Bleach | Crítica 16
NetflixCríticas de Filmes

Bleach | Crítica

Quando os cinemas acertam na adaptação!

Bleach foi um anime que fez parte da infância e adolescência de muitos, um dos motivos que talvez tenha levado a Netflix a comprar os direitos do longa para transmiti-lo internacionalmente. Eu gostaria muito de ter visto esse longa de Shinsuke Sato nas telonas, mas acho que não tem melhor lugar para ele do que no maior serviço de streaming do mundo.

Bleach | Crítica 17

A narrativa do filme segue o que esperamos. Ichigo Kurosaki (Sota Fukushi), um garoto que vê fantasmas, acaba se tornando um Ceifeiro de Almas por acidente ao encontrar com a ceifadora Rukia Kuchiki (Hana Sugisaki), o que leva o garoto a embarcar no mundo da Sociedade das Almas. O roteiro tem um pouco de dificuldade em equilibrar todos os enredos que se propõe a contar, mas no final acaba conseguindo contar uma boa história.

Bleach | Crítica 18

Muito disso se deve a química entre os personagens e do carisma de Sota. Ele foi a escolha certa para carregar o filme nas costas e o foco no seu arco ajuda muito você a relevar os problemas do longa. No final, você acaba tendo uma história divertida e gostosa de se acompanhar, mesmo que os efeitos especiais não sendo o que esperamos. No entanto, não podemos esquecer que não estamos falando de uma produção de Hollywood.

Bleach | Crítica 19

Acho que posso dizer que os fãs do anime vão ficar muito felizes.

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Bleach | Crítica 20


Guilherme Cepeda
Guilherme Cepeda é podcaster, blogueiro e escritor. Pós-Graduado em Marketing e apaixonado por tecnologia e literatura desde sempre, em 2010 resolveu criar um blog para compartilhar sua opinião com os amigos. Jamais imaginaria que o projeto chegaria tão longe, tornando-se hoje o Burn Book, um dos maiores portais de literatura jovem do Brasil. Escreveu em co-autoria os livros da série Minha Vida, e em seu trabalho mais recente, já pela Editora Burn Books, publicou o conto “Estarei em Casa para o Natal” na antologia que leva o mesmo nome, também foi publicado em outras antologias pelas Editoras Wish, Villa-Lobos e Rouxinol. Guilherme é co-criador do Podcast “BurnCast”, o qual é responsável pela edição, pós-produção e roteiro há mais de um ano.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Netflix

Leave a reply