Arrow S03x23: My Name Is Oliver Queen | Crítica da Série 3
Séries e Tv

Arrow S03x23: My Name Is Oliver Queen | Crítica da Série

A season finale que os fãs mereciam finalmente chegou.

Essa terceira temporada foi uma montanha russa de erros, acertos e decisões que não deixaram muitos fãs felizes. Os roteiristas demoraram para trazer aquele clima sombrio de deixar o queixo caído, que a segunda fez com tanta facilidade, mas eles conseguiram caprichar no final.

Com Ras indo destruir Starling City com o vírus Alfa e Omega, Oliver só tem uma chance para impedi-lo. Seu grande plano se resumia a numa última investida contra a Cabeça do Demônio, mas ele era poderoso demais. Oliver não conseguiu derrubar o avião junto com Ras.

Oliver tentando se sacrificar para salvar a cidade não é algo que me surpreende. Não seria a primeira vez que ele desafiaria a morte para salvar aqueles que mais ama. Ele fez Malcolm enganar Ras para que todos já estivessem vacinados com o antidoto quando o demônio fosse usar o vírus. Não é qualquer um que consegue enganar alguém como ele. Alguns podem achar que Ra’s al Ghul foi manipulado fá de mais, mas no decorrer da temporada pudemos ver um lado mais inteligente de Oliver. Ele aprendeu muito no decorrer de suas aventuras e suas cenas de ação ou de manipulação não conseguem ultrapassar o que já sabemos que ele pode fazer.

A união com seu time foi difícil e foi bom ver que terão feridas que talvez nunca se cicatrizem. Seria estranho se, depois de tudo, tudo voltasse ao normal do nada. Diggle e Oliver nunca mais serão os irmãos de antes. É doloroso ver isso, mas necessário. No entanto, eles sempre se protegeram no campo de batalha, e como eles lutaram para proteger a cidade. Com Ras atacando quatro pontos diferentes, usando o sangue de seus próprios homens para infectar a cidade, eles turaram por toda parte.

Oliver teve sua luta final contra Ra’s al Ghul. Os dois mostraram o melhor que tinham, enquanto a equipe de Oliver cuidava dos homens de Ras por toda Starling City. Oliver mostrou que está próximo de se tornar alguém extraordinário e conseguiu derrotar seu maior inimigo. Eu esperava que Ras não fosse morto, ainda tenho aquela imagem do homem que só pode ser derrotado por Bruce Wayne, mas Arrow é meio que um universo paralelo e temos que aceitar isso para aproveita-lo completamente.

Starling City foi salva mais uma vez e os personagens foram colocados em novos rumos. Thea se tornou Speedy, e ficou muito sexy na nova roupa, Ray sofreu um acidente que finalmente pode lhe dar seu poder, Laruel continua a proteger a cidade e Diggle, bem, ainda tem que lidar com sua raiva.

A única coisa que não gostei foi Oliver abandonando sua vida de Arrow e indo embora. Com a tensão que teve o episódio, ele merecia um final melhor, como a aparição de Damien Darhk. Se ele for se tornar mesmo o grande vilão da quarta temporada, que mostrassem um pouco dele.

No geral eu estou satisfeito com essa season finale e espero ansioso para a quarta temporada. Tomara que não cometam os mesmos erros, e que os flashbacks continuem evoluindo nosso herói.

 

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Arrow S03x23: My Name Is Oliver Queen | Crítica da Série 4







Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Séries e Tv

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.