O Vale dos Anjos – O Torneio dos Céus – Parte 1
Série:
O Vale dos Anjos
Autor: Leandro Schulai
Páginas: 416
Editora: Novos Talentos da Literatura Brasileira

 
 
 
 
 
 
 
 
 

Olá Leitores do Burn Book.

O Post a seguir é sobre o livro O Vale dos Anjos do autor Leandro Schulai. Mas dessa vez vou fazer uma resenha diferente, pois Eu e a Carol da Equipe do Burn Book lemos o Vale dos Anjos ao mesmo tempo, e vamos postar duas visões sobre o Vale dos Anjos.

A idéia inicial era essa, e como sugestão do autor, vamos postar 2 resenhas. A Primeira resenha é sem Spoilers pra você que ainda não leu o livro,  e outra com Spoilers para quem já leu o Vale dos Anjos.

Resenha por : Guilherme Cepeda

 

A muito tempo estava querendo ler este livro, e depois de fazer parceria com o autor Leandro Schulai, finalmente tive a oportunidade de ler o mesmo.

Fiquei sabendo do lançamento na mesma época que saiu o “Hush Hush” e cheguei até a mandar um twitt para o autor perguntando do que se tratava a historia, e o mesmo me garantiu que era totalmente diferente, e completou dizendo que o livro era mais antigo, e nada a ver com a temática de Hush Hush.

Foi o primeiro livro nacional que eu li e não me decepcionei com a obra de Leandro Schulai. O Autor criou uma temática totalmente diferente de qualquer historia sobre anjos que eu já tinha lido, fugiu totalmente dessa onda de romances sobrenaturais com vampiros, anjos caídos, arcanjos entre outros e muito pelo contrario, criou uma visão do “paraíso” diferente do normal, com toda Hierarquia cuidadosamente elaborada, com anjos deuses, anjos guias de enterro, cupidos, anjos semideuses, anjos protetores entre outros.

A Historia conta a trajetória do jovem Dimitris Saloustros, que teve uma morte precoce e deixou uma promessa à sua amada. Ele parte então em busca do desconhecido Vale dos Anjos, local onde se encontram as maravilhas do Paraíso e o medo e apreensão das oito prisões, em busca de cumprir o seu feito. Dimitris é determinado, e não leva desaforos para casa. Fala o que pensa para tudo e todos, pois a sinceridade e a coragem são uma de suas marcas registradas.

Chegando no paraíso, ele recebe ajuda de Obelisco (um anjo-guia-de-enterro), cujo humor o ajuda nos momentos difíceis, e no decorrer do livro, conhece Anne ( um anjo cúpido), cuja beleza é incomparável. Depois de algum tempo no paraíso, Dimitris não passa despercebido, e logo fica sabendo do “Torneio dos Céus” onde o vencedor se tonaria um “Anjo Semideus” que tem poderes acima da imaginação de qualquer ser humano, só perdendo para o poder supremo dos Anjos Deuses. Com os conselhos e ajuda de seus amigos, ele é levado ao misterioso mestre Ramirez para receber treinamento para o torneio dos Céus.

Dimitris parte em uma jornada recheada de grandes belezas, pessoas marcantes e mistérios que o farão perceber que nada é por acaso e que sua estadia nesse misterioso lugar já era aguardada a muito tempo.

Usei partes da sinopse para compor a descrição dos personagens, assim evito dar mais spoilers sobre o livro. A Narrativa não deixa nada a desejar por ser um livro nacional, nem o enredo da historia com ambientes que aguçam a imaginação do leitor. A linguagem usada pelo autor no livro é simples e direta, podendo assim ser compreendida por crianças e adultos da mesma forma.

O Vale dos anjos parte do principio de “Existe vida após a morte?”, com inspirações claras na banda Linkin Park, quem é fã vai logo perceber que o autor usou e abusou dos ideais da banda ( a qual eu sou fã e logo percebi a ligação) com o desenvolver da história. Dimitris deixa a imagem de “ o escolhido” assim como Neo (The Matrix) tudo é muito fácil para ele. Dimitris não vê barreiras em seu caminho, e isso pode incomodar alguns leitores, mas nada o que possa estragar a leitura.

A Capa do livro é muito bonita, a história bem pensada, e o desfecho, bem, deixa você refletindo um bom tempo e tentar chegar a uma conclusão do que vem pela frente. Minha dica é quando você chegar no epílogo, volte para o prólogo do livro e tente não surtar, pois a continuação de o Vale dos Anjos já está para sair.

Resenha por : Carol Parente

Já comentei em um dos meus posts na minha coluna semanal, e algumas pessoas devem saber também, que sempre tive preconceito com os livros atuais, e principalmente, os brasileiros. 

Não que eu não goste da literatura brasileira, claro. Mas pra mim, um pensamento relativamente ultrapassado, a literatura brasileira havia morrido juntamente com Machado de Assis, e eu lia livros que se estendiam até o Realismo/Naturalismo apenas.

Depois de conhecer o autor Leandro Schulai juntamente com os outros integrantes do Blog no Anime Dreams, decidi fugir à minha regra, e ler O Vale dos anjos.

Como comentado, farei a resenha com os Spoilers. Como o Gui já resenhou o começo do livro, vou falar sobre o final, e expor minha opinião pessoal.

Desde o início do livro, assim que morre, e é levado ao paraíso, Dimitris tenta desesperadamente encontrar maneiras de se comunicar com sua esposa, Mariah. E seu maior e único objetivo é voltar à vida para viver em paz com sua amada. Como isso contraria todas as leis e regras existentes, Dimitris decide realizar seu plano em segredo, só o revelando para alguns amigos.

Quando encontra sua real chance de alcançar seu objetivo, voltar à vida, Dimitris se empenha de todas as maneiras possíveis. Já que o Torneio dos Céus, torneio que premia um ganhador com os poderes de um Anjo Semi-Deus, é capaz de fazer com que ele possa viver com Mariah novamente.

Para ganhar habilidades e vencer o torneio, Dimitris treina arduamente suas qualidades físicas, e treina mais ainda para despertar um lado que ele não sabia sequer que poderia existir, a magia(ou energia angelical como é chamada no livro). Supervisionado por seu mestre Ramirez, que também treina outro pupilo, Brian, Dimitris descobre que tem habilidades invejáveis, e um poder inimaginável.

Quando se inicia o torneio, Dimitris vence seus adversários sabiamente. Nem sempre utilizando apenas de seu poder, mas de seu incrível poder de persuasão, e seu bom coração. E algo logo chama a atenção de todos, Dimitris além de possuir um poder incrível, é capaz de manipular mais de um elemento (quando são despertados para o poder, cada pessoa pertence a um elemento, que é coerente com um dos anjos-Deuses existentes, os poderes têm ligação com a natureza, vento, terra, amor, etc. Dimitris possui o dom do vento) além de seu próprio.

Tal fato faz com que Dimitris acabe se tornando o favorito para o torneio, no entando, a aparição de um misterioso competidor, um fugitivo das 8 prisões, acaba mudando todo o curso da história.

O Vale dos anjos possui continuação, ainda não publicada, que promete responder às muitas perguntas deixadas em seu primeiro volume.

Minha opinião sobre o livro, é que, mesmo não tendo muito contato com a literatura brasileira, a história foi muito bem escrita, e acabou superando minhas expectativas (que admito, não eram muito boas). Apenas pequenas coisas acabaram me irritando, e pra mim, prejudicando todo o resto.

Tudo é muito previsível na história. Dimitris e Mariah são o casal perfeito. Observem a passagem do livro: “Mariah era uma bela mulher, tinha cabelos castanhos encaracolados, e que possuíam um brilho extraordinário, além, é claro, dos belos olhos verdes, característica que a deixava ainda mais atraente. Dimitris não deixava por menos: tinha cabelos loiros e um pouco compridos, quase na altura dos ombros, e olhos azuis.” Acho que o fato de não encontrarmos pessoas assim nas ruas todos os dias, acaba afastando um pouco o leitor real do livro. Tudo bem que é uma história de ficção, mas até Bella e Edward possuem imperfeições, ela por exemplo é magricela, chata e sem sal, e ele brilha.

Brincadeiras à parte, não sei se minha paixão por livros românticos acabou me deixando assim, mas sempre espero que algo inusitado acabe acontecendo no decorrer da história. O que, em minha opinião, não aconteceu em O Vale dos Anjos. Desde o início já era possível perceber que Dimitris era especial, ao longo da história, percebemos também que algo aconteceria. Nenhuma novidade absurda.

Além da previsibilidade e da perfeição dos personagens, o motivo principal da história acabou não me convencendo muito. Os primeiros capítulos do livro, não foram capazes de demonstrar o grande amor e a grande ligação entre Dimitris e Mariah, amor este, que mais pra frente faria com que o personagem principal lutasse arduamente para voltar à vida.

Um último detalhe ínfimo mas que, já que eu falei tanto, vou continuar, foi a capa. Tudo bem que eles são anjos e tal, mas se eles não possuem asas, o por quê daquela capa?

Só esclarecendo, foi pura curiosidade, eu adorei a capa e continuo mantendo minha filosofia de ‘Não julgue um livro pela sua capa’.

Mais uma vez, afirmo que o livro não é ruim, apenas deixou algumas coisas em aberto. Não sou nenhuma profissional, muito menos qualificada para criticar livros de ficção, minha especialidade são os romances, esta foi apenas minha crítica pessoal. Digo ainda, que estou ansiosa pela continuação do livro.

 

Para mais informações, acesse o site do Autor

Outras Capas:

Recentemente, o Autor revelou em seu site como seria a capa de O Vale dos Anjos se a outra opção fosse a escolhida.

 

Sobre o Autor: 
 
Levado pelo amor à literatura e pela vontade de criar seu livro, Leandro enfrentou os desafios da adolescência e encerrou seu primeiro trabalho como escritor.
 
A obra com previsão de 6 volumes é uma realização de um sonho que acaba de se concretizar e agora tornou-se seu primeiro passo na sua jornada literária.Leandro Schulai nasceu em 1986 em São Paulo / SP onde reside até hoje. Formado em Processamento de Dados, começou a escrever O Vale dos Anjos bem cedo, ao 16 anos.

 

 

 

 

 

Deixe sua opinião aqui :)