Resenha: Silo (Wool #1), de Hugh Howey | #SemanaSilo 15
Resenhas

Resenha: Silo (Wool #1), de Hugh Howey | #SemanaSilo

Capa-Silo (1)

 

 

 

Título: Silo (Wool #1)

Autor: Hugh Howey 
Editora: Intrínseca 
Páginas: 511 
Classificação: 4/5  estrelas

 

 

 

 

O que você faria se o mundo lá fora fosse fatal, se o ar que respira pudesse matá-lo?

E se, vivesse confinado em um lugar em que cada nascimento precisa ser precedido por uma morte, e uma escolha errada pode significar o fim de toda a humanidade?

ESSA É A HISTÓRIA DE JULIETTE

ESSE É O MUNDO DO SILO

Silo é um livro diferente, tenso e faz o leitor pensar. Hugh Howey coloca os leitores no meio uma distopia, onde ao invés de as pessoas viverem cercadas por um muro, estão confinadas em um gigantesco silo subterrâneo.

A sociedade que vive dentro do “Silo” é regida por muitas regras, mentiras e regulamentos extremamente rigorosos. Qualquer passo em falso pode significar a morte, mas, como em toda distopia, sempre tem um grupo que se recusa a seguir o “regime” e começa a questionar a sociedade em questão. 

“Expressar qualquer desejo de sair. É. A maior de todas as transgressões. Você não vê por quê? Por que isso é tão proibido? É porque todas as revoltas começaram com esse desejo, é por isso.”

Após cometer um ato que é considerado um crime gravíssimo, Juliette é levada para fora do Silo, e começa a se perguntar até onde ela sabe sobre o mundo que acreditava ser verdade, ou melhor, o que os outros querem que ela acredite que seja verdade.

A narrativa de Hugh Howey é peculiar, no começo me incomodou um pouco, mas depois me acostumei com a maneira que ele conduz a história, o livro fluiu mais facilmente.

Os personagens são bem desenvolvidos, em especial Juliette, que se mostrou uma personagem diferente, que foge dos padrões de heroína das distopias e com os toques especiais de Hugh Howey, tornou-se uma protagonista de peso para a série.

A maneira como o autor descreve o Silo é impressionante, consegui visualizar as cenas e os ambientes que a protagonista passava e isso tornou a leitura mais interessante, já que estamos falando de um mundo “pós-apocalíptico”.

Apesar de Silo ser uma trilogia, o autor conseguiu fazer uma boa introdução no primeiro volume e deixou algumas pontas soltas para serem resolvidas nos próximos livros e assim apresentar um pouco mais do universo da série. 

Recomendo para os leitores que gostam de distopias diferentes, com um clima de tensão a cada virar de página.

SeloSilo (1)

Confira o booktrailer do livro:

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Resenha: Silo (Wool #1), de Hugh Howey | #SemanaSilo 16


O que você achou desse Post?

LOL
0
GOSTEI
0
AMEI
0
CONFUSO
0
Engraçado
0
Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Resenhas

Leave a reply