Resenha: Leviata, de Scott Westerfeld 9
Resenhas

Resenha: Leviata, de Scott Westerfeld

Resenha: Leviata, de Scott Westerfeld 10

Título: Leviatã – A Missão Secreta

Autor: Scott Westerfeld 
Editora: Galera Record
Resenha por: Guilherme Cepeda
É o começo da Primeira Guerra Mundial e todos os poderes europeus estão se armando. Os austro-húngaros e os alemães têm seus Clankers, máquinas de ferro movidas a vapor, carregadas com armas e munições. Os Darvinistas Britânicos empregam animais fabricados como suas armas. O seu Leviatã é uma baleia-nave aérea, o animal mais incrível da Frota Britânica. Aleksandar Ferdinand, príncipe do Império Austro-Húngaro, está fugindo. Seu próprio povo se virou contra ele. Seu título não vale nada. Tudo que ele tem é um Stormwalker destruído em batalha e uma equipe de homens leais. Deryn Sharp é uma pessoa comum, uma garota disfarçada de garota no Serviço Aéreo Britânico. Ela é um aeronauta perfeito. Mas seu segredo está em constante perigo de ser descoberto. Com a grande guerra iniciando, os caminhos de Alek e Deryn se cruzam da forma mais inesperada, levando ambos a bordo do Leviatã em uma aventura fantástica ao redor do mundo. Uma aventura que irá mudar as vidas dos dois para sempre.
 Scott Westerfeld tem o dom de escrever sobre tudo, suas teorias são diferentes de tudo que vemos por ai no mundo literário e nunca me decepcionei com os seus livros.

 Em Leviatã, o autor criou uma releitura da Primeira Guerra Mundial no universo steampunk, onde as invenções modernas aparecem de modos diferentes e modificados em tempos antigos, como máquinas totalmente automatizadas 1914.

Resenha: Leviata, de Scott Westerfeld 11
 

 O assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono Austro-Hungaro foi à fagulha inicial para acender o pavio da primeira guerra mundial.

 Os personagens de Leviatã estão situados nesse período e estão divididos entre os Darvinistas Britânicos, que usam os animais “mutantes” como armas e os Makinistas , que como o próprio nome já diz, usam maquinas gigantes e modernas como armas.

– A sobrevivência do mais cruel era um traço que os cientistas não conseguiam erradicar das criações.

 Alek, jovem herdeiro Maknista do império austro-hungaro e após o assassinato de seus pais, embarca em uma jornada para fugir dos horrores da guerra. Deryn é uma Darvnista aventureira, seu sonho é se alistar no exercito e assim realizar todas suas fantasias e viver no universo masculino.

 A narrativa do livro alterna-se entre os dois personagens, dando uma visão ampla sobre o universo steampunk de Leviatã. O contraste entre os dois personagens é notável, e em certo ponto da estória como em toda guerra, ambas as histórias se cruzam dando um novo rumo à narrativa e desenvolvimento genial nessa estória que pela sinopse não tinha muito sentido, mas no decorrer do livro me acostumei com a ideia e queria viver no meio dos Darvinistas.

 Recentemente participei de uma palestra com o autor Scott Westerfeld, onde ele comentou sobre o processo criativo de Leviatã e como as ilustrações influenciaram no desenvolvimento da estória. Criar uma estória ilustrada da um tom mais “palpável” a história, tornando-a mais visual e com ação a todo o momento, pois se muitos capítulos descrevem o mesmo lugar, a ilustração seria a mesma.

Resenha: Leviata, de Scott Westerfeld 12

O livro é voltado para o publico jovem-adulto e além de ser um livro muito interessante, relata de certa forma todos os acontecimentos da Primeira Guerra Mundial. Se você gosta de Scott Westerfeld, história e de novas visões sobre o mundo, só tenho uma coisa a dizer: O que você está esperando para ler Leviatã?

 Confira o Book Trailer do livro:

 

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Resenha: Leviata, de Scott Westerfeld 13


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Resenhas

9 Comments

  1. Ai Gui esse livro é muuuuito bom, eu gostei bastante. Scott escreve suuuuper bem.

  2. Jesus que lindooo! Chorando 🙁 tô louca atrás desse livro, mas está muito caro. hunpf 🙁

  3. Nossa que livro lindo! vouu comprar com certeza hehehe =)

    My recent post Acredite em sí mesmo

  4. Muito boa sua resenha, e desde o lançamento eu estou querendo ler esse livro! Apesar de eu não gostar muita da capa, acredito que o conteúdo é maravilhoso. A história que junta a Primeira Guerra Mundial em um Steampunk é bem interessante, e acho que eu vou adorar a leitura!

  5. Parece legal 😉 Quero ler ele a resenha está ótima parabéns *_*

  6. Engraçado que eu nunca tinha ouvido falar ainda desse livro, mas a história parece bem interessante… e com ilustrações! perfeito deve ser a palavra certa… adoraria ler… Parabéns pela resenha ficou ótima

  7. Gostei da resenha to com vontade de ler ele ^^ que pena que não pude pegar o autografo do autor T.T
    queria ter conhecido ele

Leave a reply