Resenha: Vortex, Julie Cross

Depois da tempestade não haverá calmaria.

Vortex é a segunda parte da jornada de Jackson Meyer no mundo dos viajantes do tempo. O primeiro livro dividiu muitos de opinião. Alguns gostaram, outros não e teve aqueles que não curtiram nem um pouco o final. Mas aquela foi a primeira parte do mistério. Jackson estava apenas descobrindo o potencial de seus poderes e agora as coisas tomam um rumo completamente louco.


O livro continua de onde Tempest parou, com Jackson se unindo a divisão da CIA que luta contra os Inimigos do Tempo. O garoto acaba por se desenvolver mais rápido do que seus colegas poderiam imaginar. Ao mesmo tempo que tenta desvendar seus inimigos, ele não consegue deixar de pensar em Holly, a garota que deixou para trás. Mas seus destinos podem estar mais ligados do que ele pensa quando uma nova organização surgi.

Essa segunda parte acabou sendo melhor que a primeira. É meio estranho dizer isso, porque geralmente é o contrário. As revelações que o autor nos mostra nos próximos livros quase nunca consegue ser tão bom quanto o gostinho dos mistérios que ele criou no primeiro.

Vortex é ação do começo ao fim, o livro se desenrola de uma maneira tão rápida que você vai passando pelas páginas sem perceber. O primeiro teve esse ritmo rápido, mas aqui a ação acabou se sobrepondo ao romance. Não que o romance acabou sendo esquecido. Jackson ainda sofria por sua preciosa Holly, mas não havia muito o que ele podia fazer a não ser se jogar no mundo da espionagem e como foi divertido vê-lo lutando ao lado de seus pai e o resto dos membros de equipe.

Talvez a ação do livro acabou tomando uma parte tão importante, junto com os mistérios que a autora aprofundou, que você meio que não liga muito para o romance. Não sei o que muitos pensavam da Holly no primeiro livro. Eu meio que não ligava muito para ela. Até metade de Vortex eu queria que Jackson se esquecesse dela e fosse apenas “o agente”. Sabe, no estilo 007. Uns flertes aqui. Uns beijos lá. Mas no final, ele só tinha em mente os mistérios a serem desvendados. E como eles estavam presentes. Jackson foi de um lado para o outro e certas revelações me deixaram de queixo caído.

Pelo menos a autora soube como usar Holly de um jeito surpreendente. E claro, o livro teve umas partes que eu achei um pouco estranhas, como o fato dos membros da equipe serem muito jovens e você precisar ter o primeiro livro bem fresco na memória para não ficar confuso. Mais de uma vez eu tive que parar a leitura para me lembrar de algo de Tempest.

Felizmente, certos personagens foram mais aprofundados, e aquele final… A Tempestade ameaça destruir a todos.

Capa
75
Enredo
80
Narrativa
80
Personagens
75
Reader Rating0 Votes
0
78

Leia Mais
Especial: Hazel, em A Culpa e das Estrelas