Há exatos 10 anos e 22 dias às 17 horas, um garoto com seus 12 anos, entra na sala do cinema pra ver o seu herói na tela. Aquele que ele aprendeu a gostar graças ao seu primo, o cara mais viciado que ele já conheceu. O Garoto que adorava fotografia (e ainda adora) assim como seu herói, um garoto que passou por todos os anseios do colegial, como seu herói, e que como muitos outros garotos um dia desejaram ser “O Homem Aranha.

Jamais vou esquecer como sai ao término da sessão, cantando o refrão de “Hero” (era a única parte da musica que eu sabia) e maravilhado em ver meu super herói favorito representado na tela. Não preciso dizer que na produção das seqüências, eu segui e acompanhei cada conteúdo ao qual a benção da internet me dava acesso. Cheguei ao ponto de saber os dias que o Tobey/Peter queria filmar (sim, em determinado momento da carreira, ele chegou a escolher os dias que queria gravar. Ok.)

Enfim, veio o segundo filme (o meu preferido da trilogia) e o qual vi 10 vezes no cinema, e que rendeu ao meu pai a alcunha de Dr. Octopus por vários meses pela semelhança do seu nome.

Veio o 3º filme e bem… Todos odeiam e apedrejam o 3º filme, eu serei menos maldoso, direi apenas que ele é o mais fraco da trilogia. Embora tenha sido um show de efeitos especiais, com uma fotografia muito, muito foda, isso é inegável. Dei minhas “profetadas”, antes da sessão de meia noite na pré estréia, e acertei praticamente todas, o filme foi previsível, eu já tinha acompanhado toda a produção, então estava totalmente à par do que poderia, e iria acontecer. Ok, End. Harry Osborn morre. (Fiquei revoltado com isso).

Passaram-se os anos, pôsteres, DVDs e blurays do filme devidamente alocados na coleção. E a noticia na internet faz os fãs surtarem: Homem Aranha vai passar por um Reboot. Palavrões, surtos, ameaças e muita gente revoltada. Ainda mais com a série ainda fresca na mente das pessoas. Tempo passa, expectativa aumenta.

Eis que chega a Comic-con 2011 e os fãs do herói foram surpreendidos por um fã que subiu ao palco fantasiado como o cabeça de teia. Após falar em como estava realizando um sonho ao participar do evento, ele retira a máscara e, para a alegria de todos, era o ator Andrew Garfield. Bastante nervoso e emocionado, ele fez um discurso apaixonado sobre como o Homem Aranha o ajudava a se tornar uma pessoa melhor e também a não cair no chão de nervosismo por estar falando diante de uma multidão.