Título Original: Radiance
Editora: Intrínseca
Ano: 2011
Páginas: 184
Tradução: Flávia Souto Maior
Resenha Por: Gabriel M. Souza

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
Algum tempo após o acidente de carro que a matou, Riley Bloom deixou sua irmã, Ever, no mundo que conhecemos e atravessou a ponte da vida após a morte até um lugar chamado Aqui, onde o tempo é sempre Agora. Riley reencontrou os pais, também vítimas do desastre, e Buttercup, o cão da família. Todos estavam se adaptando a uma morte boa e tranquila, até que ela foi chamada perante o Conselho e um segredo lhe foi revelado: a pós-vida não significa simplesmente uma eternidade de lazer. Riley tem tarefas a realizar. Ela é designada como Apanhadora de Almas, e Bodhi, um garoto diferente, que ela não consegue decifrar muito bem, é seu guia. Riley, Bodhi e Buttercup voltam à Terra para sua primeira tarefa: fazer o Garoto Radiante, que há anos assombra um castelo na Inglaterra, atravessar a ponte. Muitos Apanhadores de Almas já tentaram convencê-lo e não obtiveram sucesso.

Radiante é o primeiro de quatro livros da série Riley Bloom, spin-off de Os Imortais. Quando eu vi o livro pela primeira vez, ano passado na livraria, fiquei com o pé atrás para ler por causa da autora – não gosto muito de Os Imortais. Mas decidi começar a ler mesmo assim, porque precisava praticar um pouco o meu inglês e preciso admitir que o livro realmente me surpreendeu. Li metade dele ainda na livraria, mas como não tinha dinheiro para comprá-lo, deixei o exemplar lá e nunca mais vi outro, até que foi postado no twitter da Intrínseca que eles finalmente lançariam o livro aqui no Brasil. Lógico que não pude deixar de ler e com este livro, bati meu recorde, lendo-o em menos de quatro horas! E, acho que posso dizer, que me tornei fã das aventuras de Riley Bloom.

Não é um livro grande, a narrativa é simples – é narrado por uma menina de doze anos recém-chegada ao pós-vida –, e tudo o que há nele chama a atenção, desde a capa simples que nos passa uma sensação de tranquilidade, até a narrativa, a tradução e a diagramação. Necessito parabenizar a editora pelo trabalho com este, pois realmente ficou impecável.


Alyson Noël mantém os fãs (e até mesmo quem não é fã) de Os Imortais presos ao livro do início ao fim, e apesar de não ser uma história cheia de ação, a mensagem que o livro nos trás é realmente de tocar a alma, nos faz refletir um pouco sobre a vida e a morte, sobre nossas ações aqui na Terra, etc. Riley é mandada à um Conselho formado por anjos e pessoas um pouco “abaixo” dessa classificação e a tornam uma Apanhadora de Almas – isto é, ela tem que convencer algumas almas que perambulam pela Terra a atravessar a ponte até o pós-vida. Fica claro que esta é uma lição que a própria Riley precisa aprender, já que está bem expresso desde o início do livro que ela não está se adaptando à sua nova situação.

Também temos nesta história o cara de bobã… err… quero dizer, Bohdi, o guia de Riley que deverá ensiná-la sua nova profissão. E Buttercup, o cão mais fofo da “outra vida” que assume a função de companheiro de Riley – exceto em algumas horas, que só lendo o livro para entender este detalhe. Juntos, os três partem em uma missão de fazer o Garoto Radiante atravessar a ponte, sendo o segundo ponto mais alto do livro, pois fala-nos sobre superação, deixar de lado os egoísmos e seguir em frente. E depois disso, vem a melhor parte da história, a qual não irei falar só para promover a leitura – mas fique a dica que Bohdi e Riley são personagens mais marcantes do que Damen e Ever.

» Siga o Burn Book no Facebook Instagram e no Twitter e receba todas novidades dos livros, filmes e séries! «

Por fim, mas não menos importante, há um trecho neste livro que achei muito interessante, que fala sobre a esperança. No mesmo instante em que li isto, pensei imediatamente na história da Caixa de Pandora, onde todos os demônios da humanidade foram libertados, restando para nós apenas a esperança. Não fica muito claro se foi uma sacada da autora, mas posso garantir que é a parte mais tocante do livro, e faz com que os leitores se aproximem ainda mais das personagens e da história em si.

 

A Maioria das pessoas acha que a morte é o fim. 
O fim da vida – dos bons tempos -, o fim de… bem, praticamente tudo.
Mas essas pessoas estão enganadas. 
Completamente enganadas.
Eu sei muito bem disso. Faz quase um ano que eu morri.
 
Capas de ShimmerDreamland.
 

 

Deixe sua opinião aqui :)

Sem mais artigos