DC's Legends of Tomorrow S01x15: Destiny | Crítica da Série 3
Séries e Tv

DC’s Legends of Tomorrow S01x15: Destiny | Crítica da Série

Uma morte que vai deixar muitos com um peso no coração. Nunca iremos te esquecer.

Dizer adeus nunca é uma coisa boa, ainda mais quando o personagem é tão carismático e envolvente que nos conquistou desde o primeiro momento. Os produtores realmente nos pegaram onde dói e tenho que parabeniza-los por isso. São poucos que tem coragem de nos entregar um sentimento assim, ainda mais um canal com padrões bem mais simples como a CW

O episódio conduziu muito bem até esse desfecho, com o antigo mentor de Rip mostrando que desde o começo eles estavam sendo manipulados para ajudar Vandal Savage a tomar o poder. Isso com certeza foi um soco no estomago no nosso capitão. Eu me senti mal por ele, só pensando como seria saber que as pessoas que eu dediquei minha vida inteira foram os verdadeiros responsáveis pela morte das duas pessoas que eu mais amava no mundo. Tudo fora planejado desde o começo.

DC's Legends of Tomorrow -- "Destiny"-- Image LGN115a_0007b.jpg -- Pictured: Martin Donovan as Time Master Druce -- Photo: Cate Cameron/The CW -- © 2016 The CW Network, LLC. All Rights Reserved.

DC’s Legends of Tomorrow — “Destiny”– Image LGN115a_0007b.jpg — Pictured: Martin Donovan as Time Master Druce — Photo: Cate Cameron/The CW — © 2016 The CW Network, LLC. All Rights Reserved.

Essa reviravolta foi bem interessante para a trama, mesmo que eu não esteja mais tão certo quanto as regras da viagem do tempo quanto antes. Eu tirei o final do episódio para pensar na relação entre Zaman e Rip. Os dois meio que são movidos pelos mesmos objetivos, a única diferença é que um deles não tem medo de quebrar todas as regras para chegar até a salvação da raça humana.

No final, não dá para odiar os Mestres do Tempo. Eles não teriam feito aquilo se não quisessem nos salvar da invasão alienígena iminente, claro que isso não os faz menos culpados. Mas ás vezes o destino não nos dá muitas oportunidades.

O episódio foi um dos meus favoritos. Mesmo com algumas cenas de ação um tanto forçadas, o modo como os eventos foram conduzidos ajudou a equilibrar qualquer problema de produção. A morte de Snart foi algo que me pegou de surpresa. Acho que é bem óbvio que Ray, Sarah e Snart eram os melhores personagens – e isso se deva muito pelo talento dos atores. Dar adeus a um deles é muito doloroso. Felizmente, estamos falando do mesmo universo que Arrow e The Flash. Quem sabe ele não volte?

De qualquer forma, foi uma honra conhece-lo Capitão Frio. Você nunca será esquecido.

DC's Legends of Tomorrow -- "Destiny"-- Image LGN115a_0040b.jpg -- Pictured: Wentworth Miller as Leonard Snart/Captain Cold -- Photo: Cate Cameron/The CW -- © 2016 The CW Network, LLC. All Rights Reserved.

DC’s Legends of Tomorrow — “Destiny”– Image LGN115a_0040b.jpg — Pictured: Wentworth Miller as Leonard Snart/Captain Cold — Photo: Cate Cameron/The CW — © 2016 The CW Network, LLC. All Rights Reserved.

Confira o promo de DC’s Legends of Tomorrow 1×16 “Legendary”

 [[youtube https://www.youtube.com/watch?v=rCcRydW5sK8]]

*Encontrou algum erro na matéria? Avise-nos

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


DC's Legends of Tomorrow S01x15: Destiny | Crítica da Série 4







Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Séries e Tv

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.