Livro sobre ficção climática alerta sobre questões ambientais

“New York 2140”, novo livro de Kim Stanley Robinson, traz novamente o aquecimento global como ponto de discussão mundial, com críticas positivas. Através dos olhos dos habitantes de um edifício, o autor mostra como Nova York, uma das maiores cidades do mundo, sofre mudanças com a alta das marés. O ano é 2140 e o governo americano ainda zela pelo bem-estar do capital, e não das pessoas.

A ficção climática mostra uma Nova York submersa por consequência do aquecimento global, com exceção de Manhattan, que ganhou o apelido de “Super Veneza”. Os moradores remanescentes vivem num arranha-céu de 50 andares, recém-construído na parte norte, perto de The Cloisters. O Metropolitan Life Insurance é um prédio semelhante ao Campanário de São Marcos, em Veneza. As ruas se tornam canais e os habitantes se adaptam à nova vida usando barcos particulares, táxis aquáticos e vaporetos para a locomoção.

Entre os personagens centrais estão uma ativista social e ex-mulher do presidente do Fed, um operador de fundos de hedge, uma strip-teaser defensora de animais, um zelador que mergulha, dois meninos sem-teto e uma dupla de hackers. Juntos eles tentam acabar com a especulação imobiliária na área habitável da cidade.

Neste momento e com a desesenfreada mudança de clima, um furacão devastador de nome Fyodor se abate sobre a Super-Veneza americana afundando-a um pouco mais. Este fenômeno remete aos furacões recentes que se abateram sobre os Estados Unidos, como o Irma, e insinua a quantas anda o próprio Acordo de Paris (2015) depois da eleição de Donald Trump.

Na história, Denver, no Colorado, se torna o centro financeiro e cultural dos Estados Unidos. O autor faz também uma crítica sobre o sistema financeiro, quando o governo americano socorreu os bancos na crise de 2008. O clima extremo é comparado aos males que Wall Street pode causar ao mundo.


Kim Stanley Robinson, autor de mais de 20 livros, já tinha a ficção climática como tema na trilogia sobre Marte: “Red Mars”, “Green Mars” e “Blue Mars” (1993 a 1996). Depois de sua viagem à Antártida, em 1995, escreveu o livro “Antarctica” (1997), que também tem inspiração nas mudanças climáticas. O tema volta a ser abordado na obras “Fourty Signs of Rain”, “Fifty Degrees Below” e “Sixty Days Counting”, que fazem parte da trilogia  “Ciência na Capital” (2004 a 2007).

“Podemos reformar o capitalismo rapidamente por meio de ação política e legislativa. A mudança climática não é tão fácil de mudar”, diz o romancista. “O capitalismo global financeirizado é a principal causa da mudança climática, e não a população humana por si só, nem a tecnologia suja.”

Ficha Técnica:

New York 2140
Autor: Kim Stanley Robinson
Lançamento: março de 2017
Editora: Orbit
Idioma: Inglês
Páginas: 624
Preço sugerido (site Amazon): R$ 78. (capa dura)

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

More Stories
Dublê morre em acidente de moto nas gravações de ‘Deadpool 2’