de um cenário que deveria ser trágico e astutamente o remodela, construindo uma comédia inteligente e tocante sobre o cotidiano contemporâneo."(Kirkus Reviews)
 
A ideia de Charles Neuman é um pouco perturbadora, pois na cabeça do personagem substituir partes do corpo humano por partes mecânicas o tornariam mais eficiente, mas ao meu ver ele caminha na linha entre a auto-mutilação e auto-aperfeiçoamento.
 
A narrativa do livro tem momentos de auto-reflexão em conjunto com o humor ácido de Charles Neuman. Max Barry soube agradar vários tipos de leitores colocando elementos tecnológicos, romance, trocadilhos da área de engenharia e tudo isso balanceado com uma crítica a sociedade atual com base na necessidade de viver ligado a tecnologia.
 
"Qualquer um que tenha trabalhado, estudado ou amado um engenheiro irá apreciar a variedade de piadas internas que pontuam o livro. Com comentários inteligentes sobre os processos industriais e os desejos do consumidor contemporâneo, Barry traz um senso de humor nerd a uma premissa tão crível que não se limita ao reino da ficção científica. Sombriamente cômico, genuinamente comovente e com passagens memoráveis, um triunfo." (Booklist)
 
Max Barry escreveu o livro com a ajuda de seus leitores, postando uma página por dia em seu site para que os leitores pudessem discutir e opinar sobre as cenas. O ponto de vista que o autor introduziu no desenvolver do livro é válido, com alguns exageros aqui e outros ali, Home-Máquina é um livro recomendado para os fãs de ficção-científica com um toque real.
Resenha: Homem-Maquina, de Max Barry 9Resenha: Homem-Maquina, de Max Barry 10

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Resenha: Homem-Maquina, de Max Barry 11


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Resenhas

42 Comments

  1. Gostei da sua resenha, mas não é um livro que eu tenha vontade de ler.
    My recent post Gossip Time: Make it or break it

  2. Oi Gui, confesso que sou de pouca leitura ficção-científica, achei diferente a temática do livro, nunca li nada igual, essa arte que o ser humano inventa, cito Barry, de fazer parecer igual ou parecido o homem à máquina é bem comum nos nossos dias… Eu quero ler esse livro mais agora, visto que essa foi a segunda resenha que li, não só pela curiosidade mas pelo fato que a narrativa desse livro contém humor ácido, como tu disses, e isso já me conquistou.
    Cya.

  3. Desde que foi anunciado o lançamento do livro que quero lê-lo. Para amantes de "humor ácido", ficção científica e críticas à sociedade "somos-melhores-que-todos-mas-não-conseguimos-fazer-nada-direito". Vai pra minha lista de desejados *–*

  4. A capa é bem simples, mas acho que prepara o que vamos encontrar no livro… desde do lançamento tava de olho na obra, e o tema me agradou, sendo que também é ficção-científica, e eu sou um fã do gênero. Resenha muito boa, espero ler o livro em breve!
    My recent post Resenha – Ponte para Terabítia de Katherine Paterson

  5. Resenha muito boa, destacando os pontos importantes do livro, despertando a curiosidade dos leitores, vale a pena conferir.

  6. Resenha ótima. Estou super interessada porque gosto de tecnologia.

  7. Eu diria que não estamos muitos distantes que isso aconteça..rss. Um dos grandes avanços da tecnologia é poder reimplantar células, tecidos e por aí vai. E porque não robotizar o corpo humano?Acho a proposta do livro muito interessante, um tanto inusitada, mas acho que vale a pena ser lido.

  8. Esse é o tipo de livro que combina exatamente comigo. Quero muito ler ele. Parabéns pela resenha!!!
    Seguidor: Vítor Maggot

  9. Eu tinha visto a capa, mas não tinha dado nada pelo livro, vi a sinopse e fiquei curiosa mas nada demais
    Só que com as resenhas eu percebi que é uma leitura muito diferente do comum e isso muito me interessa. Está na minha lista de : preciso.
    My recent post Autores Nacionais – Roxane Norris

  10. Primeira resenha que leio desse livro, eu acho a capa dele um pouco estranha, mas não imaginava que o livro fosse assim, fiquei curiosa quero ler me interessou principalmente quando você falou sobre a questão dele estar na linha de auto-mutilação e auto-aperfeiçoamento, nunca imaginei que fosse me interessar por esse livro.

    Beijão
    My recent post Divulgação – Dia das Crianças – Janaina Rico

  11. Já tinha visto a resenha da Gleice e ela favoritou o livro!
    Então, daí já tinha ficado interessada no livro.
    Preciso dizer que a capa não me instiga muito, mas é bom saber que ele traz reflexões sobre a sociedade.
    Não duvido nada que no futuro (um pouco distante), possa começar a otimizar o corpo humano com máquinas.
     
    Beijo!

  12. A busca da perfeição, seja homem e/ou máquina tem uma relação muito forte. Aqui vemos um homem que perde suas pernas e consequentemente ele acha que trocar partes de seu corpo por partes mecênicas, o tornariam um ser muito melhor, com menos perigos de erros. Acho perturbadora essa forma de pensar, mas que existe muitas pessoas com esses pensamentos, isso existe. Gostei da forma como você desenvolveu sua resenha.

  13. Ah! Eu tinha visto a capa do livro e não tinha me interessado de cara pelo livro… Mais como diz o ditado: "Não julgue um livro pela capa!", li a sinopse do livro no Skoob e achei interessante… Ganhei ele como cortesia… Mais ainda não tive tempo para lê-lo (minha fila está um pouquinho extensa demais!)…
    Vendo sua resenha deu pra ter uma ideia do que esperar do livro… Acho que vai ser interessante!
    Valeu Gui!

  14. Como formada em Informática esse ano, posso dizer que tenho pavor de tecnologias, pois parece que qualquer coisa atual é feita para afastar mais as pessoas… Acho a crítica do livro muito válida, mesmo que com exageros, pois é preciso que as pessoas voltem a ter coração, voltem a fazer boas ações "ao vivo", e não compartilhando imagens ou e-mails…

    Estou querendo muito ler esse livro faz algum tempo, e acho que ele só vai me dar mais força nessa minha opinião. Gostei muito de saber que ele foi escrito com ajuda de leitores também.

    Beijo!

  15. Eu já tinha visto a capa, a divulgação e até algumas resenhas, me interessei. Não é o meu genêro, mas me parece uma leitura interessante.

  16. Admito que não conhecia o Max Barry.. Mas esse tema me chamou muita atenção! Primeiro, porque sou estudante de engenharia e, segundo, porque parece ser o tipo de livro que me atrai.. parece ser um livro que te deixa alguns dias refletindo sobre a vida, pensando em suas ações, te faz querer ler e reler milhares de vezes pra ver se 'capta' mais alguma coisa, que realmente te ensina alguma coisa!!! E como você mesmo disse em sua resenha "Homem-Máquina é um livro que atinge o psicológico do ser humano. Uma alusão a sociedade moderna na busca infreável pela perfeição."
    Este é um livro que eu realmente ficaria feliz de ganhar!! (:

  17. Olá Gui adorei a sua resenha, o livro parece ser bem interessante, acho muito legal esses tipos de tema como o que é a perfeição o avanço tecnológico e também a loucura, adicionando também o humor ácido que devem deixar a narrativa mais interessante.

  18. Antes da resenha, não dava nada por esse livro mas, agora, necessito lê-lo.
    Prefiro a capa original à capa nacional.
    O assunto abordado no livro é bem atual e importante.

    Luiza Helena Vieira
    Obsession Valley
    My recent post Lançamentos Literários – Outubro/2012

  19. Ser humano é ser imperfeito e é a busca da perfeição que nortea nosso dia a dia, Isso faz a gente pensar um pouco a nosso respeito . Achei que não valeria a pena ler , mas parece que estou enganada.

  20. Interessante. Muito instigante a resenha.

  21. Fiquei curiosa pra ler mas não faz muinto o meu genero de leitura mais mesmo assim vô adc ele a minha estante gostei da sua resenha;p

  22. A história atrai muito, por ser diferente e a capa é mto diferente e legal!!!

  23. Não li o livro, pela resenha dar para se ter um ideia como um todo. Vou participar, quem sabe serei o ganhador.

  24. Ótima resenha, estava com duvida se lia ou não esse livro e essa resenha me fez ter mais vontade de ler, é um livro com a minha cara haha'

  25. Max Barry,não conheço o autor ,mas goste der ler diferentes conteúdos!!

  26. Adorei a sinopse do livro. Apesar de não ser fã de ficção científica, acho que vale mais pela reflexão sobre nossa dependência de tecnologia, a busca pela perfeição e o brincar de ser Deus. Válido demais.

  27. Achei a história do livro interessante, mas não ao ponto de criar grandes expectativas. Se tiver oportunidade de lê-lo, espero gostar.

    @_Dom_Dom

  28. Simplesmente me apaixonei pela premissa do livro! Livros com boas críticas sociais são excelentes para nos deixar extasiados em reflexões. E a tecnologia, na atualidade, é realmente o assunto mais em pauta. O fato de ele vir com um personagem que se contenta com a mutilação do próprio corpo apenas para testar inovações científicas e robóticas é de estarrecer, mas incrivelmente sedutor ao leitor que gosta de ver pontos de vistas diversos… Estou com muita vontade de ler este livro!
    My recent post Minhas Satisfações e Resultado da Promoção

  29. Oie
    Tbem ja tinha lido uma resenha positiva desse livro, gosto dessas historias de ficção cientifica, mas vai saber se em pouco tempo, em "partes" essa historia não se torna real?
    Eu acho que teria pessoas que se auto motilariam para ficarem "perfeitas", eu morreria de medo de fazer qualquer coisa, rsrsrs mas tem loucos para tudo ne!
    Estou ansiosa para saber da historia na integra!
    bjos

  30. Adoro leituras fictícias! E neste livro, o autor Max Barry soube fazer um ótimo misto com a criação do romance entre Charles e Lola. Já li, e recomendo a todos. Agora, irei ganhar esta promoção para poder presentear uma pessoa que tem o jeito de pensar parecido com o de Charles. Espero que ele goste da leitura!

  31. Pra falar a verdade não tinha a mínima ideia do que se tratava a história, só curtia o nome.. Agora li a resenha e to pasma. Pre-ci-so me deliciar nesse livro.

  32. Nossa, nossa, nossa! Ah! Fala a verdade! Quem nunca imaginou algo como isso no futuro, a união entre homem e máquina! É verdade que o mercado editorial já está saturado com este tema, mas é a primeira vez que vejo o assunto tratado com tamanho sinismo! Com certeza vai para minha estante ou para meu banco de dados digitais que planejo implantar em meu cérebro nos próximos anos.

  33. Achei interessante a resenha, pretendo ler assim que possível.

  34. Uuauuuuu… sou do tempo em que esperava a semana toda pelo seriado Cyborg, então imagina só o grau de minha curiosidade com relação a este livro. Ele está entre as minhas prioridades prioritárias. Bela resenha feita pra abrir o apetite!

  35. Parece ser interessante ou, no mínimo, melhor do que julgava pela capa e pelo título o suficiente para me interessar e participar da promoção.

  36. Tá aí um livro que me interessei. Espero conseguir coloca-lo na minha estante logo, achei bem interessante 🙂

  37. Esse livro parece ser muito interessante, quero muito ler e a resenha me deixou com mais água na boca ainda!

  38. gostei muito da resenha

  39. A capa é interessante, e a proposta do autor não está tão distante do que possivelmente acontecerá no mundo…
    Leria talvez se ganhasse de presente.

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.