Resenha: Jogador Nº 1, Ernest Cline 3
Resenhas

Resenha: Jogador Nº 1, Ernest Cline

Você vai terminar o livro querendo entrar no OASIS

Jogador Nº 1 é talvez a obra literária qe as pessoas estão mais ansiosas para ver no cinema. Imagine uma realidade virtual onde você pode ser quem quiser, explorar diversos mundos e os videogames mais alucinantes como se fosse parte deles? Essa é a realidade que Ernest Cline nos apresenta em seu livro de estreia.

Um mundo virtual não é uma premissa inédita, mas Ernest mostra que possui um grande talento na construção de mundo. Cada detalhe do OASIS, que é o nome da realidade virtual criada por James Halliday, é algo que só um fissurado por videogames e ficção científica poderia fazer. E você consegue se empolgar por seu amor por todas as referências nerds, mesmo que não conheça muitas. Se bem que é impossível não reconhecer pelo menos um dos títulos que nossos heróis conversam, ainda mais com a cultura dos anos 80 voltando com tudo.

No meio desse mundo virtual tempos nosso protagonista Wade Watts, que junto com outros usuários tenta encontrar o misterioso Easter Egg de Halliday. No seu testamento, o criador do OASIS deixou toda sua fortuna e controle da empresa para quem desvendasse as pistas e chegasse ao Easter Egg primeiro. Wade, que prefere esquecer o mundo em colapso a sua volta para se entregar a um virtual melhor, nunca imaginou que seria o primeiro a conquistar o primeiro mistério, apertando a corrida pelo controle do OASIS.

Mesmo sendo o livro de estreia de Ernest, eu fiquei impressionado com sua narrativa. A história é contada no ponto de vista Wade de uma maneira bem dinâmica e divertida. A criatividade não é o único ponto chave do autor, e, mesmo se tratando de uma ideia fantástica, existe um peso muito real nas suas páginas – ainda mais se levamos em consideração as motivações dos vilões.

Acho que o que mais me incomodou foi a falta de tensão em algumas momentos, principalmente na batalha final, onde você sente que tudo ocorreu rápido demais. O final também ficou muito aberto, mas como teremos um segundo volume eu só posso dizer que quero tê-ló em mãos e ver como a história vai continuar.

Não deixem de conferir Jogador Nº 1 em março nos cinemas.

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Resenha: Jogador Nº 1, Ernest Cline 4


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Resenhas

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.