Especial: Caixa preta, de Jennifer Egan. 17
Sem categoria

Especial: Caixa preta, de Jennifer Egan.

Matéria publicada pela Editora Intrínseca

Especial: Caixa preta, de Jennifer Egan. 18Instigada pelas possibilidades de uso criativo do Twitter, Jennifer Egan escreveu o conto Caixa preta, veiculado originalmente no perfil da revista norte-americana New Yorker, de 24 de maio a 2 de junho. Posteriormente, a obra foi publicada na edição especial de ficção científica da revista, lançada em 4 de junho deste ano.

Com tradução de Juliana Romeiro e capa de Rafael Coutinho, o conto de Egan será reproduzido diariamente pelo perfil da Intrínseca (twitter.com/intrinseca) entre os dias 20 e 30 de agosto, das 22h às 23h, e comercializado em e-book a partir de 31 de agosto. 

Jennifer Egan é vencedora dos principais prêmios literários norte-americanos de 2011, entre eles o Pulitzer de Ficção, por A visita cruel do tempo, publicado pela Intrínseca em janeiro deste ano.

O que inspirou Jennifer Egan a estruturar Caixa preta em tuítes? *

Vários dos meus antigos interesses no campo da ficção convergiram para que eu escrevesse Caixa preta. Um deles envolve a prosa em formato de listas, histórias que parecem contadas inadvertidamente, como notas de um narrador para si mesmo. Tanto que o título provisório para o conto era “Lições aprendidas” e minha intenção era escrever uma história que tomasse forma a partir das lições depreendidas pelo narrador a cada passo da ação, em vez de ser apresentado pelas descrições do fato em si. Outro intento muito antigo era pegar um personagem de uma história realista e transportá-lo para um gênero diferente. David Wiesner foi o primeiro a incutir essa ideia em minha cabeça com a sua espetacular metaficção ilustrada “The Three Pigs”, na qual os três porcos se movem pelos desenhos e, a cada estilo de cenário em que eles entram, suas representações vão se transformando radicalmente. Imaginei se poderia fazer algo análogo com um personagem do meu romance A visita cruel do tempo: criar uma versão em quadrinhos daquele indivíduo, por exemplo — ou nesse caso, uma versão que fosse um thriller de espionagem. Também pensei em como seria escrever uma obra de ficção cuja estrutura permitisse a serialização no Twitter. Não se trata de uma ideia nova, claro, mas é algo muito rico — tanto por causa da peculiaridade de alcançar as pessoas em seus celulares como pela estranha poesia que pode acontecer em cento e quarenta caracteres. Comecei a imaginar uma série concisa de despachos mentais de uma espiã do futuro trabalhando disfarçada no Mediterrâneo. Escrevi essas anotações à mão em um caderno japonês com oito retângulos em cada página. O conto tinha originalmente o dobro do tamanho atual; levei cerca de um ano, intermitentemente, para trabalhar e ajustar o material que agora é o Caixa preta.

*depoimento dado ao Blog da revista The New Yorker.

Texto original

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Especial: Caixa preta, de Jennifer Egan. 19


O que você achou desse Post?

LOL
0
GOSTEI
0
AMEI
0
CONFUSO
0
Engraçado
0
Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Sem categoria

1 Comment

  1. Gente, como assim? Ela foi original em escreve-lo pelo twitter,mas achei muito complicado esse pensamento dela.

Leave a reply