Há exatos 10 anos e 22 dias às 17 horas, um garoto com seus 12 anos, entra na sala do cinema pra ver o seu herói na tela. Aquele que ele aprendeu a gostar graças ao seu primo, o cara mais viciado que ele já conheceu. O Garoto que adorava fotografia (e ainda adora) assim como seu herói, um garoto que passou por todos os anseios do colegial, como seu herói, e que como muitos outros garotos um dia desejaram ser “O Homem Aranha.

Jamais vou esquecer como sai ao término da sessão, cantando o refrão de “Hero” (era a única parte da musica que eu sabia) e maravilhado em ver meu super herói favorito representado na tela. Não preciso dizer que na produção das seqüências, eu segui e acompanhei cada conteúdo ao qual a benção da internet me dava acesso. Cheguei ao ponto de saber os dias que o Tobey/Peter queria filmar (sim, em determinado momento da carreira, ele chegou a escolher os dias que queria gravar. Ok.)

Enfim, veio o segundo filme (o meu preferido da trilogia) e o qual vi 10 vezes no cinema, e que rendeu ao meu pai a alcunha de Dr. Octopus por vários meses pela semelhança do seu nome.

Veio o 3º filme e bem… Todos odeiam e apedrejam o 3º filme, eu serei menos maldoso, direi apenas que ele é o mais fraco da trilogia. Embora tenha sido um show de efeitos especiais, com uma fotografia muito, muito foda, isso é inegável. Dei minhas “profetadas”, antes da sessão de meia noite na pré estréia, e acertei praticamente todas, o filme foi previsível, eu já tinha acompanhado toda a produção, então estava totalmente à par do que poderia, e iria acontecer. Ok, End. Harry Osborn morre. (Fiquei revoltado com isso).

Passaram-se os anos, pôsteres, DVDs e blurays do filme devidamente alocados na coleção. E a noticia na internet faz os fãs surtarem: Homem Aranha vai passar por um Reboot. Palavrões, surtos, ameaças e muita gente revoltada. Ainda mais com a série ainda fresca na mente das pessoas. Tempo passa, expectativa aumenta.

Eis que chega a Comic-con 2011 e os fãs do herói foram surpreendidos por um fã que subiu ao palco fantasiado como o cabeça de teia. Após falar em como estava realizando um sonho ao participar do evento, ele retira a máscara e, para a alegria de todos, era o ator Andrew Garfield. Bastante nervoso e emocionado, ele fez um discurso apaixonado sobre como o Homem Aranha o ajudava a se tornar uma pessoa melhor e também a não cair no chão de nervosismo por estar falando diante de uma multidão.

Discurso de Andrew Garfield na Comic-Con.

E a transcrição do que ele disse:

“Esse deve ser o dia mais incrível da minha vida. Eu sempre quis vir na Comic-Con, no Hall H, como Homem-Aranha. Esse sempre foi meu sonho. Então muito obrigado por me receberem. Vocês não têm idéia do que isso significa pra mim. Eu sempre quis vir aqui como um fã, e essa é a minha primeira vez, então aqui estou como um fã. Eu só queria falar algumas coisas. Eu vou apresentar esse painel, de o Espetacular Homem-Aranha.

Stan Lee disse que o motivo pelo qual o Aranha é tão popular é porque todo mundo consegue se identificar com ele, e eu concordo. Eu precisava do Aranha na minha vida quando eu era criança, e ele me deu esperança. Em cada quadrinho que eu lia, ele estava vivendo a minha fantasia e de todo moleque magrelo de ser forte, livre do corpo em que nasceu, e ter aquela sensação de praticamente voar. E ao receber o seu poder, ao invés de se corromper, ele o usou para o bem. E eu acho que todos nós queremos ter a coragem de nos defendermos, defender as pessoas que amamos ou um estranho que está sendo maltratado, e Peter Parker me ensinou a ser mais forte. Ele me fez, Andrew, mais corajoso. Ele me fez acreditar que fazer a coisa certa vale a pena. Vale o esforço, a dor, até as lágrimas, machucados e o sangue.

E , e, e eu não poderia estar aqui na frente de vocês hoje sem a sensação de que o Homem-Aranha está aqui, com a mão no meu ombro, me segurando para que eu não caia e me machuque. Ele inspirou inúmeras pessoas: garotos, garotas, homens, mulheres, todos nós e ele salvou vidas. Ele salvou a minha vida. E eu devo isso ao Cabeça de Teia, e ao “Stan The Man”, e eu estou honrado de estar aqui, como se vocês não soubessem, para compartilhar o trabalho que fizemos com vocês. E essa é a minha primeira Comic-Con. Esse é definitivamente o momento mais legal da minha vida e muito obrigado por compartilhá-lo comigo.”

Após esse discurso emocionado, eu só podia torcer pra que essa nova aventura dessa certo.

Mais um tempo passa, chega 2012 e com ele o lançamento do filme cada vez mais próximo, ai eis que a Sony nos presenteia com a 1ª exibição do filme no Brasil, duas semanas antes de sua estréia oficial, marcada para o dia 6 de julho.

Pulando toda a história das horas que os convidados passaram na fila. Muita conversa, muita expectativa. Chega a hora em que imprensa e convidados são direcionados até a sala, recebem seus óculos 3D e se preparam praquilo que promete ser uma experiência e tanto.

Antes de o filme começar, somos avisados que após o término do filme, iremos pra outra sala para o Bate Papo com Andrew Garfield e Emma Stone; Todos piram. Filme começa …. Filme termina após 2 horas e eu estava em choque na cadeira, meus amigos ao lado comentando, rindo, e eu ainda em choque pelo que tinha acabado de ver.

Como foi mágico, surreal, “Amazing”, ver um pouco daquilo que acompanhamos nos quadrinhos. Hoje aos 22 anos, posso dizer que o garoto de 12 anos veio a tona, e nunca ficou tão feliz como naquele momento.

Primeiro de tudo acho que não devemos comparar os filmes. Embora todo comentário que surgir será ‘comparado’. Aceite a antiga trilogia, (eu ainda gosto e sempre irei gostar), mas abra sua mente e coração e receba essa nova como realmente ela é: Um novo e Espetacular Homem Aranha.

Começando pelo Peter, Andrew Garfield nos entrega “O Peter” que lemos em Amazing Spider Man. Suas ações, seu tipo físico, suas pitadas de humor (marca registrada do Cabeça de Teia nas HQs), e ao mesmo tempo, seu lado emotivo. Ele nos entrega tudo isso num pacote completo que logo de cara já te convence. Esse era o Peter que sempre quis ver.

 

Tia May e Tio Ben: o relacionamento do Peter com seus tios é algo sincero, tão sincero que chega a ser tangível, você vê em cada gesto, em cada frase, em cada olhar, que existe o carinho entre aqueles familiares, e que mesmo com uma eventual discussão ou outra, eles são como qualquer família.


Sai a Mary Jane Watson/ Kirsten Dunst , e entra Gwen Stacy/ Emma Stone, e aqui devo ressaltar, não houve troca melhor do que essa. Gwen/Emma é muito melhor em cena do que Mary Jane/K.D. Ela corre, ela ajuda, ela toma suas próprias decisões e não é a mocinha indefesa gritando desesperadamente (o que a Mary Jane fazia muito bem era gritar); esperando que o Aranha, venha em sua ajuda.

Emma é linda. Tem uma química perfeita com o Andrew, e os diálogos não ditos entre os dois, aquela coisa de flerte do colegial: O Rapaz que quer chegar na garota, mas tem medo, a garota que acaba chegando no rapaz, mas nesse momento:

– “ É, então….eu acho…. você poderia….Lá em casa…. Sexta a noite… um Jantar com meus pais…”

E é nesse dialogo que você nota o quanto aquilo é bacana, puro e traz aos personagens algo extremamente humano.

Chegamos ao Vilão; O Lagarto. O que falar sobre o Lagarto?

Ele sempre foi um dos meus vilões preferidos. E ao saber que ele seria o arqui-inimigo do Peter nesse filme, minhas expectativas só aumentaram.

Interpretado por Rhys Ifans, ele é um personagem como todos que conhecem as HQs citaram, um pouco diferente do que os quadrinhos nos trazem, mas poxa, isso aqui não é uma “Adaptação”???

O filme mantém certos tons da HQ, mas nunca foi seu propósito ser uma cópia fidedigna.

Eu curti, E Muito, a interpretação do Dr. Connors. Sua transformação no monstro é uma dos presentes dos efeitos digitais, tudo é muito bonito e convincente.

PS: Atentem para a cena em que ele perde a cauda, e instantaneamente ela começa a crescer. Uma cena realmente bacana de se ver.

Por fim chegamos ao mentor disso tudo: Marc Webb, mais conhecido por “500 Dias com Ela” e digo de passagem, um dos meus filmes preferidos e um dos melhores filmes sobre relacionamentos, sem deixar aquela coisa melosa e chata que Hollywood vive fazendo com suas Comédias/Românticas.

Marc Webb sabe como ninguém mostrar e desenvolver uma história que tenha foco nas pessoas e em seus sentimentos. E é exatamente isso que ele traz a esse Espetacular Homem Aranha. Ele humanizou o Peter da forma como ele realmente é nos quadrinhos, não um Super Herói (ele vai chegar lá, mais ainda não é); mas um garoto em busca daquilo que realmente acredita.

Falando do brilhantismo do Marc Webb, gostaria de citar um diálogo, que em minha opinião, é um dos melhores do filme.

Homem-Aranha esta salvando um garotinho, preso em um carro em chamas, prestes a cair da ponte, a criança em seu desespero diz:

– “Eu não vou conseguir.”
Peter Responde:
-“Coloque a máscara! Você vai se sentir mais forte!”

Esse diálogo me tocou de uma maneira que é impossível não dizer que o emocional é a parte mais importante desse filme.

Obrigado por todo esse toque particular Marc Webb, obrigado mesmo!

Para terminar a trilha sonora te prende, Ouçam “What Happens Now” da banda estadunidense Cold. O 3D não é algo miraculoso, mas serve bem ao seu propósito e em algumas cenas oferece belos planos de imagem. Falei que não ia me prender a detalhes técnicos, mas algo que não posso deixar de citar é a fluidez nas cenas de batalha (hoje com o poderio tecnológico, toda cena de batalha pode ser bem feita); mas aqui as cenas do Aranha passam a sensação de que realmente o Peter tem muito mais de aracnídeo em si. Atenção para a batalha entre Aranha e Lagarto na escola, e vocês entenderão o que quero dizer.

Bem, termino esse texto dizendo que isso é a opinião de um Fã. Escrevi isso com meu emocional envolvido, e não nego. Não estou aqui pra bajular ou desmerecer o filme, apenas passei pras letras tudo o que Homem Aranha significa pra mim, e muitos outros, durante todos esse anos. Esse texto é feito de um Fã, para todos os outros Fãs que assim como eu, tem algo de Peter em suas vidas.

No mais, esperem ansiosos pelo dia 6, vejam o filme (quem puder assistir numa sala IMAX, pode ter certeza de que a experiência será única), e comentem, se gostaram ou não.

Eu sei de uma coisa. Pré-Estréias dos próximos filmes. Estarei em todas.

PS: Andrew Garfield é fantástico e carismático, Emma Stone é Absurdamente linda tanto em cena quando fora dela.

Esse Bate Papo entrou pra história como um dos dias mais “Espetaculares” para toda essa galera presente. Com certeza.


» Siga o Burn Book no Facebook Instagram e no Twitter e receba todas novidades dos livros, filmes e séries! «

By Marko Miller

Deixe sua opinião aqui :)