Resenha: Mastigando Humanos, de Santiago Nazarian. 13
Resenhas

Resenha: Mastigando Humanos, de Santiago Nazarian.

Olá leitores do Burn Book. Hoje trago uma resenha diferente, escrita pelo Nicholas Andueza, sobre o livro "Mastigando humanos", que é um romance hilário e apetitoso, em que contestação adolescente e ideais filosóficos fluem pela veia sarcástica e sofisticada de Nazarian.

Resenha: Mastigando Humanos, de Santiago Nazarian. 14

 

 

 Mastigando Humanos

 Autor: Santiago Nazaria
 Editora: Nova Fronteira
 Páginas: 219
 Ano de Edição: 2006
 Resenha por: Nicholas Andueza

 

 

 

 

Um jacaré falante é algo incomum. Mais incomum ainda é um jacaré que além de falante é escritor. E que tal um sapo beberrão e fumante que cheira cola junto a seu parceiro de boemia, um moleque de rua? É nessa linha “psicodélica” – como o autor coloca – que se desenvolve o romance “Mastigando Humanos” de Santiago Nazarian. No único capítulo do livro, um jacaré letrado e pensante constrói um tipo de autobiografia.

Logo no início da narrativa, o crocodiliano admite que, “como todos os jovens”, sempre quis provar o gosto pelos subterrâneos, e com isso justifica sua chegada aos esgotos de uma cidade qualquer. Saiu do seu habitat natural, abdicando das piranhas, das capivaras, de uma vida saudável e bucólica, para se aventurar até a metrópole, onde começa nova vida, à base de salgadinhos, yakissoba, jujubas e alguns humanos. Mas antes que se monte um cenário de terror, que fique claro: não é o caso. Trata-se de um interessantíssimo jacaré que discursa e reflete ironicamente sobre a vida ao mesmo tempo em que conta sua história.

Seu primeiro amigo na cidade foi um cachorro, o qual batizou de “Brás”. O cão, como era de se esperar (?), não falava. Muito menos lia. Latia. Não se tornou comida de jacaré, pois encontrou o réptil assim que este chegou, quando ainda estava enjoado com as condições do subterrâneo. Logo chegam mais personagens, como Vergueiro, o sapo boêmio, Santana um tonel de óleo, Voltaire, um lagostim francês e vários outros. Personagens envoltos em caos, sujeira e humor negro.

O livro produz, entre outras boas reflexões, uma divertida posição politicamente incorreta sobre a escola e o meio acadêmico. A crítica não é, no entanto, mais profunda do que a crise de identidade do nosso pensante jacaré – que chega a fazer faculdade. “Mastigando Humanos” é, sem dúvida, um livro suculento, bom de mastigar.

 

"Ao jovem que deseja escrever eu indicaria não olhar para os lados, nem mesmo para trás, a não ser para vislumbrar a própria sombra que possa ter sido produzida por um sol intenso que se coloca diante de seus olhos de forma a cegar seus passos futuros, queimar seu semblante, que pode ser tomado como um de preocupação, mas que estará revelado em todas as suas imprefeições e alegrias por um astro maior que, na realidade, não é nada além da mais absoluta vontade de viver, vencer e secar sobre uma terra onde faltam apenas suas lágrimas para germinar." – Sebastian Salto (pg. 181)

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Resenha: Mastigando Humanos, de Santiago Nazarian. 15


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Resenhas

8 Comments

  1. Olá, meu nome é Mari, tenho 15 anos.
    Peguei esse livro na biblioteca do Meeu Colégio ano passado.. O título me chamou atenção (diferente,rs. Comecei a lê-lo na msm tarde. No inicio até estava gostando.. Mas depois achei meio..hn, desisteressante.
    Abandonei o livro, com aproximadamente 150 pags lidas.
    Qndo fui devolvê-lo , a bibliotecária disse que já havia lido (nao totalmente ) e que não gostou tbm.. Enfim,nao curti mt. Mas valeu ^^

    1. Oi Mari, tudo bem?
      Acredito que esse livro seja meio "pesado", com muitos ideias ideais filosóficos o que acaba deixando a leitura dele monótoma. Tenta pegar um livro mais leve tipo Sussurro que você vai gostar \o\

      Obrigado pelo comentário

      Bjs

  2. Olá Gui!!!! 🙂
    Adorei o Burn Book, é muito bem elaborado!!
    A resenha está ótima!! Por incrível que pareça foi a única que encontrei na web!!! 🙁
    Gostaria de conhecer melhor vc e seu trabalho!! Beijossssssss
    Lourdes Melo.

  3. Oi td bem por favor vc pode postar o link desses dois livro q tenho q ler :
    Mastigando Humanos e É proibido comer a grama
    Por favor me ajudem !

  4. Preciso ler esse livro…
    ME AJUDEM

  5. Geral que vai fazer UEPB pedindo socorro… SOCORRO !

  6. Né isso,eu tbm quero!

  7. kkkkkkk , UEPB PEDINDO SOCORRO ! UHAHUSHAHSUASHSHASH

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.