Como Doctor Who se tornou a série mais longeva da televisão

Doctor Who, a série britânica de ficção científica e aventura produzida pela BBC, criada por Sydney Newman; Verity Lambert; C.E Webber e Donald Wilson é um ícone cultural do Reino Unido e um marco da cultura pop, e vem se mantendo na ativa por mais de 50 (CINQUENTA) anos. Sim, ela sofreu uma pausa em 1989, porém jamais foi esquecida, tendo um filme em 1996 e sendo revitalizada em 2005. New Who, como é conhecida a nova fase, não exige que ninguém precise ver as 26 temporadas (e o filme) para compreender a história, apesar de respeitar e preservar a cronologia estabelecida. Por mais célebre que seja, ou por mais sucesso e audiência que tenha alcançado, nenhum outro programa de televisão sonha em sequer encostar nos calcanhares do viajante do tempo mais famoso de todos (talvez só o Programa Silvio Santos). Poucos produtos televisivos conseguiram transcender sua época e manter uma renovação constante, evitando o desgaste, as incansáveis brigas de elenco ou o simples esgotamento de ideias. Mas como Doctor Who, depois de mais de meio século, consegue se manter atual, relevante e influente

Precisamos combinar que sua sinopse já a favorece, pois, uma história que tem como fio condutor viagens pelo espaço-tempo, oferece uma gama tão infinita de possibilidades como o próprio universo. A série fala sobre amor; amizade; preconceitos; medo; superação; entre muitas outras coisas. São a partir de temas simples como esses que Shakespeare também continua sendo atual. Ao assistirmos Doctor Who, nunca sabemos se estamos vendo uma série de ficção científica ou de terror; uma história de romance ou de aventura; se vamos rir ou chorar. Esse grande caldeirão por si só já possibilitaria muito pano pra manga.



Mas o pulo do gato entrou quando os produtores tiveram de lidar com a saída do primeiro intérprete do Doutor, William Hartnell. O ator já era um homem de idade quando deu vida ao personagem em 1963, e já dava trabalho à toda equipe com seu jeito rabugento, mas ao passo em que se tornava mais terno com as lições aprendidas com o próprio programa, sua saúde se debilitava (ele sofria de arteriosclerose); sua memória enfraquecia cada vez mais; e também se desanimava com a debandada da equipe de produção original. Não fazia parte dos planos, mas com a audiência do show em alta, os produtores introduziram o conceito da regeneração.

William Hartnell, o primeiro Doutor.

Visto que o Doutor é um alienígena de uma raça tremendamente evoluída (os Senhores do Tempo), foi decidido que, ao se deparar com a morte, ele poderia voltar à vida com corpo e personalidade totalmente diferentes, porém preservando sua memória e experiências anteriores, o que dava novo gás a série, com vertentes diferentes do personagem para cada ator que assumisse o papel posteriormente, cada um dando seu tom e estilo de interpretação.

Esse recurso também foi utilizado para outros produtos de sucesso, como a franquia 007, por exemplo. Mas, diferentemente de James Bond, que simplesmente troca de aparência sem dar nenhuma satisfação, em Doctor Who temos uma razão e uma explicação coerente para essas mudanças acontecerem, inclusive o conceito de regeneração já tendo servido como motor para alguns arcos em determinadas temporadas.

A primeira mudança geralmente é a mais complicada e a que enfrenta maior resistência dos fãs (como pôde observar o pobre George Lazenby, primeiro Bond depois do icônico Sean Connery, que foi o único ator a fazer apenas um filme do espião, tamanho o choque da substituição).

George Lazenby, segundo ator a interpretar o 007. Lembra dele?

No final das contas, as regenerações se tornaram mais do que um mero recurso para que o programa continue, mas também uma das principais características da série. É sempre uma emoção se despedir de um Doutor; sempre uma curiosidade para descobrir quem será o próximo; e sempre uma diversão quando duas ou mais encarnações se encontram em um episódio. Hoje temos 13 versões do personagem, e sem dúvida todos temos nosso preferido, uns mais fofos (David Tennant), outros mais cômicos (Matt Smith) e alguns mais sombrios (dá-lhe Peter Capaldi!), e, com os eventos ocorridos na sétima temporada, ainda teremos muitos Doutores para conhecer.

E seria James Bond um codinome passado por gerações de 007 ou será que o agente do MI6 também é um Senhor do Tempo? PENSEM NISSO.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Leia Mais
Roda Viva com Atila Iamarino bate recorde de audiência