Resenha: Orador dos Mortos, Orson Scott Card 16

Resenha: Orador dos Mortos, Orson Scott Card


A continuação de Ender’s Game completa as ideias filosóficas do primeiro volume.

O Orado dos Mortos é a continuação oficial de O Jogo do Exterminador, mas ao mesmo tempo é um livro completamente diferente. O próprio autor Orson Scott Card disse uma vez que Ender’s Game era para dar uma base ao seu personagem Ender Wiggin para os próximos livros da série. Enquanto o primeiro conta com grandes batalhas, esse segundo prefere focar inteiramente na natureza humana



Isso pode ser um tanto decepcionante para os fãs do primeiro livro que esperavam encontrar as mesmas cenas de luta. Eu, por exemplo, demorei um pouco para me entregar a história. Eu estava esperando aquele mesmo ritmo rápido e intenso que me fez me apaixonar pela história de Ender, ao invés disso, fui entregue a um ambiente inóspito em que a viagem espacial levou os humanos a outros mundo e novas colônias foram erguidas pela galáxia.

Ender e sua irmã Valentine conseguiram se manter vivos durante todo esse processo de descobertas da raça humana viajando na velocidade da luz. Três mil anos se passaram desde que destruiu os abelhudos, mas ele só tem trinta anos, a religião que criou se tornando o primeiro que Fala Pelos Mortos tomou todos os cem mundos e sua missão para encontrar um lar para a Rainha da Colmeia ainda não acabou. Na verdade é essa nova religião que Ender criou que movimenta a história. A dor de uma jovem menina, Novinha, o atrai para uma pequena colônia brasileira, onde ele terá que desvendar os mistérios que envolvem três mortos e a estranha raça alienígena que a humanidade descobriu depois do genocídio da última. Será esse o lugar em que Ender poderia completar sua missão e trazer os abelhudos de volta a vida?  

Os elementos humanos da história são muito bem trabalhados, trazendo boas ideias sobre o respeito e a aceitação de culturas diferentes. Todas essas ideias estão em cada gestos dos personagens e uma decisão pode causar uma cadeia de eventos que acabam se relacionando aos Pequeninos, a raça alienígena que se assemelha a porquinhos. 

Foi interessante ver como Ender cresceu e se tornou um jovem sábio, ainda a procura de seu próprio lugar no mundo. O livro em si poderia ser de um missionário indo para uma terra estrangeira e mudando as vidas das pessoas. Quando ele acabou orando para os mortos no final da história você podia sentir todo um vestígio espiritual que fez as pessoas aceitarem as verdades ocultas e seguirem em frente.

O final deixou espaço para trazer de volta o combate. Não que toda essa atmosfera filosófica não tenha sido boa, mas sinto um pouco a falta do clima da Escola de Combate. Seria bor ver os dois juntos, mas não reclamaria se os próximos seguirem esse caminho mais profundo, tocando bem no fundo do que nos faz quem nós somos.

Acho que a única reclamação mesmo que eu tenho com o livro é a diagramação. A editora acabou deixando uns bons detalhes passar. 

 

 

Capa
70
Enredo
90
Narrativa
80
Personagens
85
Nota dos Leitores:0 Votes
0
81


Resenha: Orador dos Mortos, Orson Scott Card 17

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Leia Mais
Resenha: Orador dos Mortos, Orson Scott Card 25
Resenha: A Sombra da Serpente, de Rick Riordan