Título: Leviatã – A Missão Secreta

Autor: Scott Westerfeld 
Editora: Galera Record
Resenha por: Guilherme Cepeda
É o começo da Primeira Guerra Mundial e todos os poderes europeus estão se armando. Os austro-húngaros e os alemães têm seus Clankers, máquinas de ferro movidas a vapor, carregadas com armas e munições. Os Darvinistas Britânicos empregam animais fabricados como suas armas. O seu Leviatã é uma baleia-nave aérea, o animal mais incrível da Frota Britânica. Aleksandar Ferdinand, príncipe do Império Austro-Húngaro, está fugindo. Seu próprio povo se virou contra ele. Seu título não vale nada. Tudo que ele tem é um Stormwalker destruído em batalha e uma equipe de homens leais. Deryn Sharp é uma pessoa comum, uma garota disfarçada de garota no Serviço Aéreo Britânico. Ela é um aeronauta perfeito. Mas seu segredo está em constante perigo de ser descoberto. Com a grande guerra iniciando, os caminhos de Alek e Deryn se cruzam da forma mais inesperada, levando ambos a bordo do Leviatã em uma aventura fantástica ao redor do mundo. Uma aventura que irá mudar as vidas dos dois para sempre.
 Scott Westerfeld tem o dom de escrever sobre tudo, suas teorias são diferentes de tudo que vemos por ai no mundo literário e nunca me decepcionei com os seus livros.

 Em Leviatã, o autor criou uma releitura da Primeira Guerra Mundial no universo steampunk, onde as invenções modernas aparecem de modos diferentes e modificados em tempos antigos, como máquinas totalmente automatizadas 1914.

 

 O assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono Austro-Hungaro foi à fagulha inicial para acender o pavio da primeira guerra mundial.

 Os personagens de Leviatã estão situados nesse período e estão divididos entre os Darvinistas Britânicos, que usam os animais “mutantes” como armas e os Makinistas , que como o próprio nome já diz, usam maquinas gigantes e modernas como armas.


– A sobrevivência do mais cruel era um traço que os cientistas não conseguiam erradicar das criações.

 Alek, jovem herdeiro Maknista do império austro-hungaro e após o assassinato de seus pais, embarca em uma jornada para fugir dos horrores da guerra. Deryn é uma Darvnista aventureira, seu sonho é se alistar no exercito e assim realizar todas suas fantasias e viver no universo masculino.

 A narrativa do livro alterna-se entre os dois personagens, dando uma visão ampla sobre o universo steampunk de Leviatã. O contraste entre os dois personagens é notável, e em certo ponto da estória como em toda guerra, ambas as histórias se cruzam dando um novo rumo à narrativa e desenvolvimento genial nessa estória que pela sinopse não tinha muito sentido, mas no decorrer do livro me acostumei com a ideia e queria viver no meio dos Darvinistas.

 Recentemente participei de uma palestra com o autor Scott Westerfeld, onde ele comentou sobre o processo criativo de Leviatã e como as ilustrações influenciaram no desenvolvimento da estória. Criar uma estória ilustrada da um tom mais “palpável” a história, tornando-a mais visual e com ação a todo o momento, pois se muitos capítulos descrevem o mesmo lugar, a ilustração seria a mesma.

O livro é voltado para o publico jovem-adulto e além de ser um livro muito interessante, relata de certa forma todos os acontecimentos da Primeira Guerra Mundial. Se você gosta de Scott Westerfeld, história e de novas visões sobre o mundo, só tenho uma coisa a dizer: O que você está esperando para ler Leviatã?

 Confira o Book Trailer do livro:

 


Deixe sua opinião aqui :)

No more articles