Resenha:Tequila Vermelha, de Rick Riordan 6
Resenhas

Resenha:Tequila Vermelha, de Rick Riordan

Resenha:Tequila Vermelha, de Rick Riordan 7
 
 
 
 
 
Tequila Vermelha
Autor: Rick Riordan
Editora: Record
ISBN:  8501091553
Categoria: Romance
Edição: 1ª Ed. 2011
Número de páginas: 432
Resenha por: Mari
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Nunca se aproxime de uma coisa morta até que ela esteja fria como o chão. Nunca.” 
 

Esse foi o conselho que Jackson Navarre deu a seu filho Jackson “Tres” Navarre durante um sonho. Tres sonhava que estava caçando com o pai no rancho da família em Sabinal.

O sonho poderia ter acontecido dez anos antes, pois foi exatamente isso que Tres fez, seguiu o conselho do pai e afastou-se do corpo enquanto ainda estava quente.

Com a morte de seu pai, o jovem Navarre decide ir embora da pequena San Antonio para a grande San Francisco. Mas todo corpo enterrado sem um assassino como culpado volta para “assombrar”. É assim que Tres, atormentado pela morte do pai, e encorajado pelo contato com a ex-namorada do ensino médio, Lillian Cambridge, decide voltar para a cidade natal. Dez anos seriam suficientes para poder se aproximar de alguma coisa morta que já deveria estar fria como o chão. Deveria…
 
Ao voltar para cidade em busca de seu grande amor, Tres começa sofrer ameaças, alguém não quer que o filho do ex-xerife Navarre revire o passado. Mas Tres, agora um detetive particular sem licença, está determinado, cansou de fugir do passado. Alguém assassinou seu pai, e mesmo que tantos anos tenham se passado e o FBI não tenha conseguido descobrir os culpados, ele está disposto a saber quem foi e por que.

Obstinado, começa a procurar na pequena cidade por amigos de seu falecido pai e por seus próprios amigos da época de escola para que o ajudem a desvendar o caso. Mas o policial Jay, que sempre bateu de frente com o pai de Tres, está disposto a dificultar a vida do rapaz. 

Em meio a reencontros com o passado, descobertas acontecem, e com elas, mais ameaças, logo depois um seqüestro. Lillian desaparece misteriosamente. A família Cambridge, encorajada pela família do ex-noivo da moça, resolve não prestar queixa, afinal, famílias ricas e importantes não querem ser envolvidas em escândalos nas páginas dos jornais.
Enquanto Tres decide que vai encontrar a amada a qualquer preço, revelações sobre a morte de seu pai começam a surgir. Poderia o crime de dez anos atrás estar ligado ao seqüestro de Lillian? Quem haveria de querer espantar o rapaz para longe da cidade novamente e por quê?
 
Corpos começam a aparecer, e dessa vez, Tres não tem como ir embora. Já está envolvido no caso. O passado já está revirado e refletindo no presente, não há como esperar corpos esfriarem, mas “as pulgas, os carrapatos, os bichos-de-pé, e todo tipo de parasita que habite o animal, procuram o corpo quente mais próximo para onde pular.” (p.123). Bem, o jovem Navarre é esse corpo, agora ele terá que desmascarar os parasitas da cidade para poder sobreviver.
 
TEQUILA VERMELHA é um romance policial que esconde segredos, sujeira política, corrupção, chantagem e um passado. Um passado sujo de muitos personagens. É o primeiro romance, de uma série de livros, protagonizado por Jackson Tres Navarre. Jackson é um detetive sem licença, filho de pais divorciados, com um meio-irmão chapado e tem como fiel companheiro Robert Johnson, seu gato exigente, intolerante, mimado e temperamental (como são todos os gatos). 
 
Um livro policial totalmente diferente. Esqueça um detetive metódico que dá pistas durante o livro, esqueça aquilo de ficar tentando adivinhar os culpados e os porquês. Não que não tenha como fazer isso, mas Jackson conta sua história de forma tão envolvente que acabamos por não perder tempo tentando adivinhar as revelações que vão surgir. Tres não é um detetive frio que vive de fatos e descobertas, pelo contrário, o personagem se expõe, se abre completamente ao leitor. Fala de suas habilidades, fraquezas, angústias, seus medos, desejos, suas dúvidas, expõe seu humor ácido e seu sarcasmo ferrenho. Não tenta fazer o papel de mocinho, não tenta ser o melhor, o que ele quer é passar a história que transformou e atormentou os últimos dez anos de sua vida.
 
E já que o assunto é esquecer, esqueça o Rick Riordan que escreve para o público infanto-juvenil. Com TEQUILA VERMELHA é possível perceber como Rick é grandioso, um camaleão. A narrativa é completamente diferente, a escolha das palavras, o enredo, a forma de contar, descrições de personagens e paisagens… É impressionante a habilidade do autor com as palavras para escrever para dois públicos tão distintos. Muitos autores quando desejam mudar de público acabam criando pseudônimos, Rick não precisou utilizar desse subterfúgio, conseguiu, com nome próprio, construir uma história completamente diferente com um personagem-detetive que foge aos padrões. Em comum, esses dois Ricks possuem duas coisas: o nome, e a ação que envolve seus enredos.
 
Originalmente no blog S2 Ler da Mari 
 

Conheça Tres Navarre
Ávido bebedor de Tequila,

Mestre de Tai Chi,
Detetive particular sem licença 
e com uma queda por problemas do tamanho do Texas.

 

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Resenha:Tequila Vermelha, de Rick Riordan 8


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Resenhas

5 Comments

  1. Hello! I basically want to make a enormous thumbs up with the amazing information you

  2. gosto do rcik riordan *-*
    mais essa capa fico muito feia rsrs xP

    bjos ;**

  3. Já vi esse livro várias vezes para comprar por 9,90 na livraria. A capa não me atraiu e nem reparei o nome do autor ou na sinopse.. me deparei com essa resenha aqui no blog e resolvi dar uma lida e fiquei curiosa para lê-lo. Se o encontrar de novo, irei levá-lo.
    My recent post Dia dos Namorados

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.