Tidelands: 1ª temporada | Crítica 19
CríticasNetflixSéries e Tv

Tidelands: 1ª temporada | Crítica

A série Tidelands, primeira produção australiana original da Netflix chegou à plataforma em dezembro. A produção criada por Stephen M. Irwin e Leigh McGrath conta com 8 episódios e trás uma história interessantes e um universo incrível, apesar de diálogos rasos.

Tidelands é misto de plot-twists e ideias interessantes. Calliope McTeer (Charlotte Best), uma ex-presidiária que retorna à cidade Natal, Orphelian Bay, após dez anos. Ali, ela tem que lidar com pessoas que sabem sobre seu passado, uma mãe que a odeia e um irmão que esconde segredos. Ao mesmo tempo, uma morte misteriosa faz com que seu caminho cruze com o dos ‘Tidelanders‘, seres híbridos, metade humanos, metade sereias. Eles vivem em uma pequena comunidade, afastada da cidade, L’Attente, liderada pela rainha Adrielle Cuthbert (Elsa Pataky). Além disso, uma série de assassinados, drogas e dinheiro, e seus dois interesses amorosos, Corey (Mattias Inwood) e Dylan (Marco Pigossi),  a faz Cal se questionar sobre quem ela realmente é.

Tidelands: 1ª temporada | Crítica 20

Podemos dizer que a construção de um universo bastante realista foi um dos pontos altos. A mitologia das sereias é bem sólida. Os seres híbridos são abandonados pelas mães-sereias e levados para a comunidade para serem criados por Adrielle. Ela ‘cuida’ da pequena comunidade há muitos anos, e podemos ver que eles possuem suas próprias regras e leis. Outra coisa legal é ver o espírito australiano presente na comunidade de L’Attente.

A série não abusa da fantasia, e a utiliza para explorar temas comuns – e bastante humanos, como tráfico de drogas, problemas familiares, corrupção e interesses. Alias, morte é uma coisa que tem de sobra, e faz você se perguntar quem vai sobreviver para uma segunda temporada.

Tidelands: 1ª temporada | Crítica 21

Outro ponto positivo é a presença brasileira dentro da série. O ator Marco Pigossi arriscou no inglês e impressionou bastante com o idioma, quase melhor do que de outros atores. Conseguiu levar seu personagem de maneira digna, sendo um dos personagens mais interessantes da série. Curiosamente, seu último papel aqui no Brasil foi o personagem Zeca, de ‘A Força do Querer’, que era apaixonado pela “sereia” Ritinha. Destino?

A série conta com cenários de perder o fôlego. Tidelands foi filmada exclusivamente em Queensland e apoiada pelo governo local através da Screen Queensland.

Que tal dar uma chance para essa série? Confere o trailer:

Ouça o último episódio do BurnCast:

Você pode ouvir BurnCast no Burn Book, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music ou no aplicativo de sua preferência. Assine ou siga o BurnCast, para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar.


Tidelands: 1ª temporada | Crítica 22


O que você achou desse Post?

LOL
0
GOSTEI
0
AMEI
0
CONFUSO
0
Engraçado
0
Samyra Matt
Formada em Comunicação e Ux Design, e apaixonada por cultura nerd desde que se entende por gente. Sonha em um dia, viajar para a escócia e atravessar pelas pedras, para o século XVIII. Apaixonada por comida e Netflix.

Você pode gostar de:

Mais Posts em:Críticas

Leave a reply