Resenha: O Menino Que Via Demonios, de Carolyn Jess-Cooke 5
Resenhas

Resenha: O Menino Que Via Demonios, de Carolyn Jess-Cooke

meninoqueviademonios

 

 

Título: O Menino Que Via Demônios

Autor: Carolyn Jess-Cooke

Páginas: 384

Editora: Rocco

Tradutor: Geni Hirata

Compre pelo link

 

 

 

O Menino Que Via Demônios foi um livro que me deixou refletindo por um bom tempo, me envolvi na história de Alex de tal forma que levou a diversas pesquisas posteriores a leitura do livros sobre os “problemas psicológicos” que Carolyn Jess-Cooke retratou no garoto de apenas 10 anos que tinha um demônio como amigo imaginário.

“Meu nome é Alex e tenho dez anos de idade. Gosto de cebolas fritas com torradas e posso ver demônios. Meu melhor amigo, Ruen, é um deles. Minha mãe está muito doente e ele diz que pode ajudá-la se eu fizer algo por ele: matar uma pessoa!“

A capa não diz muito sobre o livro e ele é um daqueles que “eu não compraria pela capa”. Com detalhes preto e branco, e a escrita em um tom alaranjado, O Menino Que Via Demônios não transmite de primeira o verdadeiro conteúdo do livro, muito pelo contrário, passa longe disso.

Não sabia o que esperar do livro, mas encontrei um personagem de apenas 10 anos com seus próprios “demônios interiores”. Um garoto sensível e inocente que vive com a mãe na Irlanda do Norte. Após uma tentativa de suicídio de sua mãe, Alex é encaminhado para um psiquiatra infantil, Anya, que está acostumada com o “quadro” de Alex pois sofre com a esquizofrenia da própria filha. Ao longo do tratamento de Alex, a psiquiatra passa a questionar suas próprias certezas: será que ele é esquizofrênico ou ele é realmente capaz de ver demônios?

Anya é inteligente, sonhadora e acredita em suas crenças. Ela se envolve no mistério de Alex e faz diversas reflexões, levando o leitor afundo no caso do garoto e sua “amizade” com o Demônio. O tal demônio chama-se Ruen, ele aparece de diversas formas para o garoto e no começo está lá para estuda-lo.

Ruen quer que Alex mate alguém.

É o único jeito…

Talvez Alex não tenha valor algum e jamais seja alguém ou construa algo na vida…

A narrativa de Carolyn Jess-Cooke é detalhada e envolvente, alternando os pontos de vista entre Alex e Anya. Ambas narrativas são interessantes e sempre mostra o “outro lado da moeda”, colocando o leitor no universo do garoto e enquanto na narrativa de Anya, suas reflexões e palpites a respeito do caso de Alex.

Um ponto que me chamou a atenção em O Menino Que Via Demônios, foi a pesquisa que a autora fez para escrever sobre o assunto, envolvendo psicologia infantil, e um pouco da mitologia da Irlanda do Norte, juntamente com crenças e assuntos relacionados a Ruen e outros demônios.

o-menino-que-via-demonios

Compre o seu exemplar de O Menino Que Via Demônios pelo link

O Menino Que Via Demônios é um livro que faz o leitor pensar, em alguns momentos você vai derrubar lágrimas e em outros sorrir com a leveza e proza da narrativa de Carolyn. Recomendo para os leitores que estão em busca de um livro diferente e para aqueles que tiveram um amigo imaginário quando crianças. 

Não deixe de curtir a Fanpage e seguir a Rocco no Twitter. 

 

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Resenha: O Menino Que Via Demonios, de Carolyn Jess-Cooke 6


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Resenhas

2 Comments

  1. Uau, esse livro parece ser super interessante! Gostei da resenha. Qual a faixa de preço dele? E amei a capa!

    @mmundodetinta
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    1. Oi Clara, é muito bom mesmo 🙂

      Tem o link na imagem para comprar o livro, mas varia em R$ 30 normalmente, ok?

      Obrigado pelo comentário

      Bjs

      G

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.