Um ótimo diretor num filme mediano

Depois de ter passado nas mãos de muitos diretores o remake americano de Death Note finalmente chegou, dessa vez nas mãos da Netflix e do diretor Adam Wingard sobre Light Turner (Nat Wolff), o jovem que encontra o caderno da morte do ceifador Ryuk (Willem Dafoe) e sua vontade de criar um mundo sem criminosos que acaba atraindo a atenção do enigmático detetive L (Lakeith Stanfield)

Uma pena que o diretor não consegue aproveitar essa premissa, mas acho que depois de Ghost in the Shell muitos estavam com um pé atrás sobre o que viria, ainda mais quando eles perceberam que seria bem diferente do seu material original. Não que isso seja algo de ruim. Existem vários exemplos de história que se desvirtuaram de suas origens e acabaram sendo incríveis e o começo do filme é muito bom. A direção dinâmica de Adam e o jogo de edição consegue nos mostrar de uma maneira rápida e boa quem são os personagens e suas motivações. Você acaba ficando preso no que ele quer te mostrar.

Adam realmente tem um talento para filmar e para uma história como aquela você precisa de alguém dinâmico na direção, uma pena que o roteiro não ajuda. A história acaba se perdendo na metade a diante e todo o potencial que o diretor cria começa a afundar no momento que os personagens deixam de ficar interessantes.

Quando você sente que o filme está indo ladeira abaixo ele te joga uma reviravolta no final que volta a te prender e te deixa até com um gostinho bom na boca. Os fãs da obra original podem se sentir devastados pelas mudanças, mas quem estiver entrando nesse mundo pela primeira vez vai acabar gostando. Não é um filme ruim, mas foi mal aproveitado.



» Siga o Burn Book no Facebook Instagram e no Twitter e receba todas novidades dos livros, filmes e séries! «

Confira o trailer: 

[]

Personagens 50
Enredo 45
Fotografia 80
Efeitos Especiais 75
Trilha Sonora 69
Nota dos Leitores:7 Votes76
64

Deixe sua opinião aqui :)

Sem mais artigos